COBERTURA ESPECIAL - Modernização FAB - Aviação

10 de Dezembro, 2015 - 09:30 ( Brasília )

Futuros pilotos de combate em ação conjunta

Exercício operacional finaliza curso de especialização de pilotos de combate

Os futuros pilotos de combate da Força Aérea Brasileira (FAB) participaram, no início de dezembro, do exercício Especializex. O objetivo foi realizar a complementação curricular dos mais de cem estagiários do Programa de Especialização Operacional (PESOP) de 2015, que irão se formar na próxima quinta-feira (10/12), em Natal (RN). Eles vão integrar as aviações de caça, transporte, busca e salvamento, reconhecimento, patrulha e asas rotativas.

Durante o exercício, os militares treinaram as missões compostas (também conhecidas como de pacote), que são a realização simultânea de missões diversas executadas por aeronaves diferentes de forma coordenada. Esse tipo de modalidade é empregado pela Força Aérea em exercícios operacionais e operações conjuntas e combinadas.

Os estagiários enfrentaram problemas simulados característicos do piloto envolvido neste tipo de missão, e interagiram entre si. Dessa forma, eles puderam perceber a importância de cada aviação no contexto de uma guerra aérea moderna.

“Os militares podem se deparar com problemas resultantes da evolução tática de um conflito, por exemplo, a oscilação da linha de contato com as forças inimigas, evolução do posicionamento das ameaças terrestre, navais e aéreas; entre outros”, destacou o Capitão Lauro de Freitas, da Primeira Força Aérea (I FAE), unidade responsável por receber e treinar os pilotos recém-formados na Academia da Força Aérea (AFA).

De acordo com coordenação do Especializex, o treinamento é uma oportunidade para se pôr em prática a estrutura de comando e controle no processo de planejamento e na condução de operações aéreas.

Já para os jovens pilotos de combate, os conhecimentos adquiridos ao longo da atividade serão utilizados em exercícios operacionais e operações conjuntas e combinadas da FAB com o Ministério da Defesa, como a Ágata, CRUZEX, SALITRE, etc.

Validação curricular – O treinamento é necessário para a validação curricular dos pilotos pelas futuras unidades às quais eles serão subordinados: Segunda Força Aérea - FAE II (aviação de busca e salvamento, asas rotativas - helicóptero e patrulha), Terceira Força Aérea - III FAE (aviação de caça e reconhecimento) e  Quinta Força Aérea - V FAE (aviação de transporte).

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica realizou diplomação de 163 Oficiais

A Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR) realizou, no dia 4 de dezembro, a cerimônia militar de diplomação de 163 Oficiais-Alunos.

Foram diplomados no Curso de Política e Estratégia Aeroespaciais (CPEA) 43 militares, sendo dois da Marinha do Brasil, dois do Exército Brasileiro e um Oficial Instrutor da ECEMAR, além de 120 militares no Curso de Comando e Estado-Maior (CCEM). Dentre esses, sete Oficiais de Nações Amigas (ONA), representantes dos seguintes países: Angola, Argentina, Canadá, El Salvador, Estados Unidos, Peru e República Dominicana.

“O CCEM se encerrou com as atividades de maior destaque: a discussão construtiva da Jornada Científica e a interação prática das três Forças e de todas as disciplinas estudadas, no exercício de jogos de guerra AZUVER. Essa experiência de Operações Conjuntas marca, em cada um dos formandos, a percepção de que é preciso se dedicar e se aprimorar sempre”, disse o primeiro colocado do CCEM, Tenente-Coronel Rainer Ferraz Passos.

Em suas palavras, o Comandante da ECEMAR, Brigadeiro do Ar Aldo Matsuhiro Miyaguti, ressaltou que a Escola, no cumprimento de sua missão, proporcionou aos Oficiais-Alunos o treinamento necessário a um assessor de alto nível ou a um Oficial de Estado-Maior.

“Essas características são condições indispensáveis a uma instituição que tem por desafio adaptar-se às novas exigências da guerra aérea, bem como preparar administradores aptos a conduzir os destinos do Comando da Aeronáutica nos próximos anos, tudo de acordo com as mais modernas técnicas gerenciais”, disse o Comandante.

A solenidade ocorreu na Universidade da Força Aérea (UNIFA) e contou com a presença de Oficiais Generais do Alto-Comando e de inúmeras autoridades militares, sendo presidida pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato.

Qualificação – O CPEA é o curso destinado aos Oficiais Superiores do posto de Coronel e que tem por objetivo fornecer conhecimentos que os capacitem a formular e conduzir a Política Militar da Aeronáutica, considerando a Política de Defesa Nacional, estabelecendo a correlata Estratégia Militar da Aeronáutica. O CCEM tem por objetivo capacitar os Oficiais Superiores nos postos de Major e Tenente-Coronel, para o exercício das funções de Comandantes, Chefes, Diretores e Oficiais de Estado-Maior.



Outras coberturas especiais


UNODC

UNODC

Última atualização 19 SET, 12:30

MAIS LIDAS

Modernização FAB