COBERTURA ESPECIAL - Modernização FAB - Aviação

23 de Setembro, 2014 - 11:00 ( Brasília )

KC-X2 - Acordo com IAI é exemplo a ser seguido


Virgínia Silveira

O projeto das aeronaves KC-X2, da Força Aérea Brasileira (FAB), está sendo considerado um dos mais bem elaborados programas de compensação industrial e tecnológica para a indústria aeroespacial e de defesa brasileira. O KC-X2 contempla a aquisição de três aviões para missões de reabastecimento em voo, transporte estratégico de carga e tropa e evacuação médica.

A empresa IAI (Israel Aerospace Industries) foi escolhida para fornecer os aviões que substituirão os antigos KC-137 ou Sucatões, incorporados pela FAB em 1986 e empregados em missões operacionais e humanitárias.

O contrato ainda não foi assinado, pois aguarda recursos no orçamento. A FAB, no entanto, tem pressa em viabilizar o acordo. "Com a perda do Sucatão, a FAB ficou sem nenhum avião para realizar estas missões e tem tido que recorrer ao aluguel de aeronaves dos países vizinhos para manter-se operacional", disse Manoel de Oliveira, presidente da Sygma.

Os aviões comprados pela FAB da IAI são do modelo Boeing 767-300 usados. Eles serão convertidos para aviões cargueiros e posteriormente transformados em aeronave de abastecimento.

A proposta para KC-X2 foi elaborada pela Sygma. Segundo Oliveira, o "offset" oferecido pela IAI beneficiará as empresas Akaer, TAP Engenharia e Manutenção, Gespi e Friuli. A IAI irá capacitar a Friuli a projetar alguns ferramentais utilizados na instalação e desinstalação de equipamentos nos aviões que serão fornecidos para a FAB. "O avião poderá ser usado em quatro configurações diferentes. Em duas horas você transforma uma versão para transporte de tropa em avião hospital ou de reabastecimento em voo", diz o presidente da Friuli, Gianni Cucchiaro

A parceria, segundo Cucchiaro, representa investimentos da ordem de R$ 2 milhões. A Friuli vai enviar alguns de seus funcionários para serem treinados na fábrica da IAI em Israel.

A Gespi Aeronáutica, especializada em manutenção e reparo de turbinas aeronáuticas e industriais, receberá da IAI treinamento para fazer manutenção dos motores dos 12 caças A-4 da Marinha, que estão sendo modernizados pela Embraer.

Esse trabalho, segundo o presidente da Gespi, João Scarparo, é feito hoje no exterior e leva quase dois anos para retornar ao Brasil, devido à complexidade que envolve transporte e desembaraço de equipamentos aeronáuticos.

O executivo estima que essa nova atividade criará uma demanda de trabalho de seis motores por ano e uma receita entre R$ 6 milhões e R$ 7 milhões para a empresa. "No Brasil poderíamos fazer esse trabalho para a Marinha em 90 dias", ressaltou.

Para a TAP Manutenção & Engenharia, a transferência de tecnologia será no treinamento para fazer as conversões de aviões Boeing 767-300 da configuração standard de transporte de passageiros para uma configuração multimissão (transporte de cargas, tropas, remoções aeromédicas, além de reabastecimento aéreo).

A empresa também receberá treinamento para a manutenção de sistemas de missão incorporados à aeronave que será convertida. "Além da demanda de serviços oriunda deste projeto, haverá uma qualificação de parte do nosso corpo técnico em modificações estruturais complexas de aeronaves", afirma o diretor de desenvolvimento de negócios da TAP, Anderson Fenocchio.



Outras coberturas especiais


Panorama Haiti

Panorama Haiti

Última atualização 17 NOV, 19:40

MAIS LIDAS

Modernização FAB

5