COBERTURA ESPECIAL - Embraer

01 de Junho, 2017 - 00:20 ( Brasília )

SWOBODA - Pintor alemão que ajudou a criar Embraer ganha exposição em São José


 

Júlio Ottoboni

 
Um dos fundadores da Empresa Brasileira de Aeronaútica (EMBRAERr), em São José dos Campos, e do antigo Centro Técnico de Aeronáutica (CTA), o engenheiro e artista plástico alemão, Hans Hermann Swoboda, falecido em 1997, ganha uma exposição de 22 quadros pintados em sua fase brasileira na Associação dos Pioneiros e Veteranos da Embraer (APVE).

O evento se realizará de 02 a 30 de Junho, com a curadoria do também artista plástico, Wagner Ribeiro, que passou a se interessar pela obra do engenheiro aeronáutico alemão, que também serviu nas tropas na segunda guerra mundial.

A exposição está dentro da programação do V Encontro de Escritores e Jornalistas de Aviação que ocorrerá nos dias 01, 02 e 03 de Junho de 2017. Esse é tido como o maior evento do país voltado ao setor da literatura especializada em aeronáutica e espaço. Ele acontecerá na sede social da associação, em São José dos Campos.

Hans Hermann Swoboda  nasceu na Alemanha em 1910 e se formou em engenharia aeronáutica, seu talento foi logo reconhecido e ele integrou a equipe de projetistas de aviões militares que participaram na 2ª Guerra Mundial.  

Desde 2006, Wagner Ribeiro  tem trabalhado no resgate da obra e da importância de Swoboda, que residiu na cidade e onde produziu a maior parte de seu acervo artístico. As obras foram adquiridas por várias entidades e particulares. “Ele ajudou em projetos de aeronaves alemãs, eu particularmente estou navegando por seu universo artístico, que tem um lado humano bem forte apesar do todo esse tecnosurrealismo”.

Para o curador, é  difícil de estimar com exatidão quantas obras foram produzidas. “Mas é certo que em São José tenha pintado mais de 700 quadros, em especial após sua aposentadoria da Embraer em 1975. Se considerarmos que há registros de pinturas realizadas desde a década de 1930, o volume ao longo de sua vida pode ultrapassar as duas mil”, revelou.




Formado em Engenharia Aeronáutica, em 1933,  Swoboda chegou ao Brasil em 1952, integrando o grupo de técnicos alemães altamente especializados. Eles foram selecionados pelo professor Henrich Focke, então contratado pelo governo de Getúlio Vargas para o desenvolvimento de projetos de aviões no recém-constituído Centro Técnico de Aeronáutica (CTA), instalado em São José, instituição onde surgiria o avião Bandeirante e a Embraer.

Ele é da mesma geração de engenheiros que foram contratados pelos Estados Unidos para o MIT e para o projeto Manhatan. Swoboda gostava de pintar cenários futuristas, espaciais e fantásticas. Iniciou com aquarelas de paisagens, passando a tinta acrílica sobre cartão  e  tela. Sua grande produção veio após a aposentadoria.

 Ao longo da sua carreira, o artista  participou de numerosas mostras coletivas e exposições individuais, desde o ano de 1939 quando foi premiado pela primeira vez, na cidade de Bremen, na Alemanha.

“Sua abordagem é bastante particular, retratou seus mundos ficcionais, explorou o cubismo, reproduziu animais, paisagens , seus animais de estimação, situações hipotéticas bastante visionárias  como as ruínas do World Trade Center, um petroleiro em chamas, que me lembra muito a Arca de Noé, a cidade de São Paulo, planetas de nossos Sistema Solar, enfim, Swoboda conseguiu exteriorizar seu universo em pintura mais que muitos outros tentaram em palavras”, avaliou Ribeiro.






VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 24 JUN, 13:15

MAIS LIDAS

Embraer