15 de Junho, 2011 - 09:30 ( Brasília )

Defesa

ARMAS – EUA Tem U$327 Bi em Pedidos de Exportação

O complexo militar-industrial americano mantém e expande a supremacia.

Com dados da Bloomberg

A organização Defense Security Cooperation Agency (DSCA), do Pentágono esta processando uma carteira de pedidos que ultrapassa o valor de mais de U$ 327 bilhões em exportações de armamentos e está agilizando os pedidos de liberação para a crescente demanda por drones (VANTs), afirmou o Vice-Almirante Bill Landay, chefe do DSCA.

“Temos mais de 13.000 solicitações de 165 países ou instituições,”  afirmou, detalhando sobre o valor de U$327 bilhões.

A agência DSCA supervisiona as exportações de armamentos americanos. A previsão de exportação para o ano fiscal de 2011 é de U$ 46,1 bilhões, um aumento de  45% sobre o ano anterior. Entre 2005 e 2010, a agência autorizou  a exportação de U$96 bilhões em armamentos e sistemas de defesa para países de todos os continentes, afirmou o VA Landay.

Para atender à crescente demanda de armamentos de origem Americana, em especial sistemas VANT, a agência planeja acelerar o processo de liberação pré-aprovadas para países, que têm interesse em drones, afirmou o chefe do DSCA.

“Nós acreditamos que os sistema não tripulados são uma área de crescente interesse em todo o mundo. Sabemos que os fabricantes americanos têm um grande desejo de vendê-los (drones) para outros países e a demanda tem aumentado pelos drones americanos  especialmente para combate e vigilância,” afirmou o VA Landay.

Os drones mais comumente em uso pela Forças Americanas são o “Reaper” e o  “Predator” produzidos pela  General Atomics Aeronautical Systems, de San Diego – California e o drone de vigilância Global Hawk produzido pela  Northrop Grumman Corp., de Los Angeles.

Obtendo licenças pré-aprovadas das Agências Americanas, tais como o Departamento de Estado e do Comércio, para a liberação de tecnologia militar ao exteriorpara potenciais compradores  ajudará as empresas americanas “be faster and more ahead of the game” quando os países demonstrarem interesse na aquisição, afirmou o VA Landay.
Outro ponto polemico é a obtenção de “clearances” em antecipação às encomendas para equipamentos de Guerra Eletrônica.

Segundo o relatório das 100 maiores empresas de defesa do mundo em 2009, do Stockholm International Peace Research Institute (SIPRI), 45 delas estão baseadas nos EUA. Estas companhias geraram um total de vendas de U$247 bilhões em vendas de armas, que representam o total de  61,5% das 100 maiores empresas.

Ainda no dia 9 de junho foi anunciado a venda de 10 aviões de transporte C17 para a Índia, no valor de U$ 4,1 bilhões.

As declarações do chefe do DSCA são uma preparação americana para o Salão de Le Bourget que começa no dia 20 de junho e vai até o dia 26.