COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Geopolítica

01 de Setembro, 2014 - 10:20 ( Brasília )

1939: Alemanha invade a Polônia

A invasão da Polônia pelas tropas de Hitler marcou o começo da Segunda Guerra Mundial, na madrugada de 1º de setembro de 1939.


Nota Defesanet, recomendamos a leitura do artigo: Hora H: 1º de setembro, 4:45 horas Setembro de 1939 - A Polônia Destruída (link)


A Alemanha, derrotada na Primeira Guerra Mundial, havia perdido seus territórios ultramarinos, a Alsácia Lorena e parte da Prússia. As altas indenizações impostas pelos Aliados causaram o colapso da moeda e desemprego em massa, fatores que, explorados pelos nazistas, contribuíram para o fortalecimento de Hitler no poder (assumido em 1933).

As relações entre a Alemanha e a Polônia já eram tensas desde a República de Weimar. Nenhum governo do Reich nem partido alemão concordava com a nova delimitação da fronteira leste do país (com um corredor polonês, neutro, separando o país da Prússia Oriental), imposta no Tratado de Versalhes.

Ambicionando as matérias-primas da Romênia, do Cáucaso, da Sibéria e da Ucrânia, Hitler começou a expansão para o Leste. Embora as potências ocidentais temessem o perigo nazista, permitiram seu crescimento como forma de bloqueio ao avanço comunista soviético.

Conquistas passo a passo

Em 1935, a Alemanha havia reiniciado a produção de armamentos e restabelecido o serviço militar obrigatório, contrariando o Tratado de Versalhes. Ao mesmo tempo, aproximou-se da Itália fascista de Benito Mussolini; de Francisco Franco, na Espanha; do Japão; e anexou a Áustria, em 1938, com a visível concordância dos austríacos.

No ano seguinte, com a conivência da França e da Inglaterra, incorporou a região dos sudetos, que abrigava minorias alemãs, na antiga Tchecoslováquia. Por fim, aproveitou o ceticismo ocidental em relação à União Soviética e assinou com Josef Stálin um acordo de não agressão e neutralidade de cinco anos.

Estava aberto o caminho para atacar a Polônia, exigindo a devolução da zona conhecida por "corredor polonês" e do porto de Danzig (neutra, a atual Gdansk).

Diante da negativa da Polônia em ceder Gdansk, as tropas alemãs invadiram o país em 1º de setembro de 1939 e travaram uma guerra-relâmpago (Blitzkrieg) com a frágil resistência local. Dois dias depois, a Inglaterra e a França declararam guerra à Alemanha, fazendo eclodir a Segunda Guerra Mundial.

 


COMANDO-SUPREMO DA WEHRMACHT

Berlim, agosto de 1939
 


DIRETIVA DE GUERRA Nº 1

1. As possibilidades pacíficas para solucionar os problemas surgidos na fronteira do oeste, onde a situação da Alemanha é intolerável, fracassaram. Portanto, decidi solucioná-los pela fôrça.

2. O ataque à Polônia se realizará de acôrdo com os planos já fixados. Levar-se-ão em conta as alterações que resultem, no que respeita ao Exército. do estado atual de preparação do mesmo. A indicação das tarefas e a ordem das mesmas são as previstas. Data do ataque: 1" de setembro de 1939.
Hora: 4.45 hs. AM.
As indicações correspondem à operação em Gydnia, baía de Dantzig e ponte Dirschau.

3. No oeste é importante que a responsabilidade pelo começo das hostilidades recaia sobre a Inglaterra e a França. A neutralidade da Holanda, Bélgica, Luxemburgo e Suíça deve ser escrupulosamente respeitada. Por terra: a fronteira do oeste não deve ser cruzada sem minha expressa permissão. No mar: igual ordem.

4. Se a Inglaterra e a França iniciarem as hostilidades contra a Alemanha, a tarefa da Wehrmacht no oeste consiste em conservar as suas forças até a conclusão vitoriosa da campanha da Polônia. Dentro desses limites, as forças inimigas e os seus recursos militares e econômicos devem ser golpeados até onde seja possível. A ordem de ataque será dada por mim pessoalmente, em qualquer caso. O exército deverá estar pronto para defender a muralha do oeste e prevenir qualquer manobra de flanco por parte das potências do oeste, caso violem o território da Bélgica e da Holanda. Ao levar a guerra à Inglaterra, a direção dos ataques da Luftwaffe se concentrará na interrupção do transporte de tropas para a França. Os ataques contra Londres serão decididos por mim pessoalmente.

Adolf Hitler.

 



Os principais fatos que marcaram o início da Segunda Guerra Mundial

 

A Segunda Guerra Mundial começou com a invasão da Polônia por tropas alemãs, a 1º de setembro de 1939. O conflito, travado principalmente entre os Aliados e as potências do Eixo, foi o que causou mais vítimas em toda a história da humanidade, atingindo países em todos os continentes.

As principais potências aliadas foram a Inglaterra, os Estados Unidos, a União Soviética e a França. O Eixo foi formado pela Alemanha, a Itália e o Japão.

Até seu final, em 1945, a guerra teve um saldo de 27 milhões de soldados e em torno de 25 milhões de civis mortos, entre os quais cerca de seis milhões de judeus vitimados pelo Holocausto. Várias cidades ficaram em ruínas, principalmente na Alemanha e no Japão.

Como conseqüência do conflito, a Alemanha e o Japão – mas também a França e a Grã-Bretanha – perderam importância política global. Os Estados Unidos e a nova superpotência União Soviética consolidaram sua hegemonia ao dividir a Europa em duas zonas. Seguiu-se o período conhecido como Guerra Fria.


