COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Defesa

30 de Outubro, 2012 - 09:52 ( Brasília )

Brasil encara desafios da cibersegurança


Janie Hulse

Representantes da Força Aérea Brasileira reuniram-se recentemente em São Paulo para discutir a prevenção de ataques cibernéticos contra os sistemas de defesa. Seu objetivo é proteger as atividades de suas unidades, fortalecendo sistemas de informação e prevenindo a infiltração de inimigos em redes importantes.

O evento mostra o crescente papel da Aeronáutica na área de cibersegurança. Até o momento, o Ministério da Defesa brasileiro concentrava quase todas as questões de segurança de informática no Exército.

O grupo de trabalho reuniu-se um mês após o Brasil sofrer o maior ataque cibernético da história. Hackers do país, associados ao grupo LulzSec, que derrubou temporariamente o site da CIA em junho, fecharam diversos portais do governo brasileiro na ocasião.

Ataques similares tendo como alvo empresas privadas e até sites militares têm aumentado ao longo dos anos. Alguns especialistas, inclusive, culpam os hackers por um apagão na região norte do Rio de Janeiro, além de outro que ocorreu no Espírito Santo, quando milhões de pessoas ficaram no escuro.

O Brasil sofreu 400.000 ataques a computadores em 2011, de acordo com o Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil – CERT, que afirma que hackers domésticos perpetraram a maioria deles, mas não todos.

Entretanto, tais hackers não trabalham necessariamente sozinhos, como ficou evidente no recente caso da internacional LulzSec. Na ocasião, pelo menos três pessoas foram presas por invadir o site corporativo da Sony Pictures, roubando dados pessoais de milhares de clientes e disponibilizando-os online.

CERT: ameaças cibernéticas em alta

O CERT declarou que o aumento de quantidade, magnitude e sofisticação desses ataques levantam questões sobre a eficácia dos recentes esforços do país na área de cibersegurança, uma preocupação especial das forças armadas, cuja missão inclui salvaguardar as redes do país e outras infraestruturas críticas.

“O avanço tecnológico contínuo de ameaças cibernéticas e o aumento da dependência em sistemas de informação para incrementar a eficiência operacional da Aeronáutica exige atenção e monitoramento da defesa cibernética, que deve ser constantemente reformulada e atualizada”, explica o coronel Ricardo de Veiga Queiroz, coordenador do grupo de trabalho EMAER da Força Aérea Brasileira.

Segurança da informação é um do três pilares da Estratégia Nacional de Defesa 2008 do Brasil. Com o objetivo de atingir suas metas, o governo investirá cerca de US$ 200 milhões (R$ 400 milhões) nos próximos quatro anos para proteger as redes do Brasil, de acordo com o general José Carlos dos Santos, comandante do CDCiber (Centro de Defesa Cibernética) do Brasil.

“O interesse militar em defesa cibernética vai além do conceito de guerra cibernética, em que, por exemplo, instalações nucleares do Estado podem ser manipuladas ou comprometidas”, afirma Gaston Schulmeister, especialista em assuntos de segurança da América do Sul e professor na Universidad Argentina de la Empresa (UADE), em Buenos Aires. “Questões têm sido levantadas a respeito do controle de assuntos tais como redes de energia e represas – a maior parte sob controle de civis – que, confrontados com um ataque virtual, podem comprometer a infraestrutura crítica de um país.”

Com sede em Brasília, o CDCiber se prepara para Copa do Mundo e Olimpíadas

Em 2012, o governo brasileiro destinou ao Centro de Defesa Cibernética do Exército US$ 45 milhões (R$ 90 milhões), estabelecidos dois anos antes. A primeira missão do CDCiber foi oferecer antecipadamente segurança às redes da conferência sobre desenvolvimento sustentável, a Rio+20, da ONU, em junho. Agora, o centro focará na preparação dos sistemas para a Copa do Mundo da FIFA em 2014 e para as Olimpíadas de 2016.

“O Exército Brasileiro está se preparando para enfrentar ameaças da guerra eletrônica no mundo moderno em geral e da defesa cibernética em particular”, declarou o ministro da Defesa brasileiro, Celso Amorim, após visitar a sede do CDCiber em Brasília, em junho.

No início deste ano, as Forças Armadas concluíram a compra de um programa antivírus de simulação de ciberataques por US$ 3,3 milhões (R$ 6,6 milhões). O programa irá treinar oficiais do exército em 25 cenários de ataques cibernéticos em redes semelhantes às que possuem.

Além das iniciativas individuais, as Forças Armadas do Brasil então estabelecendo alianças com parceiros como os Estados Unidos para aumentar as chances de sucesso na área de proteção cibernética. Em abril, Amorim se reuniu em Brasília pela primeira vez com o secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, em um novo acordo de cooperação que tornará a cibersegurança uma prioridade, juntamente com transferência de tecnologia, assistência humanitária e resposta a desastres.

“Estamos falando de uma realidade global cuja arquitetura e governabilidade dependem de um novo conjunto de protagonistas não estatais, que darão apoio à plataforma tecnológica mundial e à construção dos principais componentes desse novo sistema virtual para a humanidade”, assinala Schulmeister.



Outras coberturas especiais


Doutrina Militar

Doutrina Militar

Última atualização 17 AGO, 00:45

MAIS LIDAS

Cyberwar