COBERTURA ESPECIAL - Front Interno - Defesa

29 de Julho, 2012 - 22:00 ( Brasília )

PROTEGER - Governo terá plano de proteção de R$ 9,6 bi

Comando do Exército apresentou à presidente Dilma o projeto PROTEGER é defender locais como hidrelétricas, refinarias e usinas nucleares

Tânia Monteiro

O Brasil terá um sistema completo de proteção das instalações estratégicas do País, que será capaz de evitar invasões como a que ocorreu na usina hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, em fevereiro de 2008( nota DefesaNet Mais detalhes nas tagas abaixo), quando integrantes do movimento dos atingidos por barragens chegaram à sala de operações e ameaçaram parar a distribuição de energia em grande parte do País.

O projeto foi apresentado a presidente Dilma Rousseff na terça-feira, antes de ela embarcar para Londres, pelo comandante do Exército, general Enzo Peri. O militar disse ao Estado que Dilma classificou o projeto como “muito importante”. O sistema PROTEGER, como foi batizado pelo Exército, custara R$ 9,63 bilhões e será instalado em 12 anos. O projeto-piloto foi feito para preservar as instalações da usina hidrelétrica de Itaipú e também atendera as subestações e linhas de transmissão do oeste do Paraná, que receberão a proteção da Brigada de Infantaria de Cascavel (PR). O segundo passo é reforçar a proteção da infraestrutura de empresas estratégicas de São Paulo, como a refinaria de Paulínia ou as indústrias de São Jose dos Campos e do Rio de Janeiro, onde estão localizadas, por exemplo, a refinaria de Duque de Caxias (Reduc) e as Usinas Nucleares de Angra dos Reis.

Trabalho permanente.

“O Exército deixará de trabalhar só na crise, mas de forma permanente, agindo preventivamente, diminuindo a vulnerabilidade das instalações estratégicas do País e de forma interligada com todos os órgãos responsáveis pela segurança do País”, disse o general Jose Fernando Iasbech, gerente do PROTEGER.

Para a instalação do projeto, no entanto, conforme o general Peri, serão necessários mais meios e poderá haver necessidade de aumento de pessoal. Ele espera que os recursos para o projeto sejam incluídos na Lei Orgânica de Assistência Social (Loas) de 2013. O general Iasbech diz que, para começar a instalação do projeto-piloto na Brigada de Cascavel, já foram liberados R$ 79 milhões para a compra de equipamentos para 500 integrantes do Exército, além de viaturas, barracas e equipamentos de comunicação.

O comandante do Exército acrescentou que “esta Brigada vai receber carros de combate Urutu novos, enquanto os Guaranis não chegam e será contemplada com prioridade também no recebimento de armamento individual novo, equipamentos de comunicação, como estacoes radio e rádios de comunicação individual para que todos sejam interligados”. Ha ainda R$ 41 milhões contingenciados, aguardando a liberação. A prioridade e para a aquisição de produtos nacionais.

Na apresentação para Dilma, o general chamou a atenção que o novo projeto do Exército objetiva proteger 56% da matriz energética do País e, no caso de petróleo e gás, a produção de mais de 20 milhões de metros cúbicos de petróleo e derivados em terra, além de 20 mil quilômetros de dutos em operação e mais de 100 mil quilômetros de linhas de transmissão, sendo que só Itaipu é responsável por 17% da energia elétrica produzida no Brasil.

Alvos.

Mas a proteção se estendera ainda a todos os terminais portuários e aeroportuários, termelétricas e todo tipo de projeto estratégico, estruturas que correspondem a mais de 92% do PIB nacional. No total, são 371 locais que precisam ser permanentemente monitorados, 689 considerados de alto relevo e 13.300 classificados como de infraestrutura critica.

Ainda segundo o gerente do PROTEGER, ha empresas da área de hidrelétricas que já pedem auxílio aos peritos do Exército. “Já é o início do projeto na base de operação”, disse o general.

O emprego da força federal, explicou, sempre ocorrerá após serem esgotados os meios locais, “porque o Exército não vai virar guarda patrimonial”. Antes do emprego federal, comentou, as empresas têm suas seguranças próprias, há os órgãos de segurança pública, e, somente quando esgotados os recursos locais, o Exército estará pronto para entrar imediatamente, por meio da unidade militar mais próxima do empreendimento.

 

Sistema de monitoramento de fronteira vai começar em MS


Além do Proteger, o Exército dispõe de dois outros projetos estratégicos em adoção que foram apresentados a presidente Dilma Rousseff na reunião da última terça-feira: o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), orçado em R$ 11,9 bilhões e que estará concluído em dez anos, e o Centro de Defesa Cibernética (CD Ciber), com custo de R$ 2,3 bilhões, a ser instalado em quatro anos. Todos os projetos funcionam de forma integrada e fazem parte de um total de sete planos estratégicos em desenvolvimento no Exército, com objetivo de ampliar o poder de atuação da Força Terrestre.

Segundo o comandante do Exército, general Enzo Peri, na próxima terça-feira será aberta a licitação do projeto piloto do Sisfrom, a ser instalado em Dourados(MS).O piloto prevê o reforço de 650 quilômetros de fronteiras que dividem Mato Grosso do Sul com Bolívia e Paraguai. Este ano, serão destinados R$300 milhões ao Sisfrom, sendo R$ 180 milhões para o sistema de radares de Dourados, que deverão ser integrados a outras plataformas de vigilância da região.

Já o CD Ciber, que receberá R$ 120 milhões este ano, passou pelo seu primeiro teste durante a Rio+20. O Brasil, hoje, é o único país da América Latina a contar com um simulador de defesa cibernético