COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Geopolítica

16 de Maio, 2019 - 11:35 ( Brasília )

China se opõe a medida dos EUA de colocar gigante Huawei em lista negra


A China criticou nesta quinta-feira a decisão do governo dos Estados Unidos de colocar a gigante de equipamentos de telecomunicações Huawei [HWT.UL] em uma lista negra e disse que adotará medidas para proteger suas empresas, em mais um teste para as relações entre as duas potências.

A China se opõe fortemente à imposição por outros países de sanções unilaterais a entidades chinesas, disse um porta-voz do Ministério do Comércio, destacando que os EUA devem evitar impactar ainda mais as relações comerciais entre os dois países.

A repressão à Huawei acontece no momento em que o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que visitará a China em breve para mais negociações comerciais. As expectativas de um acordo para acabar com a guerra comercial diminuíram depois que as duas maiores economias do mundo elevaram as tarifas sobre os produtos um do outro na última semana.

O Departamento do Comércio dos EUA informou na quarta-feira que estava adicionando a Huawei Technologies Co e 70 afiliadas à sua chamada “Lista de Entidades”, em um movimento que proíbe a empresa chinesa de adquirir componentes e tecnologia de companhias dos EUA sem aprovação prévia do governo dos EUA.

Separadamente, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou na quarta-feira um decreto impedindo empresas do país de usarem equipamentos de telecomunicações feitos por companhias consideradas como risco à segurança nacional.

“A China enfatizou muitas vezes que não se deve abusar do conceito de segurança nacional, e que ele não deve ser usado como ferramenta para protecionismo comercial”, disse Gao Feng, porta-voz do Ministério do Comércio chinês, a repórteres.

“A China adotará todas as medidas necessárias para proteger os direitos legítimos das empresas chinesas.”

China decreta prisão de 2 canadenses por roubo de segredos de Estado

Autoridades chinesas decretaram a prisão de dois canadenses que foram detidos provisoriamente por roubo de segredos de Estado no ano passado, informou o governo da China nesta quinta-feira, provocando o repúdio do Canadá em um caso que tem elevado a tensão entre Ottawa e Pequim.

O empresário Michael Spavor, que trabalhou com a Coreia do Norte, e o ex-diplomata Michael Kovrig foram detidos separadamente em dezembro, pouco depois de o Canadá prender a diretora financeira da Huawei Technologies, Meng Wanzhou, que enfrenta possível extradição aos Estados Unidos.A China exigiu várias vezes a libertação de Meng, e reagiu com raiva aos procedimentos de extradição iniciados contra ela em um tribunal canadense.

”De acordo com a aprovação de procuradores chineses, Michael Kovrig, devido a ser suspeito dos crimes de coleta de segredos de Estado e de inteligência para (forças) estrangeiras, e Michael Spavor, por ser suspeito dos crimes de roubar e fornecer ilegalmente segredos de Estado para (forças) estrangeiras, nos últimos dias foram aprovadas as prisões de acordo com a lei”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lu Kang, em um boletim diário à imprensa.

As medidas estão de acordo com a lei, disse Lu, e Pequim espera que o Canadá “não faça declarações irresponsáveis” sobre o cumprimento da lei e os procedimentos judiciais da China.

O governo do Canadá repudiou a decisão.”O Canadá rejeita fortemente sua prisão arbitrária, como rejeita sua detenção arbitrária em 10 de dezembro. Reiteramos nossa exigência para que a China liberte imediatamente o senhor Kovrig e o senhor Spavor”, disse a chancelaria canadense.Recentemente, diplomatas canadenses fizeram visitas consulares a ambos, acrescentou, sem fornecer maiores detalhes por motivos de privacidade.

”O Canadá continua a expressar sua gratidão àqueles que falaram a favor destes canadenses detidos e ao Estado de Direito. Estes incluem Austrália, a UE (União Europeia), França, Alemanha, Reino Unido, Estados Unidos, Holanda, Letônia, Lituânia, Estônia, Espanha, Dinamarca, a OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e o G7”.

Em março, a China acusou os dois de envolvimento no roubo de segredos de Estado. Pequim disse que está garantindo plenamente os direitos legais de ambos. Kovrig também tem cidadania húngara.



Outras coberturas especiais


Argentina

Argentina

Última atualização 19 MAI, 22:00

MAIS LIDAS

Cyberwar