COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Aviação

03 de Abril, 2015 - 23:25 ( Brasília )

Major-Brigadeiro Lauro Ney Menezes - Mensagem de Despedida aos Companheiros de Armas

Emotiva e profunda mensagem deixada pelo Brigadeiro Lauro Nei Menezes aos seus Camaradas de Armas



Publicamos a carta de despedida do Major-Brigadeiro do Ar Lauro Ney Menezes, mort domingo (29/03) no Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG), no Rio de Janeiro (RJ).

Nascido no dia 08 de janeiro de 1928, aos 17 anos, ele ingressou na Força Aérea Brasileira. No dia 18 de dezembro de 1947, foi declarado Aspirante a Oficial Aviador da terceira turma do Estágio de Seleção de Pilotos de Caça, juntamente com alguns veteranos de guerra da Itália. Depois de 32 anos de serviço, foi promovido ao posto de Major-Brigadeiro até seguir para a reserva.

Durante a carreira militar, o Major-Brigadeiro Menezes conquistou grandes feitos dentro da Aviação de Caça, tendo voado nas seguintes aeronaves: P-47, F-8, Mirage III e F-5B/E. Com 7.900 horas de vôo, carregava o título de primeiro piloto de Caça Supersônico no Brasil.

O oficial-general desempenhou diversas funções, entre elas, Comandante da Academia da Força Aérea, da Base Aérea de Santa Cruz e do Esquadrão Pacau. Foi também presidente da Infraero e da Associação Brasileira de Pilotos de Caça (ABRA-PC), tendo sido o primeiro presidente e sócio benemérito.



Nota DefesaNet


A mensagem escrita pelo Brig. Menezes em seu leito de morte, publicada no Reservaer. Sua última mensagem reflete o comportamento do baixinho maravilhoso que ele foi. Que Deus o receba com alegria!

Cosme Degenar


 

Major-Brigadeiro do Ar Lauro Ney Menezes

MENSAGEM DE DESPEDIDA
COMPANHEIROS DE ARMAS


Ao ter vivido mais de 80 anos dos quais 40 dedicados no serviço ativo da Força Aérea Brasileira, tenho plena certeza de lhes haver apontado, o valor da disciplina consciente, da perseverança na conquista dos objetos, da lealdade inquestionável, do indispensável respeito aos outros para podermos ser respeitados. E a honrar o passado para ter direito ao futuro. E a prezar os amigos com A maiúsculos...

Estou ainda seguro de haver demonstrado que o verdadeiro profissional-das-armas é aquele que nada teme. Nem mesmo e, principalmente, uma nova idéia.

Entretanto, fiquem certos de que – em contato com diversas gerações de soldados-do-araprendi que não se envelhece por haver vivido mais, mas sim por haver desertado dos ideais: o passar dos anos enruga a pele, mas a renúncia a um ideal encanece a alma. Foi dessa forma que descobrimos velhos entre os jovens, porque jovem é aquele que desafia os acontecimentos, rompe a barreira da acomodação e encontra alegria no jogo da vida: as provas o galvanizam, os fracassos o robustecem e as vitórias o apuram...

Estou convencido, portanto, que seremos tão jovens quanto nossa fé e tão velhos quanto nossas dúvidas. Tão jovens quanto a nossa confiança e tão velhos quanto nossas desesperanças. E mais idosos ainda, quanto nosso abatimento à luta.

AMIGOS

Nesse momento de partida deste nosso mundo, reafirmo minha inquebrantável crença de que na alma do autêntico militar e do cidadão não devem prosperar a cobiça e o delírio de promover-se; nem a omissão, a covardia, maledicência; sequer a inércia, o comodismo. Muito menos a ostentação, a vaidade, a prepotência e o compadrio. Porque a Força Aérea e o Brasil a que servimos é forte pelas virtudes de magnanimidade, de solidariedade e, principalmente, de pureza de princípios. Nosso compromisso é o juramento feito de bem cuidar da Nação Brasileira com o máximo de eficiência, permanecendo inarredavelmente fiéis à nossa consciência e aos nossos desígnios constitucionais e certos de que, de nada vale um combatente sofisticadamente armado e um cidadão disposto a participar se, dentro dele, não pulsar um coração de bravo e de homem devoto e convicto.

Creio firmemente que, para ser possível levar avante esse compromisso de honra, hoje e nos próximos dias que estão por vir, a Sociedade Brasileira espera de todos os homens da Força Aérea e de seus cidadãos, valor, vontade, constância, respeito mútuo e o estrito cumprimento e o cultivo dos deveres e virtudes como princípios básicos para que preponderem e frutifiquem o espírito criador e renovador, o dinamismo e a ousadia sã, o entusiasmo e a fraternidade. Elementos basilares de um país engajado com o futuro, já avistado, para a Nação.

COMPANHEIROS DE MINHA JORNADA TERRENA

Parto, emocionado, mas ainda disposto a mais viver. Sob o efeito de múltiplos sentimentos que, nesta hora, habitaram meus últimos pensamentos:

- A saudade de cada momento vivido e cada companheiro como você encontrado nestes longos anos de vida nos quais antes de mais nada, conheci melhor a mim mesmo e aos homens.

- O orgulho por haver recebido as mais belas tarefas que a Força Aérea pode entregar a um Oficial, dentre as quais – Comandar a Unidade de Formação de Pilotos de Caça, a Base Aérea de Santa Cruz, a Academia da Força Aérea e a Diretoria de Administração do Pessoal – privilégios e honras que levarei comigo.

A esperança, ao me haver certificado de que a Força Aérea é fundamentalmente composta de homens-de-bem, de mente aberta e saudável, coração puro e alma límpida, capazes de, em conjunto, superar as mazelas humanas e as próprias Corporação. Que abomina o arbítrio, a usurpação de competência, a manipulação dos Regulamentos e dos homens, a politicagem na caserna e o sectarismo partidário trajando nosso uniforme.

A confiança no exuberante potencial instalado em nossos homens, principalmente em nossos jovens Oficiais e Cadetes – os Oficiais Generais dos anos 2000 – capazes de conduzir a Força Aérea ao lugar de destaque que lhe cabe, no panorama militar da Nação, afastando-a dos rumos e dos homens que a usam como instrumento de seus interesses pessoais...

A fé (principalmente na Divina Providência) que, mercê de seus homens de bem, da idealística descomprometida, do indispensável senso de profissionalismo e do tão desejado retorno aos misteres puramente militares, a Força Aérea de nossos sonhos se torne, cada vez mais, uma realidade inquestionável.

Com os pensamentos voltados para os amigos inquestionáveis como Vc, para a Pátria e com a Força Aérea no coração lhes digo: Adeus!
Nos veremos UM dia...

L.N.Menezes