COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Geopolítica

07 de Outubro, 2013 - 19:23 ( Brasília )

Mais de 2,1 mil soldados dos EUA morreram no Afeganistão em 12 anos de guerra


O Departamento de Defesa dos EUA afirmou nesta segunda-feira que 12 anos após o lançamento da "Operação Liberdade Perdurável" e da invasão no Afeganistão como resposta aos ataques terroristas de setembro de 2001, morreram no país 2.143 soldados norte-americanos e mais de 54 mil militares ainda permanecem no local.

De acordo com o Pentágono, na guerra mais longa da história dos EUA morreram 2.143 soldados e 19.334 ficaram feridos.

Diversos cálculos apontam que o conflito custou ao país cerca de US$ 6 bilhões.

A campanha começou com o envio de pequenos contingentes de forças especiais que se aliaram com as facções anti-talibãs no norte do Afeganistão e logo derrubaram o regime que era amparado por Osama bin Laden e a rede Al Qaeda.

A ação militar aberta começou em 7 de outubro de 2001 com ataques aéreos e de mísseis e a chegada gradual de uma força de aproximadamente 20 mil soldados dos Estados Unidos e seus aliados.

O presidente dos EUA, Barack Obama, que em 2009 ordenou uma escalada com o envio de mais 30 mil soldados, prometeu que no final de 2014 já não haverá tropas de combate no Afeganistão.

Embora o Pentágono tenha indicado que reduzirá suas forças em cerca de 34 mil soldados no mês de fevereiro, o contingente que permanece à espera das ordens de retirada é o maior que houve no país asiático nos sete primeiros anos da guerra.

Os Estados Unidos e seus aliados, que em algum momento desta longa guerra em terras distantes tiveram até 800 bases militares, operam agora apenas com cem, e o impacto da intervenção internacional segue em dúvida enquanto os talibãs se preparam para um futuro sem estrangeiros.