26 de Setembro, 2012 - 09:30 ( Brasília )

Defesa

Sisfron beneficiará a indústria nacional

Segundo general, projeto prevê o emprego de tecnologia de ponta

O Comando do Exército sustenta que o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) deverá estimular a geração de empregos na indústria nacional, em especial na indústria relacionada à defesa nacional, havendo uma expectativa de 13.500 empregos anuais. O valor total da melhoria relacionada à renda decorrente da geração de empregos diretos e indiretos poderá, assim, atingir um total de R$ 2,433 bilhões, durante os dez anos de implantação do sistema. Praticamente dois terços desse total poderão vir do setor de tecnologia, com a execução de atividades de desenvolvimento de componentes e subsistemas, desenvolvimento de software e integração do sistema final, por empresa nacional.

O projeto criará, também, oportunidade de sustentabilidade tecnológica, por meio da venda de produtos e serviços de uso dual e da diversificação da pauta de exportações. A estimativa para a captação de recursos provenientes da comercialização desses itens nos mercados interno e externo é da ordem de até R$ 1 bilhão por ano

Atribuindo-se prioridade ao aproveitamento do que já existe no País, segundo orientação da Estratégia Nacional se Defesa, haverá motivação para a transferência de tecnologia, para a capacitação de recursos humanos especializados e para o estímulo à pesquisa, desenvolvimento e inovação, nas áreas de interesse, com reflexos positivos para o aumento da capacidade da base industrial do País em especial a de defesa, da nacionalização do Sistema e da autonomia tecnológica.

MONITORAMENTO

Segundo o general Antônio dos Santos Guerra Neto,  o Sisfron vai empregar tecnologia de ponta, lançando mão de equipamentos sofisticados como radares de curto e longo alcances, equipamentos de visão noturna, câmeras óticas e termais, imageamento por satélites, torres de observação e transmissão de sinais, sistemas de treinamento e simulação, veículos aéreos não tripulados (vants), blindados para proteção de fronteiras, veículos de apoio, embarcações especiais e outros.

Todos os dados de monitoramento obtidos pelo Sisfron serão transmitidos em tempo real aos centros de operação  do Exército instalados a partir das áreas de fronteira, passando pelos centros de monitoramento regionais, até o Centro de Monitoramento de Fronteiras em Brasília.

Essa movimentação de dados permitirá a tomada de medidas imediatas em torno da irregularidade observada. Além do emprego na área de defesa nacional, o Sisfron é encarado como instrumento de combate aos crimes de fronteira.

De acordo com as justificativas do Exército, o salto tecnológico resultante reforçará a capacidade de dissuasão da Força Terrestre e do Poder Nacional, em virtude do aumento da capacidade de vigilância e monitoramento. Permitirá, ainda, a efetivação da Estratégia da Presença, a melhoria das operações de garantia da lei e da ordem e das ações subsidiárias, inclusive com maior presteza no atendimento de emergências, como é o caso  da Defesa Civil.

*Com informações de Correio do Estado (MS)