COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Segurança

23 de Junho, 2011 - 11:34 ( Brasília )

Conheça o LulzSec, o grupo hacker que desafiou o governo dos EUA

Grupo teria se desmembrado do 'Anonymous'. LulzSec agora tem 'representação' no Brasil.

Altieres Rohr

O “LulzSec” tem atraído algumas manchetes pelos seus ataques a organizações importantes como o senado norte-americano, a CIA (que teve apenas seu site derrubado) e a InfraGard, ligada ao FBI. Mas não para por aí. O grupo distribuiu na internet 62 mil senhas de procedência desconhecida, invadiu rede das produtoras de games Bethesda e Nintendo, atacou também a Sony e até empresas de mídia como a Fox e a PBS.

O LulzSec faz de tudo uma brincadeira. No site oficial, toca o tema da série de TV americana “The Love Boat” (“O Barco do Amor”); por conta disso, o grupo às vezes é chamado de “The Lulz Boat” ou “O Barco do Lulz”. Lulz, por sua vez, é uma gíria que vem de outra gíria usada na internet, o “lol”, sigla em inglês para “rindo muito alto” (“laughing out loud”). Em outras palavras, o nome “Lulz Boat” poderia ser “traduzido” – com muita liberdade – para “O Barco das Risadas” e o LulzSec, “Rindo da Segurança”.

Ainda na página principal, há uma referência à música “Friday”, de Rebbeca Black – hit da internet com mais de 160 milhões de acessos e que foi recentemente removido do YouTube devido a uma disputa judicial. O grupo quer colocar a “diversão” na pauta da segurança digital.

Em outra página, o grupo comenta boa parte das suas ações, revelando dados internos das empresas e organizações já citadas – inclusive uma lista de usuários da InfraGard. O LulzSec desafiou o governo americano, que havia declarado a possibilidade de ataques cibernéticos serem vistos como atos de guerra.

Origem
O que se sabe do LulzSec é o que chega dos inimigos do grupo. Alguns indivíduos que se consideram “ninjas de internet” criaram o blog LulzSec Exposed neste sábado (18) para publicar informações de membros do grupo. Segundo eles, os principais membros do LulzSec seriam Sabu (fundador), Topiary, Kayla, Nakomis, Tflow, Joepie91, Avunit e BarrettBrown.

Membros do LulzSec estariam envolvidos em ataques a um hacker conhecido como Jester, que atuava contra o Wikileaks. Na época, um impostor criou uma conta em nome de Jester. Nekomis e Topiary seriam os envolvidos nesse episódio.

O LulzSec teria se desprendido do Anonymous após a invasão à empresa de segurança HBGary Federal. O objetivo, segundo o blog LulzSec Exposed, seria conseguir ficar com o crédito pelos ataques, sem enfurecer outras pessoas que estariam ligadas ao “Anonymous” devido aos ataques sem motivo político aparente – como as outras ações do Anonymous tinham sido.

O LulzSec Exposed ainda afirma que “a garota de 16 anos” supostamente envolvida no ataque à HBGary é um homem que se identifica na internet há anos como uma menina de 16 anos. Esse indivíduo usa o nick de “Kayla” e seria canadense.

O blog ainda compartilhou vários “dox” de supostos membros. “Dox”, no jargão usado por esses grupos do “submundo” da internet, significa “documentos” ou “informações pessoais”. Alguns dos dox acompanham mesmo as fotos dos integrantes Sabu, Topiary, joepie91 e Nekomis. O LulzSec tem negado as informações do blog, mas Sabu e Topiary já foram mencionados na conta oficial do Twitter do LulzSec.

O blog agradece muitas pessoas que teriam cedido informações, entre elas o próprio Jester, alvo do episódio que teria ocorrido com dois membros do LulzSec.

Diferentemente do Anonymous, o LulzSec é um grupo fechado de indivíduos, com funções delimitadas. Um grupo de mesmo nome foi aberto no Brasil, após contatos com membros do grupo principal. Entre os alvos do grupo estaria sites do governo. O grupo queria 1 mil seguidores até este domingo (19) para realizar um ataque, no entanto, a meta não foi atingida.

Dinheiro e fama
Acusações e informações postadas pelo LulzSec Exposed apontam que dinheiro e fama são motivadores do LulzSec. A busca por fama pode ser vista nos ataques a sites conhecidos, na forma que o LulzSec comemorava o número de seguidores no Twitter e nos “desafios” que o grupo faz, como “se conseguirmos 1500 pessoas no canal de bate papo, vamos realizar um ataque”.

O grupo aceita doações por Bitcoin, uma moeda virtual que funciona sem uma entidade central de gerenciamento. O grupo chegou a ter 400 BTCs, o equivalente a US$ 7 mil, em sua conta principal do Bitcoin – não se sabe quanto dinheiro possa ter ido para contas “alternativas”. Eventualmente, esse dinheiro foi usado, e parou numa das contas mais “ricas” do Bitcoin – um sinal de que pode ser um dono de uma rede zumbi ou outro prestador de serviços que o grupo tenha “contratado”. O próprio fato de o grupo ter decidido criar seu próprio rótulo para ficar com o crédito de ataques é um sinal da busca por fama.

O blog LulzSec Exposed afirmou que estaria compartilhando informações com o FBI, e quer ver o grupo “atrás das grades”. No entanto, é difícil saber até que ponto as informações publicadas são verdadeiras – já que o submundo da internet usa desinformação até mesmo para tirar crédito da própria desinformação. Em outras palavras, o importante é ter a sua mentira publicada, mesmo que ela seja apenas uma variação de outra mentira. Quem consegue emplacar a informação falsa é que merece os “lulz”.

*Altieres Rohr é especialista em segurança de computadores



Outras coberturas especiais


Pacífico

Pacífico

Última atualização 16 AGO, 11:35

MAIS LIDAS

Cyberwar