COBERTURA ESPECIAL - Fronteiras - Defesa

28 de Maio, 2013 - 15:57 ( Brasília )

Ágata 7 - Operação vistoria mais de 129 mil veículos e destrói pista clandestina em terra indígena


O segundo balanço parcial da Operação Ágata 7 mostra que, depois de dez dias de atividades, a ação que pretende marcar a presença do Estado vem surtindo efeito no que diz respeito à repressão a crimes na fronteira do Brasil .

Com o envolvimento de 33.563 militares e de 1.090 agentes de diversos órgãos públicos, a ação conseguiu criar uma barreira contra os delitos de fronteira, principalmente nas rodovias. Até agora foram vistoriados mais de 129.825 veículos nos 16,8 mil quilômetros de faixa de fronteira.

Além disso, rios e lagos estão sendo supervisionados pela Marinha, que utiliza navios patrulha fluvial e de assistência hospitalar, helicópteros UH-12 e lanchas. A operação já resultou na vistoria de 2.743 embarcações.

Durante a fiscalização das rodovias e rios da região de fronteira, a Ágata apreendeu mais de 2.399 quilos de drogas, sendo duas toneladas só de maconha e 281 de cocaína, além de 8 mil quilos de explosivos.

Dentre as ações de vulto, destaca-se a apreensão de U$ 260 mil, encontrados em um carro em Santa Catarina, e 40 mil pacotes de cigarros, avaliados em mais de R$ 1 milhão de reais, apreendidos em um caminhão na cidade de Guaíra (PR).

A Ágata está atuando com eficiência também no espaço aéreo. Até agora foram interceptadas 97 aeronaves só na Região Sul. Nessa localidade, no trecho entre Guaíra (PR) e Chuí (RS), estão sendo utilizadas, pela primeira vez simultaneamente, os Veículos Aéreos Não-Tripulados (Vants) da Força Aérea Brasileira e da Polícia Federal. A utilização dos dados coletados por essas aeronaves tem permitido o mapeamento dos pontos onde ocorrem os ilícitos.

Na Região Norte, uma pista clandestina que dava apoio a um garimpo ilegal na terra indígena Yanomami foi destruída em Cachoeira Xiriana (RO), num local próximo à fronteira com a Venezuela.

Ações sociais

Além de ações de patrulha e fiscalização, a operação realizou diversas Ações Cívico-Sociais (Acisos). Ao todo, 13.893 pessoas tiveram atendimento médico nas regiões de fronteira do Norte, Sul e Centro Oeste. Nas ações, foram distribuídos 30.489 medicamentos.

s equipes das Acisos também realizaram consultas odontológicas. No Norte foram 7.346 consultas, no Sul 1.259 e no Centro Oeste 346, totalizando 8.951 atendimentos.

Sobre a Ágata

Instituída com uma das ações do Plano Estratégico de Fronteiras (PEF) pela presidenta Dilma Rousseff, a operação Ágata é mantida sob o comando do Ministério da Defesa e coordenada pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA). A execução cabe à Marinha, ao Exército e à Força Aérea Brasileira (FAB), com o apoio de 12 ministérios, cerca de 20 agências governamentais, forças policiais e agentes de dez estados e 710 municípios.

Como a operação se desenvolve ao longo de toda a fronteira terrestre, as tropas contam com os centros montados nos Comandos Militares da Amazônia (CMA), em Manaus (AM); do Oeste (CMO), em Campo Grande (MS); e do Sul (CMS), em Porto Alegre (RS). Nesses locais atuam militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.