03 de Abril, 2011 - 16:00 ( Brasília )

Defesa

1964 - A Revolução de primeiro de Abril (3ª Parte - Final)

Uma Análise dos Acontecimentos Militares na Revolução

Série de três artigos:

Link
Link
Link


Por Carlos Chagas


O Rio amanheceu cantando, dia 2 de abril. Não adianta tapar o sol  com  a peneira, nem esquecer, muito menos agredir a História. A classe média apoiou o golpe de 1964, engendrado pelas elites e, fora as exceções de sempre,  ignorado pelas massas. A Igreja, na época, muito contribuiu para produzir aquele sentimento. Os meios de comunicação, também.

É claro que durou pouco a ilusão.  A primeira defecção veio do  “Correio da Manhã”, que nos  dias 31 e 1 publicou  editoriais rompendo com o presidente João Goulart e até pregando sua deposição: “BASTA!” e “FORA!”.   Quinze dias depois, o bravo matutino já denunciava desmandos e acabou sufocado pelos  próprios.

Mas é bom ater-nos aos fatos. Já em Brasília na tarde do  primeiro dia de abril, o presidente da República recebeu do Comandante Militar do Planalto, general Nicolau Fico, a informação de estar rebelada quase toda a guarnição local. Não havia garantias para sua permanência. Na Base Aérea, um “coronado” da Varig aguardava para conduzi-lo a Porto Alegre, onde imaginava resistir, tendo dias antes  mandado para  lá   um general legalista, Ladário Pereira Teles. Apesar de três estrelas, faltando-lhe a quarta, ele assumiu interinamente o comando do III  Exército.

O problema é que na Capital Federal,  oficiais da Aeronáutica  sabotaram o moderno avião da Varig, obrigando Jango a aguardar horas pelo concerto e, afinal, viajando num Avro, de performance mais lenta. Só irá aterrissar alta madrugada do dia 2.

Enquanto isso, no Congresso, a confusão era geral, ainda que as notícias do sucesso da rebelião continuassem chegando. Ou melhor, as notícias da falta de resistência por forças governistas, sindicais ou populares.

O avião presidencial voava, na noite de 1 para 2 de abril, quando o presidente do Senado, Auro de Moura Andrade, convoca sessão conjunta de deputados e senadores e surpreende a todos informando  estar João Goulart fora da sede da República, “em lugar incerto e não sabido” e concluindo: “neste momento, declaro vaga a presidência da República!”.  Foi um tumulto. Primeiro porque o líder do governo na Câmara,  Tancredo Neves, esclareceu estar o presidente viajando para o Sul. Depois, porque a Constituição não previa esse tipo de vacância.  Ao mesmo tempo, no palácio do Planalto, Darcy Ribeiro, chefe da Casa Civil, e Waldir Pires,  Consultor Geral da República, redigiam nota confirmando estar Jango na plenitude de seus poderes. Um detalhe, porém, dava o tom da crise: já não havia um só datilógrafo para copiar o comunicado. Darcy mesmo catou milho numa remington...

As bancadas do PTB, do Partido Socialista e afins resistiam, até aos palavrões, mas Auro imediatamente convoca os presentes a comparecerem à sede do Executivo para assistirem à posse do substituto legal, o presidente da Câmara, Ranieri Mazzilli. Quando chegam ao Planalto,  no começo da madrugada, tropas rebeladas já compunham a guarnição. Foram improvisados dois ministros do Supremo Tribunal Federal, para assistir a cerimônia, mas faltava um general. Nicolau Fico mesmo serviu.

No Rio, naquela tarde, o general Costa e Silva, como o mais antigo, assumiu o gabinete de ministro da Guerra, tendo entre mil contactos com os quatro Exércitos, telefonado também para a Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende. “Dê as ordens, chefe”, respondeu do outro lado da linha o general comandante  do estabelecimento, Garrastazu Médici.

Costa e Silva alertava para o risco de tropas da Vila Militar, legalistas,  irromperem pela Via Dutra, conforme havia ordenado o general Moraes Ancora. Médici dispôs  os cadetes, armados de fuzis e metralhadoras, às margens da rodovia, mas, por via das dúvidas, em duas trincheiras: uma voltada para o Rio, outra para São Paulo, no  caso de não serem verdadeiras as informações sobre a adesão do general Kruel.

Ficou acertado  que na própria Academia das Agulhas Negras se reuniriam os revoltosos, agora com Kruel já chegando de São Paulo,  e Moraes Ancora, vindo do Rio  com a disposição de render-se e aceitar o fato consumado.

Naquela mesma  hora as tropas do general Mourão Filho entravam no Rio,  sem encontrar a menor resistência. Erro crasso ele cometerá, penitenciando-se depois ao chamar-se de “vaca fardada”:    em vez de prosseguir e tomar o ministério da Guerra, como chefe virtual da  revolução e ainda em meio à confusão, preferiu estacionar seus soldados  no estádio do Maracanã... Perdeu a vez,  porque Costa e Silva já enquadrava os generais, inclusive Castelo Branco, assumindo o poder maior no Exército. Um golpe branco em meio à  perplexidade geral, demonstrando  como vale a ousadia, nas horas de crise.

