COBERTURA ESPECIAL - Eventos - Segurança

23 de Novembro, 2015 - 12:10 ( Brasília )

"Lobos solitários são a maior ameaça aos Jogos de 2016"

Ataques na França fazem subir alerta no Rio de Janeiro. Diretor de contraterrorismo da Abin, Luiz Alberto Sallaberry, revela que Brasil vai trabalhar com inteligência de 110 países na segurança dos Jogos Olímpicos.

Enquanto na Europa continua a caçada de envolvidos nos ataques terroristas de Paris, o nível de alerta subiu também do outro lado do Atlântico – no Brasil. A poucos meses dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, o Comitê Olímpico Internacional (COI), o comitê organizador e o governo federal discutem nesta semana possíveis mudanças no plano de segurança do maior evento esportivo do planeta. Previsto para custar cerca de 930 milhões de reais, o gasto com os serviços de segurança deve aumentar.

Embora fontes do governo brasileiro descartem a presença de células terroristas no país, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) vê em ações individuais, dos chamados lobos solitários, a principal ameaça aos Jogos. E, por isso, serviços de inteligência de 110 países devem enviar agentes à cidade para trabalhar em parceria com o serviço secreto brasileiro.

Em entrevista exclusiva à DW Brasil, o diretor de contraterrorismo da Abin, Luiz Alberto Sallaberry, garante que o país vem trabalhando discretamente com o apoio de serviços de inteligência estrangeiros para monitorar eventuais ameaças. Mas, admite: "Não existe risco zero quando o tema é segurança e, muito menos, quando o assunto é terrorismo."
 

DW Brasil: O que muda nos preparativos para os Jogos Olímpicos dado o cenário de crescente ameaça de terrorismo no Ocidente após os atentados em Paris?

Luiz Alberto Sallaberry: Não resta dúvida de que estamos vivendo uma escalada de atentados terroristas no ano de 2015 e não apenas em países ocidentais. Houve os recentes ataques em Beirute, em Ancara e o caso do avião russo derrubado no Egito, sem nos esquecermos dos países africanos profundamente afetados por grupos extremistas, como Quênia, Tunísia, Líbia... O terrorismo é, hoje, a principal ameaça internacional, contra a qual nenhum país está imune.

No caso do Brasil, a partir do momento em que passamos a sediar grandes eventos internacionais, esportivos, cúpulas de chefes de Estado e de organismos internacionais, e passamos a receber cidadãos dos mais diferentes países, nos tornamos palco de possíveis atentados contra interesses estrangeiros em nosso território.

As Olimpíadas são o maior evento do planeta; receberemos atletas e representantes de mais de 200 países. Não existe risco zero quando o tema é segurança e, muito menos, quando o assunto é terrorismo, mas a Abin adquiriu muita experiência nos últimos anos, e seu departamento de contraterrorismo vem trabalhando noite e dia em prol da segurança dos Jogos Olímpicos.

E isso desde os Jogos Panamericanos de 2007, quando montamos o primeiro Centro Integrado de Inteligência do país. Claro que, hoje, esse trabalho é conjunto com as unidades antiterror do Ministério da Justiça e da Defesa.

A diferença, porém, é que a inteligência é o “negócio”, por excelência, da Abin, e a essência da inteligência é a prevenção. Trabalhamos para que um ataque não ocorra, porque, uma vez ocorrido, o trabalho passa a ser majoritariamente policial, de segurança e de Defesa.

Qual o nível de cooperação do Brasil com agências de contraterrorismo e inteligência de outros países? Vai haver reforço ou mudanças?

A Abin mantém cooperação com mais de 80 serviços de inteligência do mundo inteiro e, particularmente quando o tema é contraterrorismo, todos os países têm grande interesse em cooperar, justamente porque essa é uma ameaça genuinamente global. Para os Jogos Rio 2016, já temos confirmados mais de 110 países que querem integrar o Centro de Inteligência de Serviços Estrangeiros (Cise), cuja sede também ficará no Rio de Janeiro, funcionando juntamente com o Centro de Inteligência dos Jogos (CIJ), na Superintendência da Agência na cidade.

A imprensa brasileira chegou a especular que, no ano passado, fora decidido que 315 agentes da Abin viriam ao Rio para os Jogos. E esse número estaria sendo reavaliado agora. Quantas pessoas afinal estarão envolvidas no trabalho?

