27 de Agosto, 2018 - 10:45 ( Brasília )

Defesa

Homenagens marcam cerimônia do Dia do Soldado em Brasília


Júlia Campos

Soldados são considerados a base da Defesa nacional. Vão ao combate, lutam, defendem e protegem com propriedade o bem maior do País que é a nação brasileira. Ser soldado vai além da primeira formação na instituição militar. Todos aqueles que servem à Pátria são considerados eternos soldados. E, em mais um ano, esses militares receberam a devida homenagem.

Na manhã desta sexta-feira (24), em Brasília, foi celebrado, antecipadamente, pelo Exército Brasileiro, o Dia do Soldado, na Concha Acústica do Quartel-General do Exército. A data oficial é 25 de agosto, em reverência à comemoração do nascimento de Luiz Alves de Lima e Silva, o Duque de Caxias, patrono da Força Terrestre.

Na ocasião, estiveram presentes o Presidente da República, Michel Temer; o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna; o comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas; o comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira; o Chefe do Estado-Maior do Exército Português, general Frederico José Rovisco Duarte; comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato; o Chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, almirante Ademir Sobrinho; secretário-geral do Ministério da Defesa, brigadeiro Carlos Augusto Amaral Oliveira.

 

Toque de Silêncio

Após a execução do Hino Nacional e apresentação da tropa, ocorreu uma homenagem aos militares mortos no Rio de Janeiro, cabo Fabiano de Oliveira Santos e os soldados Marcus Vinícius Viana Ribeiro e João Viktor da Silva. “Tombaram no fiel cumprimento do dever, defendendo a segurança do povo carioca, a paz e democracia durante a operação contra o crime organizado no contexto da intervenção federal. Nesse momento de luto, o Exército Brasileiro solidariza-se com familiares e amigos”, acentuou o texto. Em seguida, foi dado o toque de silêncio.

Palavras oficiais

Na ordem do dia, do general Villas Bôas, lida pelo adjunto de Comando do Exército,  subtenente Crivelatti, foram citados os desafios que os militares das Forças Armadas têm superado nas missões em que têm atuado, como as de Garantia da lei e da ordem e de Ajuda Humanitária.

“Há soldados em Pacaraima, porta de entrada de Venezuela para o Brasil, tentando minimizar uma tragédia humanitária, que está sendo acompanhada com preocupação pela comunidade internacional “, exemplificou.

“Há soldados trabalhando na nossa infraestrutura, na distribuição de vacinas, e na garantia da votação e apuração. Soldados foram chamados para vistoriar presídios e superar a grave crise de abastecimento, só contornadas graças ao espírito conciliador que trazem dentro de si”, acrescentou.

O comandante do Exército também reverenciou os militares mortos esta semana, ao dizer que com eles, há soldados das três Forças Armadas que têm sacrificado suas vidas para que o futuro do Brasil seja diferente. “Nós, soldados da Pátria, não podemos temer. O Brasil e os brasileiros serão a nossa servidão”, finalizou.

Na mensagem presidencial, Michel Temer enalteceu o ofício dos militares na defesa do país. “O soldado brasileiro é sinônimo de disciplina, de abnegação, de patriotismo. Em todas as missões que lhe são confiadas, nosso Exército, como nossa Marinha e nossa Aeronáutica, dá exemplo de profissionalismo”, afirmou. De acordo com o presidente, eles levam a quem precisa saúde e educação e trazem de volta a confiança, o respeito e a esperança.

 

Condecorações

Na continuidade da cerimônia, foi realizada a imposição da Medalha Exército Brasileiro, instituída pela Portaria nº 219, de 14 de março de 2016, alterada pelo Portaria nº 1.570, de 13 de novembro de 2017, que se destina a distinguir cidadãos e instituições civis, brasileiras ou estrangeiras, integrantes da Marinha do Brasil, da Força Aérea Brasileira e das Forças Auxiliares que tenham praticado ações destacadas ou serviço relevantes em prol do interesse e do bom nome do Exército Brasileiro.

E também da Medalha do Pacificador, mandada cunhar pela Portaria nº 345, de 25 de agosto de 1953, como evocação às homenagens prestadas a Luiz Alves Lima e Silva, o Duque de Caxias, por ocasião do sesquicentenário de seu nascimento. A partir de 1955, transformou-se em honraria a ser conferida a militares e civis, brasileiros ou estrangeiros, que tivessem prestado assinalados serviços ao Exército, elevando o prestígio da Instituição ou desenvolvendo as relações de amizade entre o Exército Brasileiro e outras nações.

Foram mais de 350 condecorados, entre civis e militares. Com 29 anos de Exército, o coronel Marcelo Galdino da Silva, agraciado com a do Pacificador, disse que era uma grande honra poder recebê-la. “Os militares que a têm tiveram que ter trabalhos úteis, que despenderam tempo para auxiliar o Exército e trabalharam de forma honrosa. Poucos a recebem, então é um grande orgulho”, ressaltou.

Gabriella Nascimento Santos, chefe de gabinete da subchefia para assuntos jurídicos da Casa civil, recebeu a medalha do Exército Brasileiro devido ao trabalho que desempenhou. “Sempre atuamos junto ao Ministério da Defesa. É na colaboração e na tentativa de levar o Brasil para a frente que faz valer a pena a medalha. Fui gratamente honrada e espero que seja a primeira de muitas”, destacou.

A solenidade terminou com o desfile militar de tropas do Comando Militar do Planalto, da 11ª Região Militar e da 3ª Brigada de Infantaria Motorizada: Comando de Operações Especiais, Batalhão da Guarda Presidencial, Batalhão de Polícia do Exército, 1º Regimento de Cavalaria de Guarda, 6º Grupo de Mísseis e Foguetes, 11º Grupo de Artilharia Antiaérea, 36º Batalhão de Infantaria Motorizado, 41º Batalhão de Infantaria Motorizado, 32º Grupo de Artilharia de Campanha, 16º Batalhão Logístico, 3º Esquadrão de Cavalaria Mecanizado e 23ª Companhia de Engenharia de Combate.

 

 

Fotos: ST Edmilson, ST Ageu Souza, Cb Estevam e Sd Lucas