COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Geopolítica

22 de Outubro, 2012 - 11:54 ( Brasília )

Anonymous lançam plataforma TYLER


Em entrevista exclusiva à Voz da Rússia por e-mail, um representante do grupo Anonymous falou das razões do conflito com WikiLeaks e de seu desenvolvimento alternativo – a plataforma online segura e descentralizada TYLER para publicação de informações importantes que governos de vários países escondem de seus cidadãos.

O lançamento da plataforma está previsto para 21 de dezembro.

John Robles: Por que é que os caminhos de Anonymous e WikiLeaks se separaram?

Anonymous: O conflito surgiu em torno de tecnologias de recolha forçada de fundos e a falta de transparência de relatórios financeiros do WikiLeaks .

R: Houve alegações de que Anonymous planejam publicar documentos secretos sobre WikiLeaks, você poderia nos dizer mais sobre isso?

A: A nossa organização irá publicar uma lista detalhada do que nos parece ser violações éticas por parte do WikiLeaks. Não houve quaisquer declarações que temos algum tipo de “materiais secretos”. A informação que queremos publicar é informação para o uso interno do WikiLeaks que vazou para nós. Uma organização que exige transparência para o mundo inteiro deve antes de tudo ser transparente ela própria.

R: Se o WikiLeaks cair, como isso afetará Julian Assange e sua situação atual?

A: Para responder a esta pergunta, devemos primeiro definir exatamente o que é o WikiLeaks. Na mídia é corrente o mito de que o WikiLeaks é uma equipe enorme de ativistas que tomam decisões nos interesses da organização. Isto não é assim. O WikiLeaks é o negócio de publicação de Julian Assange, que o criou, manteve e controlou individualmente. Assim, WikiLeaks e Asssange são a mesma pessoa.

Julian já ameaçou fechar o projeto porque a recolha de fundos não estava ao nível das expectativas. Foi então que a nossa organização começou planejando a criação de suas próprias plataformas para publicação de material revelador. Julian precisa muito do WikiLeaks, e ele é o único que pode fechar o projeto. Enquanto ele estiver em dificuldades financeiras, não o fará, apesar de todas as declarações em contrário. Mas isso levanta a questão: o que vai acontecer com o projeto se não haver Julian? Eu acho que isso será o fim do WikiLeaks.

R: Em quê o TYLER será melhor que o WikiLeaks?

A: O TYLER é um dos vários sites lançados por Anonymous. Há o projeto Par-Anoia. No ano passado lançamos LocalLeaks e HackerLeaks com o apoio da Frente de Libertação Popular (Peoples Liberation Front). Cada uma dessas plataformas tem seus próprios pontos fortes, e todos são importantes para a missão de Anonymous – encontrar um meio confiável, barato e descentralizado de divulgar informação.

O TYLER é único em que não possui servidor fixo. No TYLER se utiliza o princípio de rede descentralizada baseada na igualdade dos participantes. Teoricamente, isto faz dele um análogo de BitCoin ou outras plataformas P2P, uma vez que é impossível atacar ou fechar a plataforma. É claro, que ela irá ser descentralizada minuciosamente.

R: Houve um motivo especial para escolher a data de 21 de dezembro de 2012?

A: A data foi escolhida para coincidir com o mito maia sobre o fim do mundo. Mas isso foi feito para fins de publicidade, e não porque acreditamos nesse mito.

R: O que é feito dos membros de Anonymous que foram acusados nos EUA? Onde estão e qual é a situação de seus casos em tribunal?

A: O grupo Anonymous 16 nos EUA: todos os seus membros foram acusados de envolvimento em ataques DDoS contra sites políticos. Um dos membros foi acusado de organizar e realizar ataques DDoS contra ativos online do roqueiro Gene Simmons do grupo Kiss pelo seu forte apoio de leis de combate à pirataria. Não sei onde está sendo julgado este caso, mas Simmons publicamente se gabou de que esse homem foi preso.

O ativista Christopher Mark Doyon foi acusado de organizar e participar em campanhas de DDoS em Santa Cruz (Califórnia) em resposta à opressão de manifestantes locais. Seu julgamento está suspenso porque ele fugiu para o Canadá e pediu lá asilo político.

Outros 14 ativistas são, por vezes, distinguidos como o grupo PayPal 14 porque todos eles são acusados de ajudar o famoso ataque DDoS contra o PayPal em defesa do WikiLeaks. O julgamento contra eles está sendo protelado pelos procuradores dos EUA.

Jeremy Hammond, que foi supostamente um membro do grupo de hackers LulzSec/AntiSec e um participante de Anonymous, é acusado de um ataque ao servidor da empresa privada de recolha e analise de informações Stratfor e de receber dados de e-mail. Estes materiais estão agora disponíveis no WikiLeaks. Hammond foi negado fiança, e o processo de seu caso está avançando muito lentamente.

O hacker de AntiSec conhecido como Neuron, recentemente se declarou culpado do ataque aos servidores da Sony em 2011. Ele está aguardando uma sentença. Há vários outros casos, incluindo LulzSec e outro grupo de hackers chamado CabinCrew, sobre os quais eu não sei nada.