COBERTURA ESPECIAL - Doutrina Militar - Terrestre

28 de Novembro, 2017 - 10:55 ( Brasília )

EB - Adestramento avançado, com 4 mil militares de 35 unidades do Exército

adestramento avançado, com 4 mil militares de 35 unidades do Exército.

O Exercício Agulhas Negras, realizado entre os dias 20 e 30 de novembro, é um exercício de adestramento avançado conduzido pela 2ª Divisão de Exército. Neste ano, a 22ª edição do treinamento conta com um efetivo de 4 mil militares de 35 unidades do Exército Brasileiro.

O Exercício ocorre nos municípios de Canas, Cunha, Guaratinguetá, Lagoinha, Lorena, Natividade da Serra, São Luís do Paraitinga, Redenção da Serra e Taubaté, todos localizados no Vale do Paraíba.

Assalto Aeromóvel e Transposição de Curso d’água marcam o principal dia de operações do Exercício Agulhas Negras
 
Vale do Paraíba – No primeiro minuto da madrugada do dia 23 de novembro, militares da 11ª Brigada de Infantaria Leve (Bda Inf L) atravessaram o Rio Paraíba do Sul, no município de Lorena (SP), em uma ação de transposição de curso d’água no contexto do Exercício Agulhas Negras. Sob a proteção da escuridão da noite, homens a pé passaram para a margem inimiga, simulada, em botes de assalto. Na segunda fase, os outros homens atravessaram o rio em passadeiras.
 
Com a posição conquistada, os blindados Urutu e Cascavel e o material logístico transpuseram o rio, nas primeiras horas da manhã, sobre portadas (espécie de balsas) e sobre a Ponte Ribbon e seguiram atrás do caminho aberto pela infantaria.
 
Já no início da manhã, desse mesmo dia 23, outra atividade de ataque acontecia em Guaratinguetá (SP). Nessa, os militares embarcaram nos helicópteros Jaguar e Pantera da Aviação do Exército. As aeronaves incursionaram 30 quilômetros atrás das linhas adversárias simuladas e realizaram o desembarque de militares e o assalto aeromóvel da 12ª Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel) na Zona Rural de Lagoinha (SP).
 
As atividades foram acompanhadas pelo Comandante Militar do Sudeste, General de Exército João Camilo Pires de Campos; pelo Comandante da 2ª Divisão de Exército, General de Divisão Eduardo Diniz; pelo Comandante da Aviação do Exército, General de Brigada Luciano Guilherme Cabral Pinheiro; pelo Comandante da 11ª Bda Inf L, General de Brigada Carlos Sérgio Camara Saú; e pelo Comandante da 12ª Bda Inf L (Amv), General de Brigada Mario Fernandes.

 

Tropa de defesa química participa do adestramento

Em Canas (SP), após sofrer um ataque simulado de bomba química dentro do contexto de treinamento do Exercício Agulhas Negras, um pelotão do 28° Batalhão de Infantaria Leve (BIL) foi retirado do local e encaminhado a um Posto de Descontaminação, montado pelo 1° Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (Btl DQBRN).

Os militares do 28° BIL desembarcaram da viatura 5 Ton e foram rapidamente encaminhados para a Linha de Descontaminação de Pessoal. Ali, os militares de defesa química, em trajes específicos para esse tipo de ação, realizaram a detecção de material químico no fardamento dos militares. Os contaminados eram encaminhados para a tenda de descontaminação, onde tomavam um banho descontaminante com produtos biodegradáveis.

Já a viatura seguiu para a Linha de Descontaminação Física. De cima de uma grua em um caminhão adaptado pelo Exército, o militar DQBRN despejou o produto descontaminante sobre a viatura 5 Ton.

Em outra Linha Física, o armamento era colocado em uma tenda com água a 180°C, temperatura segura para eliminar a ameaça. Após todo material e tropa serem descontaminados, é a vez de os militares do 1° Btl DQBRN passarem pelo banho descontaminante em uma quarta Linha.

Toda a ação foi acompanhada pelo Comandante da 2ª Divisão de Exército, General de Divisão Eduardo Diniz.

Os combatentes DQBRN substituem o tradicional uniforme verde-oliva do Exército por um traje especial: o CLD 500. A roupa possui dois filtros e é considerada de proteção média para riscos de contaminação cutânea e respiratória.

 

Tropas paraquedistas atacam forças oponentes simuladas em Catuçaba

No 5° dia de operações do Exercício Agulhas Negras 2017, a Força-Tarefa do 25° Batalhão de Infantaria Paraquedista realizou um ataque a localidade, na manhã do dia 25 de novembro, no Distrito de Catuçaba, município de São Luiz do Paraitinga (SP).

A manobra executada por duas companhias do 25° Batalhão de Infantaria Pará-quedista (25º BI Pqdt), chamada de ataque a localidade, é composta por três fases: cerco, isolamento e investimento. Esta fase chamou a atenção dos moradores de Catuçaba, que levantaram cedo para ver a movimentação e a progressão das tropas do Exército. O objetivo dessa simulação é adestrar a tropa em atividades de estabelecimento da segurança, em uma cidade que teria sido tomada por forças guerrilheiras. Após o combate nas redondezas do objetivo, a tropa de ataque cerca e isola as forças oponentes dentro da cidade, forçando-as à rendição.

Em seu quinto dia de atividades, o Exercício Agulhas Negras evoluiu para outro patamar, quando ocorre a transição da fase de combate para a fase de pacificação. 

Na fase de pacificação, a tropa pode atuar, por exemplo, no patrulhamento das vias, com postos de bloqueio, na vigilância de estruturas estratégicas, como estações de tratamento de água ou energia elétrica, além de auxiliar no restabelecimento da ordem.

 

Fotos: 2ª DE / Agência Verde-Oliva

VEJA MAIS