Com relação aos meios que estamos empregando na área de inteligência da Abin, ou especificamente na área de contraterrorismo, são também informações de inteligência. Ou seja, sigilosas, principalmente, em termos de efetivos empregados.

A questão dos chamados lobos solitários é uma grande preocupação no resto do mundo. O Brasil trabalha com essa hipótese? O que temos feito para monitorá-la?

Os lobos solitários continuam sendo a principal ameaça do terrorismo aos Jogos Olímpicos. Não existe área prioritária, a ameaça é difusa em qualquer parte do território brasileiro e fora dele. Estamos usando todos os meios disponíveis dentro do estamento jurídico nacional, utilizando nossos colaboradores, trabalhando com metodologias próprias em fontes abertas, além de contar com apoio de serviços estrangeiros e também com a cooperação com a polícia judiciária e o ministério da Defesa.

Embora saibamos que não há 100% de garantia na área de segurança, o trabalho está sendo bem feito e esperamos ter sucesso. Finalmente, mesmo com as incertezas ainda envolvendo os ataques na França, se foram planejados pelo Estado Islâmico ou algum grupo interno se auto-organizou, isso não muda em nada o fato de que a maior ameaça ao Brasil continuam sendo os lobos solitários.

Que experiências da Copa e de outros grandes eventos vão ser aproveitadas nos Jogos Olímpicos?

Tudo o que foi feito na Copa do Mundo vai ser feito durante os Jogos Olímpicos, mas estamos agregando novas metodologias e processos de trabalho a partir deste ano e continuaremos aprimorando o trabalho em 2016, principalmente, graças ao contato com outros serviços de Inteligência estrangeiros. A principal experiência bem-sucedida que será replicada é a montagem de Centros de inteligência no Rio de Janeiro e nas cidades sede do futebol, coordenados pela Abin e compostos por órgãos integrantes e parceiros do Sistema Brasileiro de Inteligência.
 

Capacidade antiterrorista do Brasil depende de cooperação internacional

Em Brasília, o discurso oficial é o de que a estratégia de segurança para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 está pronta e não muda, mas que haverá, sim, um novo "patamar de vigilância" após os atentados que abalaram Paris no último dia 13 de novembro.

O esquema de proteção durante os jogos promete ser o maior do país: 85 mil profissionais, sendo 47,5 mil da Força Nacional de Segurança e o restante do Ministério da Defesa, além da criação de um Centro Integrado de Enfrentamento ao Terrorismo (Ciet). O tema é pauta de um seminário internacional promovido pelo governo brasileiro nesta segunda-feira (23/11). Para a Copa do Mundo de 2014, foram mobilizados 60 mil profissionais.

O sucesso da mobilização para os Jogos Olímpicos, porém, dependerá da cooperação com agentes estrangeiros e, sobretudo, da coordenação entre os diversos órgãos envolvidos, como Ministérios da Justiça e Defesa, Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Forças Armadas e Polícias Federal e Militar, avaliam especialistas consultados pela DW Brasil.

Para Paulo Storani, ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro (Bope) e professor da Universidade Cândido Mendes, o maior risco é que velhos problemas de segurança pública, como fronteiras vulneráveis e a falta de uma política conjunta facilitem a ação de terroristas.

"Falta-nos estrutura. Não temos sequer um cadastro nacional único, capaz de identificar bandidos com rapidez. As instituições estaduais e federais não se comunicam. Falta uma política conjunta, e as drogas e armas entrando aqui em profusão, por fronteiras vulneráveis, tanto marítimas quanto terrestres, agravam o problema", afirma o especialista. "Não há mais tempo hábil para criar uma nova estrutura. Isso teria de ter sido feito oito anos atrás, quando o Brasil se candidatou à cidade-sede dos Jogos. Esse seria o maior legado olímpico para o país."

Atraso na lei antiterrorismo

Storani também vê com preocupação a demora na aprovação da lei antiterrorismo pelo Congresso, sem a profundidade necessária para punir esse tipo de crime, e a falta de um protocolo geral de procedimentos a serem adotados em caso de emergência. Ele lembra que os Jogos Olímpicos são uma situação atípica. Embora o Brasil não seja um alvo específico, vai abrigar delegações de centenas de países – inclusive de muitos considerados alvos potenciais do terror, como Estados Unidos, Israel, Alemanha e França.

