COBERTURA ESPECIAL - Eventos - Aviação

22 de Maio, 2015 - 14:35 ( Brasília )

FAB treina atiradores de precisão para as forças de segurança


English version


Patrícia Comunello


Os atiradores de precisão do Grupo de Ações Táticas Especiais (GATE) da Polícia Militar do Rio Grande do Sul estão sempre preparados para prestar segurança. A equipe especializada do GATE também foi acionada nos cinco jogos da Copa do Mundo de 2014 disputados no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre.

“Os atiradores passam completamente despercebidos, ficam em posição privilegiada e não têm só a função de atirar, mas de prover informações”, diz o comandante do GATE, Capitão Glênio Argemi Filho.

Os homens comandados pelo Capitão Argemi foram formados no Curso Tático de Precisão, do Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Canoas (BINFAE-CO), situado na área do V Comando Aéreo Regional (V COMAR). O Batalhão de Canoas é a única organização da Força Aérea Brasileira (FAB) que fornece o treinamento, preparando militares da FAB e de outras agências de segurança, como as Polícias Militares dos estados, o Núcleo de Operações Especiais da Polícia Rodoviária Federal e o Grupo de Pronta-Intervenção da Polícia Federal.

O curso começou em 2002 e teve a nona turma entre 9 e 27 de março. Segundo a FAB, apenas um treinamento está previsto para este ano. A Aeronáutica não informa o número de homens já formado, por questões estratégicas e de sigilo. Dos 21 alunos que começaram a última preparação, sete não concluíram.

“Eles [os outros sete] foram desligados por não atingirem a pontuação mínima prevista”, diz o coordenador do curso, o Primeiro-Tenente de Infantaria da FAB Daniel Alberto Bauer Pereira. “O treinamento é bastante exigente, os participantes são avaliados a cada atividade e os níveis de acerto precisam ser próximos a 100%.”

Além da característica técnica de ser um bom atirador, quem busca a formação tem de conhecer rotinas básicas de infantaria, ter conhecimento de patrulha, sobrevivência, camuflagem, armamentos, navegação, cartas topográficas e uso de GPS. Os formados podem atuar na defesa de bases aéreas, em policiamento, segurança de autoridades e controles de tumultos e ações diretas.

A importância da colaboração

A estrutura usada para o treinamento inclui o estande de tiro da Base Aérea de Canoas (BACO), para alvos denominados P4 (formato de uma pessoa) a até 100 metros de distância. “É preciso acertar em um ponto específico da cabeça para que o inimigo caia sem fazer movimento”, orienta o Primeiro-Tenente Pereira.

Outras instalações da Base Aérea e do V Comar são usadas para exercícios de observação. No campo de instrução de Butiá, pertencente ao Exército Brasileiro (EB) e distante cerca de 80 km da Base de Canoas, são executados tiros de até 800 m, além de caçadas e infiltrações.

“Utilizamos a própria vegetação como recurso de camuflagem como se fosse uma missão real”, explica.

Um componente essencial do treinamento de tiro é a colaboração. Algumas das tarefas mais importantes que os militares realizam durante o treinamento são feitas em duplas, com um sniper (atirador) e um spotter (observador). O sniper – o mais experiente dos dois – carrega o fuzil de precisão (como o 762) e dispara. O spotter faz todos os cálculos – desde elevação, vento, tiro em cano frio, umidade e temperatura – que ajudarão o sniper a atingir o alvo com precisão.

“O observador fica atento ao tiro e o corrige se for necessário”, diz. Usando um fuzil de assalto, como o SIG 5,56 ou o HK-33U, o observador verifica o equipamento. Membros dessas equipes se revezam: os observadores são treinados para ser atiradores e vice-versa.

“O spotter é a outra asa do anjo. Tem de saber observar o que está acontecendo e não se alterar”, define o Capitão Argemi, do GATE. Ele fez a formação no curso do BIFAE-CO e dois de seus homens concluíram a preparação recente. Segundo ele, são escolhidos os participantes com melhor formação e qualidades como calma e tranquilidade, que não “entram em crise” diante de uma situação de maior tensão.

Curso simula missão real

Para testar o desempenho dos participantes em situações de tensão, o treinamento de março simulou a visita de uma autoridade.

“As duplas não atiraram, mas identificaram pontos sensíveis e avisaram os responsáveis por rádio”, diz o Primeiro-Tenente Pereira. Além disso, foram feitas oficinas com cães farejadores, que podem identificar e denunciar a localização do atirador.

Os atiradores vestem uma roupa especial, a guillie, que tem uma base de uniforme de campanha camuflado, macacão de voo ou similar. Na vestimenta, são costuradas lonas na frente, para rastejo, e juta desfiada atrás, para dissimulação.

“A guillie não deixa ninguém invisível, é necessário colocar 70% de vegetação natural presa nela e utilizar o terreno a seu favor”, diz o Primeiro-Tenente Pereira.

Os instrutores recomendam que os atiradores realizem a infiltração sempre a favor do vento, evitando que o policial sejam denunciados pelo cheiro e contra o sol. “[A luz] pode refletir no equipamento óptico e denunciar a posição ou atrapalhar o tiro”, diz o Primeiro-Tenente Pereira.

Os participantes cumprem avaliações com exigência de pelo menos 70% de acerto para passar no curso. Os testes incluem tiro de curta e longa distância, em alvos móveis, prova de conhecimentos, avaliação de distâncias com binóculo, teste de caçada com duas chances de infiltração e caçada final, na qual a dupla precisa acertar um único tiro. Se a dupla erra o disparo, os dois integrantes podem ser desligados.

O Capitão Argemi destaca que a formação na unidade da Força Aérea garante a qualificação e padrão internacional na formação. A parceria com o Batalhão de Infantaria em Canoas começou na década de 1990, antes da criação oficial do curso.

“O GATE tem uma ação muito próxima da dos militares e segue treinamento parecido com o das Forças Armadas”, justifica o Capitão Argemi.

A atuação dos atiradores do GATE em grandes eventos, como a Copa do Mundo, virou rotina. O Grupo de Ações Táticas também integrou a Força Nacional para os Jogos Pan-Americanos, de 2007, no Rio de Janeiro.

Não há definição ainda se a equipe será chamada para reforçar a vigilância nos Jogos Olímpicos e Jogos Paraolímpicos do Rio de Janeiro, entre agosto e setembro de 2016. “Mas a qualquer hora, há uma equipe pronta para atuar”, avisa o Capitão Argemi.



Outras coberturas especiais


Vant

Vant

Última atualização 22 SET, 16:00

MAIS LIDAS

Eventos