COBERTURA ESPECIAL - Eventos - Pensamento

01 de Julho, 2014 - 09:30 ( Brasília )

O Brasil fracassa na Copa?

O país perdeu uma oportunidade de ouro para modernizar sua imagem de potência emergente

Ainda falta muito para que a Copa do Mundo termine, mas não é cedo demais para declarar que o Mundial foi um fracasso para o Brasil: o país perdeu uma oportunidade de ouro para modernizar sua imagem, apresentar-se como uma potência emergente no campo tecnológico e transmitir a ideia de que é muito mais do que a nação do Carnaval, da caipirinha, do samba e do futebol.

Eis aqui algumas histórias que não foram contadas pelos mais de 5.000 jornalistas de 70 países que viajaram ao Brasil para cobrir a Copa e que nas últimas semanas – antes que o torneio começasse – escreveram extensamente sobre o país:

O Brasil é um dos principais fabricantes de aviões do mundo. Sua empresa aeronáutica Embraer é a líder mundial na produção de aeronaves de passageiros de médio porte, vendendo aviões para empresas como American Airlines, United Airlines, Air France e Lufthansa.

O instituto brasileiro Embrapa é um de grande centro de pesquisas. Entre outras coisas, desenvolveu uma planta de soja que se ajusta a solos ácidos, o que contribuiu para que o Brasil se tornasse um dos maiores exportadores mundiais dessa leguminosa.

Lançou recentemente o programa Startup Brasil. Oferece ajuda governamental e escritórios gratuitos a empresas tecnológicas nacionais e estrangeiras recém-fundadas, conhecidas como startups. A ideia é criar um Vale do Silício brasileiro.

Ciência Sem Fronteiras. O Brasil enviará 100.000 estudantes universitários para cursarem pós-graduações e doutorados em universidades dos Estados Unidos e Europa.

O país perdeu uma oportunidade de ouro para modernizar sua imagem de potência emergente

Plano Nacional de Educação. Aprovado no começo deste ano pelo Congresso brasileiro, prevê que o investimento público em educação chegará a 10% do PIB nos próximos 10 anos. O plano foi sancionado pela presidenta Dilma Rousseff.

É provável que estas e outras medidas ajudem o Brasil a se tornar uma formidável potência tecnológica emergente. Mas, infelizmente, o Governo tem feito pouco para promovê-las durante a Copa. É fato que é difícil para Dilma Rousseff projetar uma imagem de potência tecnológica emergente quando há protestos nas ruas e quando muitos estádios estavam sem terminar no momento em que o torneio estava prestes a começar.

Mas Rousseff poderia ter aproveitado os dias anteriores à Copa para fazer anúncios sobre educação, ciência e tecnologia. E o Governo poderia ter sugerido um logotipo mais futurista para a Copa do Brasil, que enfatizasse o potencial econômico do país.

Simon Anholt, um consultor britânico que publica um ranking anual sobre a imagem dos países no mundo, diz que o Brasil tem uma imagem internacional boa, mas “branda”, que “limita seu potencial econômico”.

O último Índice de Marcas-Nações Anholt-GFK-Roper mostra que o Brasil ocupa o 20º posto entre 50 países no ranking geral. Ostenta a 10ª colocação em cultura, mas está abaixo da 20ª quando se pergunta às pessoas se comprariam um automóvel brasileiro. Isso faz com que o Brasil possa vender férias e música, mas que tenha dificuldades para exportar softwares, por exemplo.

O Brasil ainda pode ganhar a Copa do Mundo, e as comemorações dos dias subsequentes não prejudicariam sua imagem. Pelo contrário, a festa nas ruas levaria ainda mais gente a pensar no Brasil na hora de decidir aonde ir de férias ou qual música escutar. Isso seria simultaneamente um triunfo e uma tragédia para o Brasil. A tragédia seria que o Brasil perdeu uma magnífica oportunidade de se projetar como algo além do país das grandes festas.



Outras coberturas especiais


KC-390

KC-390

Última atualização 26 SET, 09:35

MAIS LIDAS

Eventos