COBERTURA ESPECIAL - Embraer - Aviação

17 de Outubro, 2016 - 10:00 ( Brasília )

Embraer prevê alta demanda de E-Jets para Europa


Brunna Castro/Roberta Queiroz
panrotas.com.br


A Embraer previu que, ao longo dos próximos 20 anos, os países da Europa e da Comunidade de Estados Independentes (de ex-repúblicas soviéticas) irão precisar de 1,5 mil novas aeronaves no segmento de jatos de 70 a 130 lugares, avaliados em US$ 80 bilhões.

De acordo com o vice-presidente da Embraer para Europa e Oriente Médio, Arjan Meijer, "jatos menores fazem ao redor de 40% do total do tráfego com origem ou destino em Paris (CDG), Amsterdã, Frankfurt e Munique (ambas na Alemanha). O tráfego de ligação, que agora representa 65% do total de passageiros de voo de uma aeronave E-Jet, permanecerá em grande parte do core business das principais operadoras internacionais na Europa."

Em uma reportagem publicada no site Air Transport World, a Embraer afirmou que E-Jets são uma "força crucial para a presença das companhias aéreas em aeroportos-chave, como London City, onde eles realizam quase a metade de todas as partidas para cidades como Edimburgo, Glasgow (Escócia), Dublin (Irlanda), Frankfurt (Alemanha) e Zurique (Suíça). O E190-E2 oferece o melhor equilíbrio entre a capacidade da aeronave e frequência para servir de alto tempo passageiros de negócios de custos."

De acordo com a Embraer, o perfil de envelhecimento da frota disponível atualmente nos países da CIS sugere a necessidade de renovação. A idade média de jatos com até 130 assentos está agora em mais de 16 anos.

Embraer e EUA se aproximam de acordo em investigações

A Embraer está perto de assinar um acordo com os Estados Unidos para facilitar e agilizar as investigações envolvendo a empresa em ambos os países. A notícia divulgada ontem (14) agradou os investidores, que viram a ação da companhia brasileiro subir 2,5% na Bovespa e ser cotada a R$14,36. Segundo analistas, a reação positiva do mercado pode ser interpretada como um apoio dos investidores à aliança entre Brasil e Estados Unidos.

Ao falar sobre a proximidade do acordo, a Embraer fez referência a investigações realizadas no Brasil ao declarar que “está buscando ultimar acordo com o Ministério Público Federal e a Comissão de Valores Mobiliárias para a resolução de alegações de descumprimento de determinadas leis brasileiras”. Até então, a empresa alegava que só respondia processos nos Estados Unidos.

Histórico
O processo de investigação teve início em solo norte-americano. Em 2010, as autoridades decidiram averiguar vendas feitas pela Embraer ao governo da República Dominicana. Na sequência, Índia, Arábia Saudita e Moçambique também entraram no radar. As autoridades brasileiras foram contatadas em paralelo.

Já em 2014, o MPF denunciou oito funcionários da Embraer por um suposto envolvimento em esquemas de suborno de autoridades da República Dominicana em troca de um contrato de US$ 92 milhões para fornecer aviões militares às forças armadas do país. Nessa ocasião, o MPF contou com o apoio do Departamento de Justiça e a SEC (Securities and Exchange Commission) dos Estados Unidos.

Recentemente, em março deste ano, o consultor de vendas Elio Moti Sonnenfeld, que alegou ter pago propinas em nome da Embraer, declarou a procuradores no Brasil acreditar que os principais executivos da empresa, incluindo o ex-presidente Frederico Curado, sabiam do esquema de suborno. Sonnenfeld disse ter recebido uma comissão de US$ 3,4 milhões da Embraer e repassou, na forma de propina, a uma autoridade na República Dominicana.

Demissões
Na última terça-feira (11), a Embraer finalizou as inscrições para o segundo Programa de Demissões Voluntárias (PDV). Ao todo, 180 colaboradores se candidataram entre os dias 6 e 11 de outubro. A companhia afirma que os casos serão analisados até hoje e que os desligamentos devem começar a partir de segunda-feira.

Embraer obtém certificado para comercializar e operar E170s e E175s na Rússia

A brasileira Embraer esta semana ampliou ainda mais seu leque de oportunidades referentes a comercialização de seus novos modelos de aeronave: o E170 e o E175. Ambos foram validados pela Federação de Aviação Russa, nessa quinta-feira (13), e estão aptos a operar regularmente sob as asas de qualquer companhia nacional.

A fabricante agora pavimenta o caminho para o inicio oficial da comercialização dos dois tipos de aeronave no espaço aéreo russo, logo depois de já marcar presença em países vizinhos, como Polônia, Finlândia e Bulgária.

“Esta certificação abre novas oportunidades para nossas duas aeronaves, que já vem tendo um sucesso significativo em outras regiões do planeta”, disse o CEO da Embraer Commercial Aviation, John Slattery. “Hoje, vemos na Rússia mais de 400 aeronaves que se encaixam na categoria de 30 a 130 assentos com uma média de idade que ultrapassa os 20 anos, que tornam-se naturais candidatos para serem substituídos já nos próximos anos. Estamos bastante confiantes que em breve poderemos ver os dois modelos voando nos céus da Rússia”.



Outras coberturas especiais


Russia Docs

Russia Docs

Última atualização 11 DEZ, 15:30

MAIS LIDAS

Embraer