COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Segurança

03 de Janeiro, 2019 - 10:20 ( Brasília )

Resposta a incidentes sob o olhar público ou uma análise sobre o que aconteceu na Tribune Publishing


Mark Nunnikhoven*

Ciberataques acontecem constantemente. Todos os dias organizações são atacantes online, quer elas percebam isso ou não. A maioria desses ataques são assuntos de passagem. O mero fato de que os sistemas estão ligados à internet os torna um alvo de oportunidade.

Na maior parte, esses ataques não são eventos. Softwares de segurança, bugs no código de ataque e aplicativos atualizados param a maioria dos ataques. Com mais de 20 bilhões de dispositivos conectados à Internet, é fácil para o ataque seguir em frente.

Mas a cada duas semanas há um ataque grande o suficiente para atrair manchetes. Você viu um fluxo constante deles nos últimos anos. 10 milhões de registros aqui, milhares de sistemas, e assim por diante.

Quando falamos sobre esses ataques, para a maioria das pessoas, é uma discussão abstrata. É difícil visualizar um conjunto abstrato de dados que vive on-line em algum lugar.

O ataque recente à rede Tribune Publishing é diferente. Este ataque teve um impacto real no mundo. Nos Estados Unidos, os jornais chegaram atrasados ??e perderam seções significativas de conteúdo.

Timeline

Quinta-feira, alguns sistemas na rede Tribune Publishing estavam inacessíveis. Esta não é uma experiência incomum para quem trabalha em uma grande organização.

A tecnologia trouxe muitas maravilhas, mas a confiabilidade não é tipicamente uma delas. Quando o sistema está inacessível, não é difícil pensar primeiro: “Ugh, isso não está funcionando. Chame-o". Os tickets de suporte costumam ser os primeiros ataques cibernéticos ... em retrospectiva.

Todos os sinais públicos no ataque Tribune Publishing apontam dessa maneira. Depois que o suporte percebeu a extensão do problema e envolveu malware, o evento - uma solicitação de suporte - se transformou em um incidente. Isso inicia um processo de resposta a incidentes (IR). É esse processo com o qual as equipes da Tribune Publishing estão lidando agora.

Whodunnit?

"Quem está por trás do ataque?" É a primeira pergunta na mente de todos. É da natureza humana - duplamente em uma organização de mídia - querer entender o “quem” e o “por que” em oposição ao “como”.

A realidade é que, para o processo de resposta a incidentes, essa é uma questão que desperdiça tempo. O objetivo do processo de resposta a incidentes é limitar os danos à organização e restaurar os sistemas o mais rápido possível.

Nesse contexto, a equipe de respostas só precisa classificar aproximadamente o atacante. É o atacante; Um cibercriminoso de baixo nível que tem sorte com um ataque automatizado e tem poucos recursos para continuar ou sustentar o ataque? Um cibercriminoso que pretende atacar uma classe específica de organização ou sistemas? Um criminoso cibernético que segmenta sua organização? Saber qual classe de cibercriminoso está por trás do ataque ajudará a ditar o esforço necessário em sua resposta.

Para um ataque simples, suas defesas automatizadas devem cuidar disso. Mesmo após uma infecção inicial, uma estratégia de defesa em profundidade isolará o ataque e fará a recuperação para frente.

Se o ataque fizer parte de uma campanha maior (por exemplo, WannaCry, NotPeyta, etc.), a resposta a incidentes é mais complexa, mas os mesmos princípios são verdadeiros.

A terceira classe de invasores - especificamente visando sua organização - é o que causa uma alteração no processo. Agora você está defendendo contra um adversário que está ativamente mudando sua abordagem. Isso requer uma mentalidade completamente diferente em comparação com outras respostas.

O processo

Os processos de resposta a incidentes geralmente seguem seis etapas;

·Preparar
·Identificar
·Conter
·Erradicar
·Recuperar
·Aprender ·

No papel, o processo parece simples. A preparação começa com as equipes reunindo informações de contato, ferramentas e escrevendo - ou melhor, automatizando - procedimentos. Uma vez que um incidente tenha começado, as equipes trabalham para identificar os sistemas afetados e o tipo de ataque. Eles então contêm o ataque para evitar que ele se espalhe.

Em seguida, trabalhe para erradicar qualquer vestígio do ataque. Quando o ataque termina, o trabalho muda para recuperar sistemas e dados para restaurar a funcionalidade.