"Quando houve os atentados em Paris, imediatamente subiram o nível de alerta nos Estados Unidos, por exemplo, onde há um protocolo a ser seguido em caso de ameaça. Nós não temos essa experiência. Temos um esquema de segurança precário, sem nenhuma garantia e um silêncio muito grande do governo federal sobre o que, de fato, está sendo feito", considera.

"É um momento geopolítico difícil. Seria um vexame muito grande se algumas delegações decidissem não vir ao Rio por conta da nossa vulnerabilidade. Seria um grande atestado de incompetência", critica Storani.

A obtenção de informações de inteligência é uma área nebulosa e que certamente depende da cooperação com agentes estrangeiros, como os Estados Unidos. Segundo fontes diplomáticas ouvidas pela DW Brasil, desde 2011 o país tem cooperado – a pedido de autoridades brasileiras – em áreas como procedimentos de raios-X em aeroportos e entrada e saída de estádios. Oficiais brasileiros viajaram aos Estados Unidos para observar megaventos, como a Maratona de Boston e a final da liga de futebol americano, o Super Bowl.

Esse tipo de cooperação se estende também à Europa, aponta outro ex-capitão do Bope, Rodrigo Pimentel, especialista em segurança e autor do livro que deu origem ao filme Tropa de Elite. "Em termos de unidades de polícia especiais, estamos bem treinados. Quando vimos os policiais franceses invadindo o [clube parisiense] Bataclan, podemos imaginar aquela operação aqui. Não tenho dúvidas de que estamos no mesmo nível dos europeus", afirma.

Pimentel destaca que o Brasil tem unidades bem treinadas, até mesmo na França, como o Comando de Operações Táticas da Polícia Federal (COT) e armamentos novos. Além disso, o país sediou grandes eventos internacionais, como a Copa, a Rio+20, a Eco-92, a visita do Papa. "Ganhamos experiência. Não acho que o risco-Brasil tenha aumentado depois de Paris", diz.

Segundo o especialista, o ponto mais nevrálgico de uma operação de tamanha magnitude é o controle e a análise de informações de Inteligência que vão chegar do mundo todo às vésperas dos Jogos Olímpicos. É preciso monitorar o controle de fronteiras, bancos de dados e eventuais células terroristas adormecidas em território brasileiro. E é fundamental não minimizar nenhum indício de problema, afirma Pimentel.

"Meu medo é que a Abin e a Polícia Federal classifiquem o risco-Brasil em função da pouca notoriedade que o país tem nos conflitos envolvendo o mundo islâmico. Se o terrorismo internacional busca visibilidade, não podemos esquecer que os Jogos Olímpicos são o maior evento do planeta, do qual vão participar cidadãos de todo o mundo. Num país como o nosso, onde há enorme facilidade de se obter armas e explosivos, isso pode formar um caldeirão", adverte.

Terrorismo organizado

Entretanto, o cientista político Hussein Ali Kalout, especialista em Oriente Médio da Universidade de Harvard, diz não acreditar na hipótese de terrorismo organizado, como no caso dos atentados recentes em Paris. Não há entre os muçulmanos brasileiros – em geral bem integrados ao país – indícios de radicalização ou envolvimento com grupos como Al Qaeda ou "Estado Islâmico" (EI).

Nem mesmo na comunidade de Foz do Iguaçu, que já abrigou suspeitos de lavagem de dinheiro para o grupo xiita libanês Hezbollah e de onde surgem, ocasionalmente, rumores de células terroristas em ação na Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

"Não é o modus operandi dos muçulmanos brasileiros. Lembro que se trata de uma comunidade majoritariamente xiita, enquanto Al Qaeda e 'Estado Islâmico' são grupos sunitas. Diria que o risco é praticamente zero. Mesmo em termos de lavagem de dinheiro, qualquer participação do Brasil parece irreal", afirma Kalaout.

"O 'Estado Islâmico' tem receitas mensais de 50 milhões de dólares só com a venda direta de petróleo. Eles não precisam de doações ou ajuda de comunidades remotas como a de Foz. O Brasil tem desenvolvido um trabalho muito sério e acompanhado de perto o desenvolvimento do cenário internacional. O risco existente é sempre o de um ato individual, que é algo muito difícil de monitorar", conclui.

 



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 22 OUT, 20:50

MAIS LIDAS

Eventos