Eram  quatro da madrugada do dia 2 de abril quando o avião levando João Goulart desce em Porto Alegre. Desde a meia noite no aeroporto, o general Ladário Pereira Teles e o deputado Leonel Brizola dormitavam em bancos de madeira  da base aérea. Receberam o presidente, foram para a sede do comando do III Exército e lá, pela manhã, examinaram a situação, convocando os generais que serviam na capital gaúcha. Muitos demonstravam já estar apoiando o golpe, outros mantinham-se cautelosos, mas todos reconheciam que as unidades do interior, comandadas pelos generais Pedro Poppe de Figueiredo e Adalberto Pereira dos Santos já cercavam Porto Alegre. Dava para resistir algum tempo,  porque   ainda existiam tropas fiéis  e Jango   poderia, junto com Brizola,  mobilizar a população. Ia correr muito sangue. O presidente decide-se pelo exílio no Uruguai. Tudo desmorona como um castelo de cartas. As informações são de que unidades antes aquarteladas na capital gaúcha ganhavam  as ruas, rebeladas. O general Ladário dirige-se a João Goulart dizendo que poderia garantir  sua segurança ainda por duas horas, até o aeroporto,  onde um pequeno avião o conduziria ao país vizinho. Jango concorda,  havia há dias mandado esposa e filhos para Barcelona,  na Espanha.  Ladário volta-se para Brizola: “o deputado gostaria que também  o conduzíssemos à Base Aérea?”

Resposta: “eu não me chamo João Goulart”. Depois de ficar escondido na casa de amigos e de tentar inutilmente organizar a resistência, lembrando-se da campanha da legalidade de 1961, Brizola também voará para o exílio, valendo-se de um teco-teco que o recolhe numa praia do  litoral,   disfarçado com a farda de  soldado da Brigada Gaúcha.    João Goulart, antes de chegar ao Uruguai, faz com que o pequeno avião desça em São Borja, em sua fazenda, onde ficará um dia, imaginando que os militares repetiriam com ele o episódio verificado em 1945 com Getúlio Vargas, quando os generais responsáveis por sua deposição  permitiram que permanecesse em sua cidade natal.  O já ex-presidente é informado de que se não seguir para o exílio será preso, processado e submetido a constrangimentos diversos. Saiu.  Só voltou  morto para ser  enterrado ao lado de Getúlio Vargas,   anos  depois.  Vale registrar que João Goulart  e Leonel Brizola, refugiados  no mesmo pequeno país, nunca   se viram, jamais conversaram, apesar de o ex-governador ser casado com a irmã do ex-presidente...

Comédia ou tragédia, a peça estava apenas no primeiro ato.   O general Costa e Silva reúne-se com a cúpula da Marinha e da Aeronáutica e decidem,  a 2 de abril, formar o Comando Supremo da Revolução. Além dele, o almirante Augusto Rademaker e o brigadeiro Francisco de Assis Correia de Mello. Não contestam diretamente, mas demonstram onde está o poder, certamente não  com Ranieri Mazzilli, em Brasília. O presidente interino da República,   por via das dúvidas,  nomeia os três militares seus ministros. Mas não  manda nada.

Logo a Junta Militar, instalada no Rio,   divulga a lista do cem brasileiros mais procurados pela revolução: João Goulart, Leonel Brizola, Luis Carlos Prestes, Francisco Julião, Darcy Ribeiro, Raul Riff e mais uma penca de  ditos subversivos. Começam as cassações de mandatos e suspensões de direitos políticos. Desta vez, dizem eles, o poder não será devolvido aos civis.

Coincidência ou não, os militares  vão buscar o jurista Francisco Campos, velhinho, autor da Constituição fascista de 1937, para fantasiar o golpe.  A necessidade de legalizar o ilegalizável será uma constante nos próximos 21 anos. Um texto primoroso, apesar de  maléfico, é editado logo a seguir: “a revolução se legitima por si mesma, é a fonte do poder constituinte, encarna os anseios da nação, sendo ela que legitima o Congresso, jamais o contrário”.

Uma  página ainda a acrescentar  naqueles dias tão bicudos quanto previsíveis: vai reagir o grupo intelectualizado dos golpistas, a “Sorbonne”, surpreendidos com a rapidez com que Costa e Silva tomou o poder. Através da mídia e da influência junto à maioria da opinião castrense, Castelo Branco, Cordeiro de Farias, Juarez Távora, Eduardo Gomes,  Jurandir Mamede, Ernesto Geisel, Golbery do Couto e Silva e outros  buscam dar a volta por cima e conseguem. Sob a  alegação de que se tudo continuasse como estava, seríamos  a mais execrável ditadura do  planeta, conseguem  impor a prevalência da Constituição, naquilo que não contrariava  seus  interesses.  Apresentam a candidatura do general Castelo Branco, já feito marechal, à presidência da República, que o Congresso engole.  Depois, foi o que se viu: 21 anos de ditadura.

Faltou um detalhe que poderia  não ter sido detalhe, mas o principal. Ainda com Jango em território nacional, o presidente Lyndon Jonhson, dos Estados Unidos, reconhece o novo governo brasileiro. Ao mesmo tempo, autoriza a “Operação Brother Sam”. Uma esquadra deixa o Caribe com um porta-aviões, diversos navios de apoio, dois petroleiros e um submarino, além de “marines”, para o caso de o Brasil entrar em guerra civil. Imagine-se de que lado ficariam nossos irmãos do Norte... (Final)