COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

06 de Maio, 2019 - 10:30 ( Brasília )

Simulação Tática, Ferramenta para o Adestramento


Major Albano¹
Ch Sç Dout CA-Sul


A crescente relevância do Brasil no cenário internacional deve ser acompanhada pelo aumento do seu preparo para proteger-se face às novas ameaças. Nesse sentido, o Exército de Caxias passa por um processo de transformação para enfrentar, em melhores condições, os desafios futuros.

Na primeira década do século XXI, diagnosticou-se que a Força Terrestre não dispunha de todas as capacidades exigidas a um player internacional, situação almejada após a evolução político-estratégica alcançada pelo Brasil.

Percebeu-se a necessidade de um processo que projetasse a Força a um patamar elevado, equiparando-se aos principais atores mundiais, capaz de se fazer-se presente, com a prontidão necessária, em qualquer ponto de sua área de interesse.

Sair da Era Industrial para a Era do Conhecimento era a intenção, o que exigiu um planejamento determinando, entre outros, um conjunto de ações estratégicas para conduzir a transformação.

Uma dessas ações, o Projeto de Força (PROFORÇA), promoveu a ciência, a tecnologia e a modernização do material, determinando que a incorporação da simulação como ferramenta de adestramento fosse imperiosa e urgente.

Amplamente utilizados em países desenvolvidos, os simuladores proporcionam uma enorme economia dos mais diversos recursos, incorporando tecnologia ao processo de treinamento, aliviando a estrutura logística e atenuando as várias restrições impostas à atividade militar, com otimização do tempo de treinamento e sua potencialização.

O Comando de Operações Terrestres (COTER), responsável pelo preparo e emprego da Força Terrestre, ficou incumbido de implantar um novo e efetivo Sistema Operacional Militar Terrestre (SISOMT).

Esse sistema apresenta a estrutura do Sistema de preparo (SISPREPARO), que abarca todas as atividades voltadas ao preparo da Força e que prevê a criação de Centros de Adestramento no Território Nacional.

Assim nasceu o Centro de Adestramento - Sul (CA - Sul), projeto piloto desse processo, Organização Militar voltada a proporcionar as melhores condições de treinamento para o combate, com ênfase na utilização de diversos meios de simulação, preferencialmente para a tropa blindada e mecanizada. Diretamente subordinado ao Comando Militar do Sul, o CA – Sul está localizado em Santa Maria-RS, a Capital dos Blindados.

Um dos poucos Centros no mundo a reunir as três modalidades de simulação, a construtiva, a virtual e a viva (figura 1), dará um importante passo em sua trajetória neste ano, com a realização do chamado evento-teste da Simulação Viva, previsto para o próximo mês de novembro.

 

Figura 1 - Tipos de simulação

O exercício prevê o emprego de meios da 6ª Brigada de Infantaria Blindada, operando as armas, viaturas e equipamentos orgânicos, no Campo de Instrução de Santa Maria, permitindo o adestramento de tropa até o nível Subunidade, valor Força-Tarefa.

Tropas do 29º Batalhão de Infantaria Blindada e do 1º Regimento de Carros de Combate realizarão o ciclo de adestramento em três fases. As duas primeiras semanas são destinadas a uma reciclagem dos conhecimentos técnicos e procedimentos individuais, assim como uma revisão doutrinaria básica para a solução do problema militar a ser apresentado.

Para isso, é empregada uma nova metodologia, denominada treinamento militar a distância (TMAD), que oferece ao militar todo o conteúdo necessário por intermédio do Portal do Preparo do COTER.

Na segunda fase, com duração de 1 semana, os militares realizarão o Exercício de Adestramento com Simulação Virtual. Empregando o software Virtual Battle Space 3 (VBS 3), este treinamento buscará o desenvolvimento de habilidades e capacidades individuais, assim como o treinamento tático das frações, permitindo explorar os limites do operador e do equipamento, com um alto grau de realismo em situações específicas do combate.

Já na terceira semana, será realizado efetivamente o Exercício de Adestramento de Simulação Viva. Nesta atividade, a Força-Tarefa subunidade blindada (FT SU Bld), durante 05 (cinco) jornadas no terreno, empregará os novos dispositivos de simulação de engajamento tático (DSET) (Figura 2), específicos para este tipo de tropa, e se adestrará contra uma Força Oponente capacitada, ampliando o realismo tático do evento, conforme as listas de verificação extraidas dos Programas Padrão de Adestramento (PPA). A empresa sueca SAAB foi a vencedora do certame licitatório internacional para a entrega desses DSET ao CA-Sul.

A previsão de recebimento do material e a capacitação dos instrutores para o emprego dos mesmos é no primeiro semestre de 2019, o que ampliará consideravelmente as capacidades do Centro.

Figura 2 - DSET instalado no Leopard 1A5

O CA-Sul tem por objetivo ser uma nova e efetiva estrutura para o adestramento e, em fase futura, para a certificação de tropas da Força Terrestre, antes de serem empregadas em operações.

Para isso, proporcionará condições e processos diferenciados por meio de pessoal especializado, nesse caso, os Observadores, Controladores e Avaliadores (OCA).

A formação da equipe de OCA também é foco do CA-Sul para a eficácia do evento-teste. Isto porque, em última análise, é o bom desempenho do OCA, coordenando o exercício, que transmitirá o realismo tático, o dinamismo e um maior grau de imersão do executante durante o treinamento (Figura 3).

Essa equipe deve atuar de forma sincronizada e integrada, proporcionando o desenvolvimento de ações e eventos sem solução de, continuidade.

Figura 3 - Metodologia da simulação tática

Verifica-se que a realização do evento-teste da simulação viva, no corrente ano, está perfeitamente alinhado com a implantação um novo e efetivo Sistema Operacional Militar Terrestre, implantando uma nova sistemática de instrução com ênfase no efetivo profissional, indo ao encontro do objetivo de transformação da Força.

Por fim, conclui-se que os novos investimentos em tecnologia, infraestrutura e no aprimoramento profissional da tropa, hora realizados, ampliarão a eficácia e eficiência do adestramento e as capacidades operacionais da tropa blindada e mecanizada, do Comando Militar do Sul, elite do combate convencional, e de toda a Força Terrestre.

Adestrar para vencer, Aço!

¹Major Albano, Exército Brasileiro, chefe da seção de doutrina - Centro de Adestramento Sul - Santa Maria / RS


Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 18 JUN, 14:00

MAIS LIDAS

Doutrina Militar