Depois, uma revisão ordenada é conduzida e as lições são compartilhadas sobre o que funcionou e o que não funcionou. Fácil, certo? Qualquer respondente de incidentes que ler este post, pode levar um minuto aqui, tendo apreciado uma boa risada. A próxima seção leva todos de volta à dura realidade do IR.

Realidade

As seis fases da resposta a incidentes ficam ótimas no papel, mas quando você está prestes a implementá-las no mundo real, as coisas nunca funcionam tão bem. A maioria de uma resposta é gasta presa em um loop quase infinito. Identificando novas áreas de comprometimentos para tentar conter o ataque.

Esperançosamente, permitir que os respondentes erradiquem qualquer ponto de apoio para recuperar os sistemas afetados. É com isso que a maioria das organizações luta. O tempo gasto na preparação é muitas vezes insuficiente porque é tudo teórico. Combinado com o ritmo acelerado de mudança na rede, as equipes se esforçam para acompanhar um incidente ativo.

Com uma organização como a Tribune Publishing, as coisas são ainda mais difíceis. Por sua própria natureza, é um negócio 24 horas por dia, sete dias por semana, com uma grande variedade de usuários em todo o país. Isso significa que há muitos sistemas a serem considerados e cada hora de inatividade tem um impacto muito real e significativo na linha de fundo.

Conforme o incidente progride, a equipe de resposta tomará uma decisão crítica após uma decisão crítica. Desligando vários serviços internos para protegê-los.

Alterando estruturas de rede para isolar atividades maliciosas. E uma série de outros desafios surgirá durante o incidente. É difícil, difícil trabalho de condução. Feito duplamente com os olhos da gerência sênior, dos clientes e do público em geral.

Foco

Como líder de equipe de resposta a incidentes ou CISO, você precisa se concentrar no processo de RI e não na atribuição. É por isso que é preocupante ver a atribuição antecipada durante um incidente. No ataque Tribune Publishing, foi relatado publicamente que o ataque veio de fora dos Estados Unidos. Isso leva à especulação em torno da motivação.

É provável que essa declaração tenha sido baseada no malware encontrado e nas informações de endereço IP simples. No início do processo de RI, evidências como essa serão encontradas. É facilmente acessível, mas também altamente não confiável.

O malware é frequentemente vendido no subsolo digital e os endereços IP são facilmente falsificados ou proxied. A equipe de resposta sabe disso, mas a pressão do nível mais alto pode exigir alguma forma de resposta ... quer ajude ou não a resolver a situação.

A equipe deve manter o foco na resolução do incidente, não gastando tempo e energia valiosos sendo acompanhados. A atribuição tem o seu lugar. Definitivamente não está no meio da resposta a um incidente.

Prática

A única verdade difícil da resposta a incidentes é que nada pode substituir a experiência. Dado o fato - esperançosamente óbvio - de que você não quer realmente ser atacado, isso leva ao conceito de um dia de jogo ou uma simulação ativa. Popular em ambientes de nuvem - a AWS executa dias de jogos em seus eventos - esses exercícios proporcionam experiência prática.

Normalmente realizado para a equipe de operações, eles são de importância crítica para a equipe de segurança também. A segurança não funciona no vácuo, especialmente durante um incidente.

Trabalhar com outras equipes durante um incidente é fundamental. Praticar assim é uma obrigação. Esse tipo de trabalho é um grande esforço, mas que vale a pena quando uma organização é atacada.

Próximos passos

A Tribune Publishing foi atingida por um ciberataque com impacto no mundo real. Esse nível de visibilidade é um lembrete gritante de como essas situações podem ser desafiadoras. A fase mais crítica da resposta a incidentes é a primeira: preparação.

Como CISO ou membro sênior da equipe de segurança, você precisa preparar não apenas o plano de resposta a incidentes. Com um plano em mãos, você precisa ter outras equipes a bordo e deixar claro para a gerência sênior como esse processo funciona. Crítico para o sucesso é garantir que o gerenciamento saiba que a prioridade é a recuperação ... não a atribuição.

Combine isso com muita prática e, quando o próximo incidente acontecer, você colocará sua equipe em uma posição razoável para responder e se recuperar rapidamente.

*Mark Nunnikhoven é vice-presidente para Pesquisas em Cloud da Trend Micro


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 20 JAN, 12:00

MAIS LIDAS

Cyberwar