COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar

12 de Janeiro, 2015 - 18:00 ( Brasília )

Hackers ligados ao Estado Islâmico invadem redes sociais do US Central Command

Os invasores supostamente agiram em nome do ISIS e postaram ameaças diversas nas mídias sociais do comando das Forças Armadas americanas.

Por Hunter Walker – Texto do Business Insider
Tradução, adaptação e edição – Nicholle Murmel


Um grupo auto intitulado “CyberCaliphate” assumiu nesta segunda feira (12JAN15) o controle das contas oficiais no Twitter e no YouTube US Central Command (CENTCOM). Em seguida postaram mensagens de apoio ao grupo jihadista Estado Islâmico (ISIS).

 “Não podemos confirmar se as contas de Twitter e YouTube do CENTCOM foram corrompidas nesta segunda-feira”, a organização declarou em comunicado oficial após recuperar o controle das páginas. “Estamos tomando as medidas necessárias para lidar com a questão. Não temos mais informações neste momento”.

A invasão aconteceu ao mesmo tempo em que o presidente Barack Obama dava seu discurso sobre segurança cibernética na sede da Federal Trade Commission em Washington.

Em reunião com a imprensa após o hackeamento, o Secretário de Imprensa da Casa Branca, Josh Earnest, apontou que há “diferença entre a invasão ampla de um banco de dados e hackear uma conta de Twitter”. Ele declarou ainda que a Casa Branca estava investigando o incidente.

No Twitter, o grupo postou mensagens afrimando que “as redes do Pentágono foram hackeadas” e indicando que haviam invadido “redes e dispositivos pessoais” de organizações militares. Nas mensagens, o CyberCaliphate dizia estar “sob amparo do ISIS” Os jihadistas também incluíram links para o que descreviam ser arquivos militares vazados. Em seguida postaram imagens capturadas de telas (screenshots) do que seriam “cenários envolvendo a China”.

Além das mensagens, algumas com ameaças a soldados americanos, os hackers trocaram o avatar e a imagem de capa da página do CENTCOM pela foto de um jihadista mascarado e os dizeres “i love you isis” (eu amo você isis). Segundo Nancy Youssef, do portal Daily Beast, os funcionários do Pentágono estavam“paralizados” enquanto assistiam às mensagens sendo publicadas.

Em menos de 40 minutos, o conteúdo foi deletado. Até a publicação desta matéria, as contas de Twitter e YouTube do CENTCOM estavam suspensas.

Na semana passada, um hacker também usando o nome de CyberCaliphate invadiu o Twitter do jornal americano Albuquerque Journal.

Os ataques às mídias sociais do CENTCOM acontecem ao mesmo tempo em que os Estados Unidos e seus aliados continuam a campanha de ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

UPDATE 20:42 - US Central Command divulga comunicado oficial sobre a invasão das contas de Twitter e YouTube. Confira:

No começo desta segunda-feira, as páginas do US Central Command no Twitter e YouTube foram corrompidas por cerca de 30 minutos. Esses sites residem e servidores não pertencentes ao Departamento de Defesa, e ambas as páginas foram temporariamente retiradas do ar enquanto investigamos o incidente a fundo. As redes militares do CENTCOM não foram invadidas e não houve impacto operacional em nosso comando central. O CENTCOM irá restabelecer suas páginas no Twitter e no YouTube o mais rápido possível. Enxergamos esse episódio puramente como um caso de vandalismo cibernético.

Nesse meio tempo, nosso levantamento inicial é de que nenhuma informação confidencial foi divulgada e que nada do que foi postado durante o ataque partiu das mídias sociais ou servidores do CENTCOM. Além disso, notificamos as autoridades do DoD e da polícia sobre a possível divulgação de dados que permitam identificação de indivíduos, e essas organizações tomarão as providências para que pessoas possivelmente afetadas sejam informadas o quanto antes.


Nota DefesaNet: O comunicado foi publicado originalmente na página oficial do US Central Command na Internet. Você confere  o texto original aqui.



Outras coberturas especiais


Guarani

Guarani

Última atualização 17 AGO, 11:50

MAIS LIDAS

Cyberwar