30 de Outubro, 2012 - 09:30 ( Brasília )

Defesa

Brasil mostra, em seminário, processo de elaboração de seu Livro Branco de Defesa

Durante o Seminário sobre Políticas e Doutrinas de Defesa – “Livros Brancos”, o o Gen Julio Amo Junior apresentou a versão do Livro entregue ao Congresso Nacional

Representantes de quatro Estados-membros da Junta Interamericana de Defesa (JID), entre eles o Brasil, apresentaram em seminário a metodologia e as etapas de elaboração de seus Livros Brancos de defesa nacional – publicações que trazem a visão do governo sobre o tema. O evento aconteceu na sede da JID em Washington, nos Estados Unidos.

Com a apresentação de Brasil, Canadá, Estados Unidos e Peru, outros países integrantes da Junta Interamericana puderam coletar subsídios para implementar ou aperfeiçoar as respectivas publicações do gênero.

Realizado no final de outubro, o seminário foi dirigido pela secretaria da instituição, em coordenação com a Secretaria de Segurança Multidimensional da Organização dos Estados Americanos (OEA). Ao todo, estiveram presentes autoridades civis e militares de 21 países americanos e da Espanha.

Brasil

Coube ao chefe da Assessoria de Planejamento Institucional do Ministério da Defesa, general-de-divisão Julio de Amo Junior, a exposição a respeito do Livro Branco brasileiro. Em sua apresentação, o general Julio trouxe o histórico dos documentos de defesa do país e apresentou a versão do Livro entregue, em julho, ao Congresso Nacional.

Na oportunidade, ele citou propostas e sugestões para os países que ainda não possuem Livros Brancos. E abordou algumas das melhores práticas sobre o tema, como a realização de seminários e concurso nacional acadêmico para envolvimento da sociedade com o assunto defesa, além da elaboração de oficinas temáticas. Segundo afirmou, essa é uma “maneira prática e fácil de envolvimento de outros setores no Livro Branco de Defesa”.

Segurança

O evento, intitulado Seminário sobre Políticas e Doutrinas de Defesa – “Livros Brancos”, possibilitou, também, o incremento das medidas de fomento da confiança e segurança promovidas pela JID.

É responsabilidade da secretaria do órgão recolher informações oficiais de caráter militar e de defesa de cada Estado-membro da OEA. O objetivo é estudar, analisar, elaborar e divulgar os informes de medidas de confiança mútua adotadas por eles, na elaboração dos Livros Brancos e no intercâmbio de pessoal, desenvolvidos para melhorar as relações entre os Estados americanos.

Criada em 30 de março de 1942, a Junta Interamericana de Defesa é uma organização militar e de defesa regional. Constitui oficialmente uma entidade da OEA e, por meio de representantes civis e militares designados pelos Estados-membros, presta serviços de assessoria técnica, consultoria e educação em assuntos militares e de defesa no Hemisfério.