COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Terrestre

21 de Fevereiro, 2014 - 09:20 ( Brasília )

69 anos da tomada de Monte Castelo


21 de fevereiro de 1945. Passados 227 dias de sua chegada às terras italianas, e após infrutíferos ataques contra os nazistas, que detinham vantagem estratégica no terreno íngreme, a Força Expedicionária Brasileira (FEB) protagonizou uma das maiores conquistas em sua participação na 2ª Guerra Mundial: a Tomada de Monte Castelo.

Essa elevação possuía grande importância tática, que permitiria o avanço das tropas aliadas em direção à Alemanha, e essa pressão ofensiva aceleraria a capitulação dos Estados que compunham o Eixo. Essa batalha foi um marco para a Campanha da FEB na Itália.

A rotina desses destemidos heróis vinha marcada por combates extenuantes e adversidades causadas pelo rigoroso inverno europeu, seu maior inimigo. Mais que as intempéries, o terreno lamacento e escarpado impedia a utilização de meios blindados, e a batalha acabou se restringindo a ações da Infantaria, com o intenso apoio de fogo da Artilharia.

Todos esses fatos tornam memorável o feito dos Pracinhas, que souberam fazer frente à agressão de uma grande potencia militar da época, enfrentando em inferioridade numérica e tecnológica o inimigo.

Monte Castelo foi mais que uma grande batalha vencida, pois representa, ainda hoje, a força, a garra e a coragem do povo brasileiro, na construção de paradigmas para toda a humanidade.

E ao lembrar o aniversário da Tomada de Monte Castelo, o Exército Brasileiro relembra, também, os 70 anos do desembarque da Força Expedicionária Brasileira em solo italiano. 25 mil homens ultrapassaram o oceano para lutar na Itália. Uma célebre e insigne participação da Nação brasileira em busca dos ideais democráticos.

E precisamos manter viva essa lembrança, reverenciar a história, rememorar os bravos heróis que deram sua vida em favor do patriotismo. E é assim que mostramos os valores do Soldado Brasileiro, que serviram, servem e servirão de exemplo a todas as gerações de nosso Exército.

Cultuar e reverenciar aqueles que escreveram essa memorável página de nossa história, mais que uma homenagem, é dever de todos. Aos nossos Pracinhas, o nosso eterno reconhecimento e gratidão.