COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Tecnologia

16 de Janeiro, 2018 - 09:40 ( Brasília )

Ataques virtuais: as principais ameaças ao usuário

Com crescente número de fraudes, empresa mostra como é possível proteger dados confidenciais em ambientes online e off-line

Muito comuns em ambientes digitais, golpes e fraudes são hoje grandes preocupações para usuários do mundo todo. Quando ocorrem, informações pessoais como senhas, números de documentos e cartões podem ser expostas ou clonadas.

De acordo com dados do indicador Serasa Experian, de janeiro a setembro de 2017, o Brasil registrou 1,478 milhão de tentativas de fraude, ou seja, uma a cada 16 segundos.

O número, 10,7% maior em relação ao mesmo período de 2016, pode ser considerado um efeito colateral indireto da recuperação econômica do País, já que os golpes aumentam conforme crescem as transações, momento no qual os consumidores costumam conceder seus dados pessoais.

Quando são disponibilizadas online, estas informações ficam suscetíveis a golpes virtuais dos mais diferentes tipos. Para preveni-los, existem ferramentas de segurança da informação, baseadas em metodologias, normas, técnicas, estruturas organizacionais, tecnologias e outros elementos, que vão desde soluções mais simples como o uso de um antivírus a técnicas avançadas de criptografia.

A ESET, empresa de segurança da informação e líder em detecção proativa de ameaças, explica os golpes mais comuns aplicados no Brasil e como não ser vítima.

Malware: é um software destinado a se infiltrar em um computador de forma ilícita, com o intuito de causar algum dano ou roubar informações. De acordo com pesquisas divulgadas por especialistas no 4º Fórum ESET de Segurança Informática, um em cada cinco malwares no Brasil é bancário. Os ataques costumam acontecer no computador, com o programa malicioso se instalando a partir de um clique em um link que chega por e-mail, por exemplo.

Já vulnerável, o usuário então acessa os serviços online, como a página do banco, fornece suas informações pessoais e então tem suas credenciais roubadas. De posse dos dados, os atacantes conseguem fazer compras e transações financeiras se passando pelo titular da conta ou do cartão.

Para se proteger, é importante verificar se os arquivos recebidos não estão contaminados ou se os links acessados condizem com o site correto. Normalmente, as páginas das grandes empresas têm endereços simples e são facilmente localizadas nos buscadores. Uma boa dica para identificar sites fraudulentos é se atentar a erros gramaticais. Se mesmo assim o usuário ainda tiver dúvidas sobre a autenticidade do site, uma simples ligação para a instituição pode salvar suas informações sigilosas.

Ransomware: é uma variação de malware, que sequestra o computador da vítima e cobra um valor pelo resgate, geralmente usando moedas virtuais, o que torna quase impossível rastrear o criminoso. Este tipo de vírus age codificando os dados do sistema operacional de forma que o usuário não tenha mais acesso a eles. Exemplo mais recente, o Bad Rabbit, se espalhou para países da Europa em 2017 e causou transtornos em aeroportos e sistemas de infraestrutura. Ter o sistema operacional sempre atualizado e uma solução antivírus instalada são boas formas de se proteger desta ameaça.

Phishing: é uma forma de fraude eletrônica, caracterizada por tentativas de adquirir informações sigilosas. Geralmente os ataques são enviados em aplicativos de mensagens e disfarçados em forma de produtos grátis ou cupons promocionais que, para serem acessados, exigem o preenchimento de cadastro com dados como número do cartão de crédito, senhas e outros. Após o envio das informações, o usuário não recebe o que foi prometido inicialmente e pode ter informações roubadas.

Os recentes golpes do FGTS e do Burger King no aplicativo WhatsApp podem ser considerados phishing. Por isso, nunca clique em links para ofertas milagrosas ou boas demais para serem verdade, e sempre que receber mensagens de promoções em redes sociais, verifique sua veracidade antes de clicar, pois é possível que não sejam legítimas.

Segundo Camillo Di Jorge, country manager da ESET, cada tipo de ataque conta com sua particularidade, mas a maioria tem o mesmo objetivo: obter algum tipo de benefício, geralmente financeiro. “Independentemente de ser online ou off-line, a informação requer medidas de proteção adequadas, de acordo com a importância daqueles dados. Para informações mais sensíveis, mais camadas de proteção podem ser inseridas para dificultar a ação dos criminosos. Mesmo assim, o bom senso continua sendo a melhor forma de se proteger”.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Dossiê EMBRAER

Dossiê EMBRAER

Última atualização 20 ABR, 12:10

MAIS LIDAS

Cyberwar