02 de Abril, 2007 - 12:00 ( Brasília )

Defesa

Apagão Aéreo - Viva o Novo Governo "LuChaCala"


Nelson Düring
Editor-chefe DefesaNet


Ao optar pela rendição ao motim perpetrado por grupos instrumentados desde o exterior, o governo Luiz Inácio sinalizou pela sua auto-extinção. Em meros 89 dias do segundo mandato o governo Luiz Inácio entrou em uma profunda crise e indica que desistiu dos próximos 3 anos e 9 meses. Mesmo que uma romaria de próceres governistas inundasse as rádios e TVs na manhã desta segunda-feira afirmando o contrário (02 Abril 2007)

Ao lutar desde o dia 29 de Setembro de 2006, para a afastar o fantasma de 154 corpos do GOL 1907 para longe do Palácio do Planalto, este incentivou a mistificação da desmilitarização da atividade de controle do espaço aéreo brasileiro. Após os desmandos provocados pelo ministro José Dirceu e a ministra Dilma Rousseff, que implodiram todo o sistema aeronáutico brasileiro, com molecagens administrativas na ANAC e INFRAERO, na ânsia de cumprir os acordos de campanha com certas empresas aéreas: de ferir de morte e após dividir o espólio VARIG.

Os resultados foram reconhecidos pelo presidente Luiz Inácio em sua fala aos jornalistas no dia 27 de Março, onde afirmou:

"Desde o ano passado, com a saída da Varig, nós tivemos um problema com duas empresas que ficaram, que não davam conta do atendimento de todos os passageiros.

Depois, certamente, culpabilidade de pessoas que tomavam conta dos aeroportos brasileiros.

Essa coisa vem se arrastando desde março do ano passado com o problema da Varig, e se agravou em outubro do ano passado com o problema do Legacy e do avião da Gol. "

Os controladores Instrumentados pela Casa Civil, que apoiou os ministros da Defesa e do Trabalho na montagem da bomba, que pode implodir o segundo mandato do governo Luiz Inácio, na noite de 30 de março de 2007. A brincadeira patrocinada pela Casa Civil e empresas aéreas é desmascarada com as notícias vindas da amarga ressaca dos próprios amotinados, que começam a vislumbrar o real horizonte que lhes espera.

Se próprio governo montou a arma que foi usada contra ele, quem a disparou não foram os que seriam os beneficiários diretos, mas um novo ator político. Após 8 meses de retiro Fidel Castro publicou as Reflexões do Presidente, no Jornal Granma, no dia 29 Março. No artigo sem mencionar uma vez o Brasil, Castro ataca fortemente o emprego do Etanol como combustível automotivo.

As declarações e a forma virulenta colocaram em crise grande parte do governo Luiz Inácio, em especial os seguidores cegos dos ideários castristas. Foi o sinal de que o sonho de os petistas terem um governo de luz própria, e com projeção internacional, estava indo longe demais aos olhos do velho ditador. A leitura da Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos, Camp David, 31 Março 2007, expõe com clareza a razão da irritação castrista.

O cenário da noite de 30 de Março com os atores, que participaram das negociações da rendição do governo, falam por si. Figuras conhecidas do ideário terrorista internacional e adesismo, que conseguiram cumprir o que lhes foi designado anos atrás.

A divisão no governo e o "golpe palaciano" perpetrado contra o presidente é bem explicitado pela própria Radiobras ao publicar mais fotos do advogado dos amotinados do que foto do próprio presidente Luiz Inácio em reunião com o presidente Bush, em Camp David.

Do acidente GOL 1907 o espectro dos 154 corpos ficaram para seus familiares a dor, aos envolvidos os prêmios: controladores em conluio com a Casa Civil criaram uma blindagem própria, porém com um horizonte incerto, a Casa Civil conseguiu levantar tanta poeira que fica difícil ver a realidade e para a GOL o prêmio de ter o espólio integral da VARIG, o início de todos os desmando, enfim a maior beneficiada com a morte de 154 brasileiros. Foi a própria forma operacional da GOL que sobrecarregou o CINDACTA I, uma das razões para a tragédia GOL 1907. Enfim como diz o seu próprio nome, uma Linha Aérea Inteligente.

Após 43 anos um novo golpe em Brasília, agora a esquerda ultra-radical vence e transforma o governo Luiz Inácio no governo LUCHACALA (LU CHÁvez CAstro LA).

Não bastasse isso, movimentos irregulares preparam-se para uma extensa mobilização, o chamado "abril Vermelho", que servirá de consolidação do golpe radical (ou tentativa) perpetrado na noite de 30 de Março.

Em tempo, o presidente Luiz Inácio poderia perguntar ao Centro de Inteligência da Aeronática (CIAER), a participação política recente de certos líderes do motim.

Ironias da história e da política.

Transcrição do Café com o Presidente 02 Abril 2007 -

Eu acho muito grave o que aconteceu, acho grave e acho irresponsabilidade pessoas que têm funções que são consideradas essenciais e funções delicadas, porque estão lidando com milhares de passageiros que estão sobrevoando o território nacional. Eu hoje vou ter uma conversa com o brigadeiro Saito, vou ter uma conversa com o ministro da Defesa, vou ter uma conversa com quem for necessário conversar para que a gente encontre uma solução definitiva. Afinal de contas, sabe, homens e mulheres brasileiros precisam ter a tranquilidade de viajar e a gente não pode ficar assistindo na televisão todo dia milhares de pessoas sofrendo, esperando cinco ou seis horas, passando privações, pessoas sofrendo, pessoas chorando porque uma categoria se dá o direito de poder fazer isso.