COBERTURA ESPECIAL - Embraer - Aviação

14 de Junho, 2017 - 09:30 ( Brasília )

FAB e EMBRAER realizam testes de segurança no A-29

Aeronave da Esquadrilha passa por monitoramento. O objetivo é verificar a vida úitl da aeronave que há quatro anos é operada pela Esquadrilha.

Tenente Felipe Bueno


A Força Aérea Brasileira (FAB) e a EMBRAER realizam testes de segurança na aeronave de número 7 do Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA), conhecido como Esquadrilha da Fumaça.

O objetivo é acompanhar e monitorar o perfil de voo do A-29 que atua na posição Isolado. Participam da campanha de ensaios os seguintes órgãos da FAB: Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), além de engenheiros da EMBRAER.

O Gerente Técnico dos Projetos A-29 e F-5 do DCTA, Coronel Carlos Afonso Mesquita de Araújo, explica que dentro do projeto de criação de um avião existem ações e análises específicas a serem feitas, com o objetivo de monitorar a vida útil da aeronave. “Trata-se de um procedimento normal de monitoramento de todo o perfil de voo executado em um esquadrão.

No EDA, foi escolhido o número 7 pelo fato de este realizar o perfil de demonstrações que mais sofre esforços de cargas aerodinâmicas”, ressalta. Após quatro anos de operação da aeronave A-29 na Esquadrilha da Fumaça, ele ressalta que o momento é bastante apropriado para realizar o monitoramento da fadiga da aeronave no esquadrão.

"Todas as atividades desenvolvidas nesta campanha de ensaios estão previstas nas documentações técnicas emitidas pela FAB e pela EMBRAER. Após os voos de ensaio, inicia-se a fase mais trabalhosa de análise dos dados coletados: produção de relatórios de ensaios e discussões técnicas", explica.

O avião foi instrumentado pela EMBRAER com sensores instalados na fuselagem e superfícies de controle chamados de Flight Test Instruments (FTI), que gravam vários parâmetros do voo, como dados de aceleração e esforço.

Também estão sendo utilizados fios de lã na parte traseira da fuselagem da aeronave para monitorar o fluxo de ar durante os voos de ensaio. Os dados colhidos serão comparados com os modelos matemáticos feitos anteriormente e, após o término da campanha, as informações servirão de base para mensurar e acompanhar a vida em fadiga da aeronave A-29 Super Tucano na FAB.

Segundo o Engenheiro de Suporte ao Cliente da EMBRAER, Marcelo Araújo, o procedimento é realizado comumente pela empresa. “Quando uma aeronave é desenvolvida, são calculados os esforços da parte estrutural do avião com base em modelos matemáticos.

Depois é necessário realizar a campanha de ensaio em voo para validar os modelos matemáticos previstos anteriormente. Por fim, deve-se realizar o monitoramento das cargas e esforços sofridos pela aeronave ao longo da sua vida útil.

É exatamente esse procedimento que está acontecendo com a aeronave A-29 Super Tucano”, detalha. Os ensaios em voo não comprometem as demonstrações da Esquadrilha da Fumaça que, inclusive, se apresentou no último fim de semana em Bauru, no interior paulista.


VEJA MAIS