COBERTURA ESPECIAL - Dossiê EMBRAER - Defesa

29 de Março, 2018 - 10:50 ( Brasília )

Negociação entre Boeing e Embraer está concentrada na área da defesa

Percepção de fontes próximas ao negócio é de que as discussões têm sido 'construtivas', mas não há clareza sobre quando um acordo poderia ser alcançado

Márcio Rodrigues
 

As conversas sobre uma fusão entre Boeing e Embraer continuam concentradas na área de defesa da companhia brasileira, tanto do ponto de vista da soberania do governo do Brasil quanto da sustentabilidade do negócio, apurou o Broadcast. A percepção de fontes próximas ao negócio é de que as discussões têm sido "construtivas" e de que houve evoluções no decorrer das conversas. Não há, contudo, clareza sobre quando um acordo poderia ser alcançado.

Em declarações recentes, o presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, disse que a fabricante de aeronaves norte-americana vê um "excelente encaixe estratégico" em uma possível aquisição da Embraer, mas frisou que a operação não é essencial para o grupo norte-americano.

Trata-se de uma resposta a comentários de que, após o acordo entre Airbus e Bombardier, o negócio com a Embraer seria primordial para a Boeing. O Broadcast apurou que a visão da companhia norte-americana é de que a Embraer tornaria a Boeing "mais competitiva", mas que o negócio deve fazer "sentido" para todos os lados.

As negociações entre Embraer, Boeing e governo continuam ocorrendo no âmbito de um grupo de trabalho que inclui as empresas, Ministério da Defesa, Força Aérea Brasileira, Ministério da Fazenda e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) - este último possui uma fatia de 5,4% na Embraer por meio de seu braço de participações, o BNDESPar.

A visão ainda é de que o melhor cenário seria encerrar o processo junto ao governo brasileiro até o início da campanha eleitoral. Depois disso, as negociações ficariam naturalmente mais complicadas.

O Broadcast informou no último dia 14 de março que as negociações em torno do negócio pareciam ter esfriado. Após o governo rejeitar a intenção original da norte-americana de comprar a brasileira, as companhias esboçaram novo modelo para o negócio. Esse desenho teria sido entregue ao governo ainda em fevereiro com a previsão de separação do braço de aviação militar da Embraer, que, dessa forma, não ficaria sob o comando da Boeing.

Desde então, a intervenção federal no Rio de Janeiro, a consequente troca no comando do Ministério da Defesa com a chegada de um novo ministro militar e a recente disputa comercial em torno do aço parecem ter afastado o desfecho das conversas. Inicialmente, a troca na Defesa tirou das negociações o principal interlocutor das companhias com o governo - o ministro Raul Jungmann. O general Joaquim Silva e Luna é atualmente o ministro interino e, como outros militares, não demonstra muito entusiasmo com o negócio.

Oficialmente, Embraer e Boeing têm dito que até o momento não há definição acerca da estrutura da combinação de negócios entre as companhias, mas que as conversas prosseguem.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


PM

PM

Última atualização 15 JUL, 16:40

MAIS LIDAS

Dossiê EMBRAER