COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Geopolítica

03 de Janeiro, 2014 - 18:00 ( Brasília )

Homem morre após escavadeira detonar bomba da 2ª Guerra


O operador de uma escavadeira morreu nesta sexta-feira na cidade de Euskirchen, no oeste da Alemanha, ao chocar acidentalmente o veículo, uma escavadeira, com uma bomba da Segunda Guerra Mundial. Com o choque, a bomba foi detonada.

A explosão ocorreu por volta do meio-dia local, informou a polícia, em um complexo industrial nos arredores dessa cidade do Estado federado da Renânia do Norte-Vestfália. O condutor da escavadeira morreu na hora, duas pessoas ficaram feridas com gravidade e outras seis sofreram lesões leves.

"Durante as escavações, a máquina desencobriu uma bomba da época da guerra, que explodiu. O operador foi morto e vários outros perto da escavadeira ficaram feridos. Dois estão gravemente feridos e seis levemente", disse o porta-voz da polícia, Norbert Hardt. "A explosão causou um dano significativo também nas ruas adjacentes, onde vidros e portas de garagem rebentaram", acrescentou.

Segundo testemunhas, o impacto da detonação quebrou vidros de janelas de edifícios e lojas das imediações do complexo. Imagens transmitidas pela televisão mostraram destroços da cabine da escavadeira e de uma cabana próxima, além de pedaços de portas e janelas estourados na explosão.

Euskirchen está localizada na Renânia do Norte-Vestfália, o Estado mais populoso da Alemanha. Durante a Segunda Guerra, o Estado foi atingido por bombas dos aliados, uma vez que abriga uma das áreas mais densamente industriais do país.

Todos os anos centenas de bombas da época da guerra são descobertas na Alemanha, apesar de a maioria delas ser detonada com sucesso. O Ministério do Interior do Estado afirmou que 706 bombas foram desativadas em 2012, sendo que 239 delas pesavam mais de 50 quilos.

Peritos têm usado cada vez mais fotos aéreas dos aliados da época para encontrar bombas não detonadas, embora muitas sejam descobertas acidentalmente durante obras de construção.

Com informações das agências EFE e Reuters