20 de Março, 2012 - 20:05 ( Brasília )

Defesa

General de Nardi traça retrato da nova defesa para oficiais recém-chegados


Brasília, 20/03/2012 — O chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general-de-exército José Carlos de Nardi, abriu, nesta terça-feira, o Estágio de Adaptação Funcional (EAF) para 44 militares que vieram das Forças para os quadros do Ministério da Defesa (MD). A iniciativa visa ambientar os oficiais recém-chegados por meio de palestras, leitura de publicações e visitas às instalações.

Em sua apresentação, ele abordou, entre outros assuntos, o futuro da defesa brasileira, destacando a importância de que este seja adequado à quinta maior economia do mundo. “Cheguei de uma longa viagem internacional. Hoje, os brasileiros não sabem a importância que os outros países dão, economicamente, ao Brasil. Nossa defesa precisa refletir isso”, ressaltou.

De Nardi abriu a palestra lembrando que os oficiais enfrentariam desafios em suas novas funções no MD. “Aqui, não existe Marinha, Exército ou Aeronáutica. Há uma soma de esforços que visa a interoperabilidade das Forças. É esse conceito que deve imbuir os senhores em sua passagem pelo ministério.”

Em seguida, o chefe do EMCFA destacou os pontos principais da Estratégia Nacional de Defesa (END), que estabelecem a necessidade de reestruturação das Forças Armadas, de reorganização da indústria de defesa e de recomposição dos efetivos. Também reafirmou a ideia de se construir uma alta capacidade de mobilidade ao lado do desenvolvimento de sistemas efetivos de monitoramento e controle.

“A visão do Ministério da Defesa é clara”, afirmou. “Não há lugar para conflitos na América do Sul. Podemos enfrentar pequenas crises em nossas fronteiras, o que resolveremos com o deslocamento rápido de efetivos. Em nosso continente deve prevalecer a cooperação.”

O general De Nardi citou a importância cada vez maior dos recursos hídricos, da capacidade de produção de alimentos e de energia renovável ou fóssil. “A América do Sul possui todas essas riquezas em abundância e faz parte do papel do Brasil ajudar no processo de dissuasão do continente contra a cobiça de potências estrangeiras”, acentuou.

PAED

Durante sua exposição, o chefe do EMCFA descreveu os principais projetos das Forças Armadas e o Plano de Articulação e de Equipamento de Defesa (PAED), que deverá ser apresentado ao Congresso Nacional até julho. “Nossa prioridade é a Amazônia e o reforço militar dos principais centros econômicos e políticos do país, além da proteção da plataforma continental brasileira.”

Para viabilizar esses objetivos, serão integrados por satélite geoestacionário os sistemas de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Sisdabra), de Vigilância da Fronteira (Sisfron) e de Gerenciamento da Amazônia Azul (Sisgaaz).

Segundo De Nardi, o PAED também irá articular o processo de aquisição das Forças, “sempre priorizando a indústria nacional.”

Realizado semestralmente, o Estágio de Adaptação Funcional no Ministério da Defesa está previsto para terminar na próxima sexta-feira, dia 23.