1937

7 de julho − Uma troca de tiros entre soldados japoneses e chineses em Pequim é usada como pretexto por extremistas militares japoneses para iniciar a guerra entre o Japão e a China. Este conflito se estende até 9 de setembro de 1945.

1939

23 de agosto − Assinado o pacto de não-agressão entre Hitler e Stalin: a Alemanha e a União Soviética se comprometem a não atacar uma à outra e a se manter neutras se uma delas for atacada por uma terceira potência. Só muito mais tarde se tornaria pública uma cláusula secreta prevendo a eliminação de alguns países, como a Polônia.

1º de setembro − Tropas alemãs invadem a Polônia. Começa a guerra.

3 de setembro − Grã-Bretanha e a França declaram guerra à Alemanha.

5 de setembro − Estados Unidos declaram neutralidade.

17 de setembro − União Soviética invade a Polônia.

27 de setembro − Varsóvia rende-se aos alemães.

28 de setembro − Ministros de Relações Exteriores da Alemanha e da União Soviética assinam em Moscou a divisão da Polônia.

12 de outubro − Os primeiros judeus são deportados pelo Deutsches Reich para a Polônia. Duas semanas mais tarde, a SS (Schutzstaffel – tropa de elite) obriga os judeus a portar de forma visível a estrela de Davi (símbolo do judaísmo).

8 de novembro − Atentado fracassado contra Hitler em Munique.

14 de dezembro − União Soviética é excluída da Liga das Nações após ter atacado a Finlândia.

 

PRIMEIRO COMUNICADO OFICIAL ALEMÃO
BERLIM, 1º DE SETEMBRO DE 1939

 

"No curso das operações militares na Silésia, Pomerânia e Prússia Oriental, foram conquistados todos os objetivos do primeiro dia. A aviação alemã, atuando com o maior entusiasmo, bombardeou com completo êxito, os aeroportos de Rahmel, Quztig, Graudenz, Poznam, Loos, Tomaszow, Buda, Katto-witz, Cracóvia, Lemberg e Brest, destruindo tôdas as bases militares desses lugares. As tropas do sul, que avançam através das montanhas, chegaram a uma linha entre Neumarket, Sucha, ao sul da Maerieh, e o rio Olsa foi atravessado perto de Puschen. Na zona industrial de Sude, as tropas avançaram até Kattowitz. Vários contingentes de tropas, que operam na Silésia, avançaram para o norte, em direção a Pschenstaochau. As tropas que operam no "Corredor", desde Brahe, chegaram ao Rio Netze, perto de Nakelin, nas proximidades de Grausentz."

    AS PRIMEIRAS HORAS DA GUERRA EM BERLIN

    Pode dizer-se que a capital do Reich não foi afetada pelas atividades bélicas. Durante o discurso de Hitler em frente ao Reichstag, um reduzido grupo de pessoas aglomerou-se ante a chancelaria, na Wllhelm-strasse. Hitler foi aclamado quando passou ràpidamente e, minutos depois, ocorreu um incidente embaraçoso: vários guardas alinharam-se em frente à Chancelaria e começaram a gritar: "Queremos ver o nosso Fuehrer", mas a multidão não os imitou. Os semblantes graves dos presentes iluminaram-se por um momento, quando chegou um carro equipado ,com câmaras fotográficas e levando fotógrafos, que faziam às vezes de animadores, para que as fotos fossem mais “espontâneas”. Entre risos, muitos respondiam com heils, embora não houvesse ali ninguém para ser aclamado, exceto os fotógrafos. Em geral, a calma foi total entre a população, que recebeu a notícia do início das hostilidades quase com apatia.



 PRIMEIRO COMUNICADO OFICIAL POLONÊS
VARSOVIA, 1º SETEMBRO DE 1939


"Pouco depois das sete, os alemães iniciaram ações militares em diferentes pontos da fronteira. Isto constitui, indubitavelmente, uma agressão alemã contra a Polônia. A ação militar está agora em desenvolvimento."

AS PRIMEIRAS HORAS DA GUERRA EM VARSOVIA
 

Os habitantes da capital da Polônia tiveram, pouco depois de ouvir o primeiro comunicado oficial, a primeira sensação direta do conflito, ao soar as sirenes de alarme dos ataques aéreos. Às 9 hs, já se começou a ouvir um nutrido fogo de artilharia nos arredores da cidade, onde entraram em ação as baterias antiaéreas, que disparavam sem interrupção, distinguindo-se em meio ao contínuo estalido das granadas, ocasionais estampidos de bombas e o zumbido dos motores dos aviões. Uma chuva miúda caia sobre a cidade e o céu nublado não permitia divisar os aparelhos incursores. Desde os primeiros toques das sirenes, a cidade ficou quase completamente deserta. Todos correram a refugiar-se nos edifícios de mais sólida construção. As sirenes começaram a soar um quarto de hora antes de se ouvirem as primeiras detonações, às 8:45 hs. As ruas estavam então muito movimentadas. De imediato, produziu-se uma dispersão geral e todo mundo correu a amparar-se nos edifícios mais próximos. A cidade tornou-se repentinamente tranquila, silenciosa. O trânsito ficou reduzido a alguns automóveis, que passavam a grande velocidade. Às 9.30 hs. foi dado o sinal de perigo passado e o trânsito voltou ao ritmo normal. Meia hora mais tarde, tornaram a soar as sirenes, mas foi um sinal de falso alarme, com o sinal de perigo passado 20 minutos após. O terceiro alarme de 19 de setembro começou às 12:40 hs. Dez minutos depois escutou-se o fogo das baterias antiaéreas dos subúrbios do oeste. Às 12:57 hs cessou o alarme.