01 de Agosto, 2011 - 14:25 ( Brasília )

Defesa

O que segura Jobim no governo

Por que as declarações polêmicas do ministro da Defesa, como o voto declarado em Serra, não chegam a comprometer seu cargo

Claudio Dantas Sequeira
 

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, sempre correu em raia própria. Filiado ao PMDB gaúcho, foi ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso e mantém uma relação histórica com o tucano José Serra, com quem dividiu apartamento em Brasília nos tempos da Constituinte. Também goza da confiança de Lula, especialmente depois que, ao assumir a Defesa em 2007, conseguiu debelar a crise do setor aéreo e pacificar a relação com os militares, que até então resistiam a um comando civil. O êxito em sua missão foi essencial para que a presidente Dilma Rousseff o mantivesse no cargo, embora não cultive grande simpatia por ele. Incomoda a Dilma o jeito falastrão de Jobim, que volta e meia faz declarações deselegantes como na quarta-feira 27, quando disse que votou em Serra. Novamente, o ministro criou um mal-estar desnecessário, dando razão aos radicais do PT que não veem a hora de pôr as mãos numa pasta com orçamento bilionário. Diante de tanta pressão, é de se perguntar o que afinal segura o ministro no governo.



 

A força de Jobim, em parte, reside no apoio que o peemedebista tem na caserna. Em quatro anos, ele conquistou, como nenhum antecessor, o respeito da tropa ao recolocar a questão militar na lista de prioridades do governo. Jobim mostrou firmeza ao defender reajustes salariais e a modernização das Forças Armadas, com a compra de material bélico associada à transferência de tecnologia. Fechou o contrato para a construção de um submarino de propulsão nuclear e tem insistido na compra dos 36 jatos de combate. Esses e outros projetos reaproximaram generais e empresários, numa relação que retirou a indústria bélica nacional do ostracismo. Jobim também tomou a frente das articulações para a criação da Comissão da Verdade e convenceu a caserna de que é hora de apurar os crimes da ditadura, por questões históricas, garantindo que não haverá abertura de processos penais contra militares. Essa, aliás, é uma questão de honra para o ministro. “Ele só deixará o ministério quando instalar a comissão”, diz uma fonte do Palácio do Planalto. As declarações de Jobim, segundo a mesma fonte, não terão maiores consequências. “Dilma sabe que Jobim é assim mesmo”, afirma.

Os desafetos do ministro, como o secretário de Comunicação do PT, André Vargas, afirmam que Jobim acredita que é insubstituível. “Ele deve se achar a última bolacha do pacotinho”, disse. Há um mês, como se sabe, durante evento em homenagem a FHC, Jobim elogiou o estilo “conciliador” do ex-presidente e afirmou estar cercado de “idiotas” que precisa tolerar atualmente. A frase foi interpretada como crítica ao corte no orçamento militar e à perda de espaço no governo, já que Dilma não costuma consultá-lo com regularidade, como Lula fazia. “Aparentemente, Jobim está querendo sair”, avalia o senador Humberto Costa (PT/PE), líder do governo. Pode ser, mas até que isso aconteça, Jobim, com respaldo na caserna, ainda produzirá outras pérolas.