COBERTURA ESPECIAL - Eventos - Terrestre

20 de Maio, 2014 - 21:20 ( Brasília )

Sede Porto Alegre - Apronto Operacional e Coletiva de Imprensa Copa 2014


Nesta terça-feira (20/05), o CCDA (Centro de Coordenação de Defesa de Área) realizarou um Apronto Operacional de Defesa na cidade-sede Porto Alegre.

Tropas e meios que serão utilizados na Copa 2014 foram apresentados na sede do 3º Regimento de Cavalaria de Guardas, localizada na Av. Bento Gonçalves em Porto Alegre. O evento contou com a presença do General-de-exército Villas Bôas, comande do COTER e do General de Divisão Pafiadache, Coordenador de Defesa de Área - Sede Porto Alegre.

Na avaliação do general Eduardo Villas Bôas, o contingente está plenamente preparado e treinado para atuar no Mundial. "O mundo inteiro estará, durante um mês, com as atenções voltadas para o nosso país. Aqui venho para verificar o trabalho de preparação e quando chegar a Brasília direi que aqui a preparação está sendo conduzida com perfeição e com máximo esmero", disse.

Em uma coletiva de impresa o General de Brigada Cunha Mattos, Chefe do Estado-Maior Conjunto e Porta Voz do CCDA abordou os seguintes pontos:

Defesa Aeroespacial e Controle do Espaço Aéreo

Para assegurar a fluidez do tráfego e  garantir a segurança do espaço aéreo, o Comando da Aeronáutica irá promover ações especiais de controle no período da Copa.

O planejamento abrange a criação de três zonas de exclusão aérea nos locais de realização dos jogos: uma “área branca”, reservada; “amarela”, restrita; e “vermelha”, proibida. O período de ativação das áreas de exclusão dependerá do horário das partidas.

Para a abertura e o encerramento, as zonas serão ativadas 3h antes e 4h após o início do jogo. Para as partidas da primeira fase da competição, o período de restrição começa 1h antes e vai até 3h depois do início. Nas demais fases, 1h antes e até 4h depois.

O objetivo é minimizar impactos decorrentes da flutuação do equilíbrio entre capacidade e demanda, garantindo a segurança das operações, bem como a regularidade e pontualidade dos voos.

Proteção de estruturas estratégicas

As Forças Armadas vão proteger toda e qualquer estrutura estratégica relacionada à realização do Mundial. O objetivo é garantir a integridade de instalações e serviços que, se interrompidos, provocariam sério impacto à realização do evento.

Alguns exemplos são subestações de energia elétrica e abastecimento de água, torres de telecomunicações, portos e aeroportos. Avaliações de risco indicarão estruturas essenciais que receberão segurança reforçada para que seu funcionamento seja assegurado.

Defesa fluvial

Ações de patrulha no Rio Guaíba próximo ao Estádio Beira-Rio, entre outras medidas de segurança, serão adotadas pela Marinha do Brasil, embarcações militares e fuzileiros navais estarão de prontidão para atuar. Além de quatro embarcações de até 10 metros que também darão apoio a ações de busca, salvamento e prestação de socorro. "Porto Alegre é talvez a única cidade-sede em que o estádio está debruçado sobre as águas de um rio. Então, por isso, a participação da Marinha na operação será fundamental", salientou o general de Brigada Fernando José Soares da Cunha Mattos.

DQBRN - Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear

Entre os meios apresentados, estão equipamentos de DQBRN (Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear) e o Sistema C2 em Combate. Militares especializados em Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear vão vistoriar e fazer a varredura de todos os locais diretamente envolvidos na realização do Mundial.

A ação inclui estádios, centros de treinamento, hotéis, aeroportos, bases aéreas e comboios das delegações oficiais. A operação irá certificar a inexistência de material suspeito que coloque em risco a vida dos cidadãos, turistas, comitivas e atletas.

Munidos de equipamentos especiais, os militares estão aptos a realizar também ações de descontaminação de agentes nocivos, prejudiciais à saúde.



Outras coberturas especiais


ESGE

ESGE

Última atualização 21 OUT, 13:00

MAIS LIDAS

Eventos