COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Terrestre

17 de Julho, 2012 - 11:20 ( Brasília )

Stalingrado: a batalha que entrou na história

Completam-se hoje 70 anos do início da batalha de Stalingrado, que se tornou uma etapa crucial na derrota do nazi-fascismo na Segunda Guerra Mundial.

Anastacia Perchkina e Anastacia Baricheva
Voz da Russia

No entanto, de então a esta parte, uns historiadores dão ênfase ao enorme significado da batalha, enquanto outros procuram fazer especulações sobre o tema.

O comando do Exército alemão tomara a decisão de lançar ofensiva na direção sul após o fiasco sofrido na batalha nos arredores de Moscou nos fins de 1941 e inícios de 1942. Em caso de ocupação de regiões meridionais da URSS, os nazistas teriam obtido acesso às jazidas de petróleo no Cáucaso, assumindo ainda o controle sobre os centros industriais e o rio Volga, que naquela altura era a principal artéria da parte central do país, esclarece o presidente da Associação de Historiadores da Segunda Guerra Mundial, Oleg Rjeshevski.

"A batalha de Stalingrado teve duas fases: a etapa defensiva e a ofensiva. A etapa defensiva se iniciou 17 de julho de 1942 e terminou em 19 de novembro. A fase da ofensiva militar começou em 19 de novembro e se prolongou até 2 de fevereiro de 1943.

O comando da Alemanha nazista decidiu tirar desforra pela derrota nas imediações da capital soviética. Em geral, pode-se constatar que a batalha de Stalingrado foi um evento colossal tanto pela envergadura como pela intensidade de ações militares, que duraram 200 dias e noites. É que a ofensiva alemã empreendida nesta direção passou a ser o principal avanço na frente de combate."

Nos fins de julho, o Exército hitleriano fez recuar as tropas soviéticas para o outro lado do rio Don. Em agosto, os combates eram travados nas cercanias da cidade e, passado algum tempo, nas ruas de Stalingrado. Os mais encarniçados combates terão tido lugar em Mamáiev Kurgán, uma colina se ergue dominante sobre a cidade e a Casa de Pavlov.

Os combates duraram três meses, tendo as tropas nazistas saído para a margem do Volga. No dia 19 de novembro, teve início à operação Urânio, no decurso da qual as tropas soviéticas se lançaram em contra-ofensiva em três direções. Note-se que, em certa medida, a contraofensiva veio predeterminar o resultado da Guerra, opina Alexander Tchubarian, diretor do Instituto da História Geral da Academia Nacional de Ciências.

"Stalingrado virou um símbolo do início da derrota da Alemanha nazista. Apesar de ter havido outras batalhas não menos importantes – as de Moscou e de Kursk. Mas foi precisamente depois do fiasco sofrido na batalha de Stalingrado que na Alemanha terá sido decretado luto nacional. Por isso, do meu ponto de vista, este foi um ponto de reviravolta, melhor dizendo, um golpe devastador após o qual a Alemanha não terá conseguido recuperar.

Além disso, a batalha de Stalingrado entrará na história como uma peculiar combinação de três fatores: o aspeto estratégico, o aspeto técnico e o humano. A batalha foi dura e realmente cruel, tendo ceifado a vida de milhares de pessoas. Mas do lado soviético, foi revelado um heroísmo sem precedentes e a prontidão de soldados de sacrificar a vida pela vitória."

Os peritos e políticos do Ocidente têm reconhecido que se não fosse o êxito na batalha de Stalingrado, não se sabe como teria terminado a Segunda Guerra Mundial, ressalta Oleg Rjeshevski.

"Os resultados da batalha foram assinalados no mundo inteiro. O Presidente dos EUA, Franklin Roosevelt, qualificou-a como "uma batalha épica, que fez parar a vaga de violência e a invasão, tendo-se tornado uma etapa crucial na guerra travada pelos aliados da URSS contra as forças da agressão". O rei da Grã-Bretanha, George VI, galardoou os habitantes de Stalingrado com uma Espada com a inscrição "Aos cidadãos de Stalingrado, duros como aço, em sinal da admiração do povo britânico".