COBERTURA ESPECIAL - DQBRN - Defesa

28 de Julho, 2016 - 09:10 ( Brasília )

Palco de jogos olímpicos, Fonte Nova recebe simulação de ataque químico

Ação envolveu bombeiros, Marinha do Brasil e Samu nesta terça-feira (26). Estádio vai receber dez jogos entre os dias 4 e 13 de agosto, em Salvador.

Alan Oliveira e Lílian Marques


Uma simulação de ataque químico na chegada de torcedores a uma partida de futebol foi realizada nesta terça-feira (26), na Arena Fonte Nova, em Salvador. Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Samu, Guarda Municipal, Transalvador, Marinha do Brasil, Defesa Civil, entre outros órgãos de segurança, participaram do teste.

A ação, que durou cerca de uma hora, compõe a estratégia de defesa para os jogos olímpicos de futebol que acontecem de 4 a 13 de agosto na capital baiana. O coronel Antonio Júlio Nascimento Silva, mediador do Sistema de Comando de Incidentes (SCI), explicou que, na simulação, um homem lançou uma ampola com componente químico em direção ao público que aguardava para entrar na arena. No ataque, algumas pessoas, incluindo o suposto terrorista, morreram e outras tiveram queimaduras.

Segundo o coronel, logo após o ataque, o Corpo de Bombeiros foi acionado e realizou a primeira descontaminação das vítimas, lanvando-as com água. Os mortos também foram descontaminados. Em seguida, a Marinha do Brasil realizou a segunda etapa, onde o que restou da substância foi retirada. Ainda conforme Silva, os feridos seguiram para atendimento médico do Sistema de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Após avaliação inicial, as vítimas foram conduzidas para o Hospital Geral do Estado (HGE), que é a unidade de saúde credenciada para fazer a recepção de feridos em caso de ocorrências durante partidas da Olimpíada na capital baiana.

"Isso é uma coisa que é possível, então a gente está atento para essas composições todas, seja aqui, seja nos hotéis como todo. Desde a bilheteria a gente já começa a fazer atividades de prevenção, para que a gente possa ter um sucesso total nessa operação", disse o coronel.

Ameaça de bomba no mar

A Marinha fez uma simulação de abordagem a embarcações com ameaça de armas a bordo em Salvador, na manhã desta terça-feira. O exercício aconteceu no ferry boat Dorival Caymmi, nas proximidades do porto da capital baiana.

A ação contou com 400 oficiais e 10 embarcações da Marinha, e durou aproximadamente uma hora e meia. Na simulação, uma embarcação com oficiais foi até o ferry boat. Eles entraram no ferry e fizeram a abordagem da tripulação. Na inspeção, foi encontrada uma arma dentro de uma bolsa. Um helicóptero fez a proteção aérea durante a abordagem.

Outras duas embarcações do Samu, juntamente com a Polícia Federal, verificaram a presença de feridos no ferry. O capitão Fernando Vidal explicou que o exercício aconteceu para avaliar as condições de prontidão dos meios navais. "Tem um protocolo que o grupo (da Marinha) cumpre até certo ponto, se tiver algo (armas), o comando aciona os órgãos de segurança pública", afirma.

Segurança

No entorno da Arena Fonte Nova, onde ocorrerão os jogos olímpicos entre os dias 4 e 13 de agosto, será feito um perímetro de segurança por equipes aéreas e terrestres. O esquema foi apresentado nesta terça-feira, em coletiva de imprensa. A entrada nas ruas será permitida apenas para moradores com veículos cadastrados e torcedores com ingressos. Ainda ficará bloqueado o tráfego aéreo uma hora antes e três horas depois dos jogos no entorno do estádio.

Para garantir a segurança, as Forças Armadas vão contar com o efetivo de 1.607 militares. Anteriormente, a previsão era de que cerca de 1.400 atuassem na segurança da capital baiana. Para as delegações de seleções, o esquema montado contará com segurança do percurso de chegada com batedores da polícia pelas ruas da cidade, do aeroporto até o alojamento. As rotas serão escolhidas de acordo com o fluxo de veículos e possibilidade de manifestação e interdição do trânsito.

Treinamento

Estão previstos exercícios e simulações durante toda esta terça-feira na capital baiana em preparação para o evento esportivo. No Pelourinho, Centro Histórico de Salvador, será feita a simulação de voo de drone não autorizado. "Hoje é um grande exercício geral. Vamos colocar em prática planejamentos e exercícios que já fizemos e estamos repetindo", explicou o vice-almirante Claudio Viveiros.

As ações durante o período de eventos acontecem de maneira integrada com órgaos de Segurança Pública, Defesa Civil e Inteligência. A Marinha terá embarcações que vão executar patrulhas no litoral da capital baiana e no interior da Baía de Todos-os-Santos. A Força Aérea fará proteção do espaço aéreo da capital baiana e o Exército estará de prontidão para atuar como força de contingência.

Força Terrestre Componente realiza exercício em Salvador para a segurança dos Jogos¹

No dia 24 de julho, foi realizado um exercício de preparação da Força Terrestre Componente (FTC), em Salvador, para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. As tropas da 6ª Região Militar (6ª RM) executaram incidentes simulados, envolvendo as rotas protocolares (trajeto de deslocamento de autoridades e delegações esportivas), os centros de treinamento, os hotéis das delegações, o aeroporto e o Complexo Esportivo Cultural Octávio Mangabeira (Arena Fonte Nova).

A primeira atividade do exercício foi um aprestamento da tropa, durante o qual o Comandante da Força Terrestre Componente, General de Brigada Antonio Eudes Lima da Silva, esclareceu acerca dos objetivos do exercício e das missões da FTC nesse período em que estará enquadrada pelo Centro de Coordenação de Defesa de Área (CCDA).

Em seguida, realizou-se um treinamento da mobilização da tropa no caso de ser acionada a Força de Contingência para apoiar os órgãos de segurança pública em escolta do Hotel Catussaba, local de hospedagem das autoridades e delegações esportivas, até o Estádio de Pituaçú, um dos centros de treinamento de seleções durante a competição.

O patrulhamento em áreas públicas de maior circulação e o bloqueio de acesso de pessoas não autorizadas à Arena Fonte Nova encerraram o exercício, que teve como objetivos: organizar as Unidades; prepará-las materialmente; treinar o pessoal para assumir, em curto prazo, ações de defesa; fortalecer o espírito de corpo e estreitar os laços de camaradagem entre todos os integrantes das tropas empregadas.

No período em que os eventos esportivos mundiais previstos para este ano estarão ocorrendo, no âmbito da 6ª RM, a missão desse Grande Comando abrangerá a proteção das instalações de fornecimento de serviços essenciais (estruturas estratégicas), como energia elétrica, água, telecomunicações, que, se interrompidos, podem provocar sérios impactos para a realização dos Jogos.

Além disso, também será atribuição da 6ª Região Militar, a manutenção de uma Força de Contingência em prontidão, com cerca de 800 militares e 150 viaturas do Exército Brasileiro, para atuar, de forma episódica, em situações de crise, complementando, se necessário, as ações dos órgãos de segurança pública e a defesa civil.

¹com Agência verde Olivia - EB / Fotos: Maj R de Mattos e Ten Jaqueline (Cmdo 6ª RM); Sd Carneiro (Cia C/6); Sd Eládio (19º BC); e 6º BPE