COBERTURA ESPECIAL - Eventos

07 de Maio, 2014 - 13:35 ( Brasília )

ALDO - Ministro compara o Brasil ao... Iraque

Uma incrível entrevista com non sense e irrealidade.


Nota - Entrevista concedida a correspondentes estrangeiros no Rio de Janeiro, em 06 Maio 2014. Os termos usados são inaceitáveis e ofensivos a muitos países.

Comparar o Brasil ao Iraque, talvez seja até prejudicial ao nosso país. 

Foi uma fala de um militante político, de um partido que apoiou a guerrilha tanto urbana como rural (Araguaia) no Brasil. E atualmente apoia os movimentos "Não vai ter Copa".

Deveria ser demitido sumariamente., mas.....

O editor




O ministro do Desporto do Brasil, Aldo Rebelo, minimizou hoje os problemas de violência que têm surgido nos estádios locais a semanas do país receber o Mundial de futebol, comparando-a à situação de países em guerra.

 
"Não acho que os ingleses enfrentem maiores riscos do que os que encaram no Iraque ou Afeganistão, onde recentemente perderam centenas de jovens soldados", disse, quando questionado sobre os perigos para os adeptos britânicos em Manaus.

Lembrando a história colonial dos ingleses nos trópicos, acrescentou, com um sorriso: "Há um cemitério inglês em Recife, mas não creio que a sua população aumentará durante o Campeonato do Mundo".

Ainda sobre o tema da segurança, que tem sido questionada com várias situações de violência e tumultos no futebol brasileiro, o governante citou uma longa lista de assassinatos em grandes eventos desportivos.

"A tragédia na Alemanha quando os atletas foram sequestrados e assassinados", nas olimpíadas de Munique1972, os Jogos de Atlanta em 1996, em que "houve um ataque com mortos no Parque Olímpico", e ainda "um ataque a uma estação de comboios em Volgogrado com vítimas civis" em fevereiro antes dos Jogos de Inverno de Sochi, na Rússia.

Aldo Rebelo recordou ainda o assassinato de um primeiro-ministro sueco (Olof Palme, em 1986) e da ministra das relações externas (Anna Lindh, 2003), "confrontos Taliban nos arredores de Londres" ou "os subúrbios parisienses em chamas durante semanas, tal como em Londres", bem como atentados em redes de metro.

"Todos têm a sua tragédia e este ano comemora-se o maior massacre, que foi a primeira Guerra Mundial. Temos os nossos desafios, as nossas tragédias, sérios problemas em termos de segurança", admitiu.

Ainda assim, o responsável acredita que o Brasil "é muito menos exposto a esses riscos de violência nacional, religiosa ou étnica", admitindo que "há alguma violência de direito comum, quotidiano" para a qual as forças da ordem estão a "tomar precauções", tendo mesmo adquirido "equipamentos modernos e sofisticados para a segurança pública".

"Vamos fazer tudo para proteger o público, convidados, turistas e jornalistas", concluiu.


Outras coberturas especiais


Argentina

Argentina

Última atualização 23 NOV, 16:40

MAIS LIDAS

Eventos