29 de Janeiro, 2018 - 10:00 ( Brasília )

Defesa

Aula Magna do Ministro Jungmann no curso Defesa e Diplomacia do Instituto Rio Branco


Como parte da estratégia de aproximar cada vez mais as agendas de Defesa e Relações Exteriores, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, proferiu aula magna para alunos do Instituto Rio Branco no curso “Defesa, Segurança e Política Externa” nesta sexta-feira (26).

Na ocasião, Jungmann enfatizou a importância de os representantes da diplomacia brasileira conhecerem bem o poder militar do Brasil e sua notoriedade no cenário global. “Espero que cada vez mais nós possamos mutuamente reforçar a nossa atuação.

A diplomacia brasileira é fundamental para delinear e dar rumos à nossa política externa, e a Defesa é extremamente importante para garantir que não existam ameaças no caminhar do Brasil rumo ao seu desenvolvimento”, disse. “Quanto mais juntas, coordenadas e articuladas estiverem Relações Exteriores e Defesa, melhor para o futuro do Brasil”, completou o ministro da Defesa.

O diretor-geral do Instituto Rio Branco, embaixador José Estanislau do Amaral Souza Neto, destacou que a criação deste curso, no ano passado, e sua continuação no decorrer deste ano, revelam uma aproximação crescente entre as agendas das duas pastas – Defesa e Relações Exteriores – e têm-se mostrado como algo de extrema importância, não apenas para que os diplomatas conheçam melhor o universo da Defesa, mas, também, para que os militares compreendam melhor as prioridades da diplomacia brasileira.

“É muito importante termos o conhecimento sobre a atuação das Forças Armadas, e o reverso também é verdadeiro: os oficiais militares também, crescentemente, tem necessidade de conhecer como atua a diplomacia brasileira, é uma estrada de duas mãos”, avaliou.

O curso “Defesa, Segurança e Política Externa” traz para dentro de sala de aula a presença de militares e civis que de alguma forma representam a Defesa do Brasil no âmbito do Governo. Assim, os estudantes tem oportunidade de ouvir relatos reais e de se depararem com situações que traduzem o cenário atual no mundo.

Para o embaixador Alessandro Candeas, chefe de gabinete do ministro da Defesa e professor do curso, é fundamental que o jovem diplomata tenha uma dimensão estratégica de defesa em sua formação.

“Aqui, o aluno tem oportunidade de pensar, não apenas politicamente, mas estrategicamente na sua carreira e na inserção internacional do Brasil, seu entorno estratégico, como enfrentar desafios da segurança contemporânea”, explicou.

Na visão do embaixador Candeas, é fundamental que o aluno compreenda o papel do Brasil no cenário mundial de defesa. “O Brasil como ator global, preocupado com as tensões internacionais e com os desafios de defesa e segurança, e também como provedor de paz, não somente em seu entorno, como também em outros continentes, especialmente, por meio de sua participação em missões de paz da ONU”, destacou.



ÚLTIMAS

Defesa

MAIS LIDAS