COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Terrestre

21 de Fevereiro, 2013 - 08:36 ( Brasília )

FEB - 68 anos da tomada de Monte Castelo

Uma história vivida e um exemplo a ser revivido

No dia 21 de fevereiro, o Exército Brasileiro comemora um de seus maiores feitos em campo de batalha – a Tomada de Monte Castelo –, realizada durante a II Guerra Mundial e protagonizada pelos integrantes da Força Expedicionária Brasileira (FEB).
 
Após percorrerem aproximadamente 400 km de solo italiano, durante 227 dias de combates, os soldados brasileiros (os pracinhas) libertaram dezenas de vilas e cidades do jugo nazifascista.
 
Apesar das adversidades impostas pelo rigoroso inverno europeu, nossos bravos desalojaram o inimigo de posições fortificadas com determinação férrea, por crerem na justiça de sua causa; conquistaram elevações de importância tática; e impuseram a rendição incondicional ao inimigo.
 
Mas não foi fácil. Em Monte Castelo, a posição de comandamento do inimigo, instalada há muito, com domínio de fogo, era quase inexpugnável.
 
Dentro do plano de ocupação estabelecido pelo comando da missão, a conquista dessa elevação era prioridade e de necessidade extrema, a fim de romper a Linha Gótica inimiga, o que permitiria o avanço das tropas aliadas.
 
Diante disto, apesar de o inimigo já ter rechaçado por três vezes o ataque, a 1ª Divisão de Infantaria Expedicionária (1ª DIE) atacou. Depois de renhida luta, apesar do frio, do terreno íngreme e lamacento, da neve, de todos os óbices interpostos, Monte Castelo foi conquistado, tornando-se palco de manifestações de regozijo e êxtase que ecoaram pelo vale, por parte dos nossos pracinhas.

Naquele momento, quando a vitoriosa Bandeira do Brasil foi desfraldada, os pracinhas escreveram uma página indelével na história, mostrando ao mundo o valor do Soldado brasileiro, cujos exemplos de bravura, abnegação, perseverança e fé inquebrantável no cumprimento da missão são valores perseguidos por todas as gerações de nosso Exército.
 
Por isso, cultuar e reverenciar aqueles que escreveram memorável página de glória da nossa história é mais que realizar uma homenagem, cumprir um dever de justiça com esses bravos, a quem externamos nosso reconhecimento e gratidão.