COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Tecnologia

18 de Agosto, 2016 - 10:40 ( Brasília )

NSA é alvo de hackers


A Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA), que ganhou má reputação internacionalmente em 2013 após Edward Snowden revelar informações sobre suas técnicas de espionagem, se tornou ela própria alvo de uma violação de privacidade.

Hackers misteriosos autodenominados "Shadow brokers" vazaram na internet o que parece ser um código informático secreto da NSA.

Vários especialistas em segurança disseram aos meios americanos que o código parece ser autêntico, e Snowden disse que "provas circunstanciais" apontam para envolvimento russo.

Na quarta-feira, a NSA ainda não tinha respondido a vários pedidos para comentar a situação.

Os hackers publicaram na internet no fim de semana dois conjuntos de arquivos, um que é de acesso livre e outro que permanece criptografado.

Os "Shadow Brokers" disseram que vão revelar as informações do segundo grupo se conseguirem um milhão de bitcoins - moeda digital, neste caso o equivalente a aproximadamente 575 milhões de dólares - através de um leilão on-line.

De acordo com o jornal New York Times, boa parte do código foi criada para olhar através dos firewalls de computadores de potências estrangeiras como a Rússia, China e Irã.

Esse acesso permitiria à NSA plantar malwares (softwares prejudiciais) nos sistemas dos rivais e monitorar - ou mesmo atacar - suas redes.

Quem obteve o código teve que entrar nos servidores da NSA que armazenam os arquivos, disse o Times.

Snowden, ex-analista da NSA, que está vivendo na Rússia desde que vazou documentos que revelaram o alcance da vigilância de dados privados que a agência fazia, disse que a invasão recente poderia ser uma advertência para os Estados Unidos depois de que a campanha da candidata democrata à presidência, Hillary Clinton, acusou Moscou de hackear os emails do Comitê Nacional do Partido Democrata.

Criador de antivírus McAfee alerta China sobre vulnerabilidade a hackers

O criador do antivírus McAfee advertiu, nesta terça-feira, a China, a maior fabricante mundial de dispositivos conectados à internet, sobre os riscos das gigantescas falhas de segurança que podem ser aproveitada por hackers.

Em uma conferência organizada em Pequim, John McAfee citou exemplos de hackers que conseguiram controlar sistemas de calefação, cofres e sistemas de computador de carros e de aviões.

"A China lidera o avanço dos aparelhos inteligentes, de geladeiras a termostatos, e esse é o nosso elo mais fraco em cibersegurança", indicou.

O informático disse que espera poder transmitir a mensagem de que a segurança destes dispositivos é ainda mais importante que a dos computadores ou dos telefones.

"Devido ao fato de existirem muitos destes dispositivos, quanto mais eles se conectarem, maior é o risco de serem hackeados", disse o especialista.

McAfee, de 70 anos, o criador de um software antivírus que leva seu nome e que é hoje propriedade da Intel, acumulou uma fortuna estimada em 100 milhões de dólares durante a década de 1990.

Após perder boa parte do seu dinheiro na crise financeira, partiu em busca de novas aventuras e viajou a Belize.

Lá, foi preso por um curto período depois de que a polícia o procurou para interrogá-lo sobre o assassinato do seu vizinho e o encontrou vivendo com uma adolescente de 17 anos e com um arsenal de ao menos dez armas de fogo em casa.

Seu discurso de tom catastrófico em Pequim chega em um momento em que sua nova empresa, MGT Capital, prepara o lançamento de produtos de segurança cibernética ainda este ano.

"Nossa espécie nunca tinha enfrentado uma ameaça dessa magnitude, e em geral não nos damos conta disso", advertiu.

"Vocês podem pensar que eu estou exagerando, que sou um alarmista. Mas sou amigo de muitos dos hackers que têm capacidade de causar enormes danos se quiserem", acrescentou.