COBERTURA ESPECIAL - Embraer - Aviação

01 de Março, 2016 - 15:32 ( Brasília )

"Inovação só cresce num cenário de liberdade", afirma Ozires Silva

Pioneiro da indústria aeronáutica vê no excesso de regulamentação e na falta de confiança no ser humano entraves para a inovação

Criador e primeiro presidente da Embraer, Ozires Silva, 85 anos, acompanhou a posse do novo reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) na sexta-feira (26/02) realizada em São José dos Campos (SP). Com o carisma que lhe é característico, recebeu cumprimentos e o respeito de dezenas de ex-alunos que o reverenciam.

Perguntado sobre o sentimento que nutre pela sua maior obra, hoje a terceira maior fabricantes de aviões do mundo, o engenheiro aeronáutico afirmou que ela tornou-se muito maior do que havia sonhado no extinto Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento (IPD), criado em 1953, com o objetivo de estudar problemas técnicos e cooperar com a indústria nacional. “É uma realidade maior que o sonho”, afirma sorrindo.

O ex-aluno do ITA, turma 1962, lembra que o mundo está crescendo em termos de cultura e de desenvolvimento e está repleto de profissionais competentes. “Ela [a Embraer] tem que ser mais competente ainda para competir”, comenta sobre o mercado internacional em que a empresa está inserida. Por isso, vê no excesso de regulamentações e na falta de confiança no ser humano como entraves para a inovação nacional. “Estamos caminhando para um mundo competente, avançado. Aqui, [no Brasil] é mais lei, mais regulação. Inovação não cresce num regime de opressão. Inovação só cresce num cenário de liberdade”, sentencia.

No início dos anos 50, quando o então Tenente-Coronel Casimiro Montenegro Filho “lutava” para criar o ITA, ele não acreditava que seria possível estudar na instituição. “Eu não sabia se, um dia, eu poderia ser graduado pelo ITA”, diz. Nascido em Bauru, no interior de São Paulo, em uma família extremamente humilde em que o pai não tinha nem o segundo ano do curso fundamental, Ozires dedica à FAB tudo o que realizou e considera a bolsa de estudos para cursar engenharia mecânica no ITA o maior presente da sua vida. “Foi um processo vigoroso de transformação. Eu me transformei em oficial da FAB e construtor de avião”. 

Atribui o sucesso dos aviões brasileiros em todo o mundo à Força Aérea por manter e ter sustentado o ITA ao longo dos anos. “Apesar das dificuldades orçamentárias, vemos que a Força Aérea se esmera para manter o instituto, manter os recursos necessários de modo que, eu diria, é um momento de agradecer tudo que eu recebi”, fala. Por ano, o ITA forma na graduação cerca de 130 engenheiros nas especialidades de mecânica, aeroespacial, civil aeronáutica, computação, aeronáutica e eletrônica. Desde 1950, já formou mais de seis mil engenheiros. A Embraer emprega atualmente mais de 19 mil funcionários e tem aviões e-jets voando em cerca de 70 companhias em 50 países.

“Eu vi tudo dar certo”, conclui.