COBERTURA ESPECIAL - Cyberwar - Tecnologia

24 de Dezembro, 2013 - 15:42 ( Brasília )

Alan Turing Recebe Perdão Real

O pai da computação moderna e que liderou o épico trabalho de quebrar os códigos alemães das máquinas ENIGMA na Segunda Guerra Mundial, no Bletchley Park, foi perdoado pela Rainha Elizabeth II.




Brilhante matemático e professor de lógica, líder de uma equipe devotada de decifradores de código que trabalhou em Bletchley Park na Segunda Guerra Mundial, Turing, que é considerado o pai da inteligência artificial, desenvolveu um modelo universal de computador. A equipe de Turing ajudou a decifrar os códigos alemães transmitidos pela máquina Enigma, e não seria exagero dizer que sem o trabalho dessas pessoas o Reino Unido talvez não tivesse derrotado os nazistas.

Mas o heroísmo desse trabalho não só permaneceu em segredo durante a guerra como, pouco depois de seu final, Turing se viu submetido a tratamento repugnante pelo país que ajudara a salvar.

Ele foi processado e condenado em 1952 por atos homossexuais consensuais, sob a seção 11 da Lei de Emenda Criminal de 1885, que tornava crime os atos de "indecência grave" entre dois homens --a mesma lei sob a qual Oscar Wilde foi processado, no final do século 19. Essa é uma mácula persistente em nossa sociedade, e é preciso que nós, britânicos, façamos alguma coisa a respeito --se não no Parlamento, então por ação dos tribunais.

A fim de evitar uma sentença de prisão, o matemático teve de aceitar uma castração química, sob a qual recebia injeções de hormônios femininos sintéticos, que resultaram em impotência e ginecomastia. Menos de dois anos depois que ele iniciou o horrendo tratamento com hormônios, Turing cometeu suicídio, aos 41 anos, comendo uma maçã na qual havia injetado cianeto.

Em 2009, uma petição eletrônica que exigia que o governo britânico se desculpasse pelo acontecido obteve milhares de assinaturas. Gordon Brown, então primeiro-ministro, declarou que "lastimava profundamente... a maneira pela qual ele foi tratado".

Mas a condenação não foi revertida. Uma segunda petição eletrônica apelava pelo perdão póstumo a Turing, e obteve dezenas de milhares de assinaturas. Mas em fevereiro, lorde McNally, ministro assistente da Justiça, recusou o perdão ao matemático porque "ele foi condenado corretamente pelo que, na época, constituía delito criminal", e uma petição apresentada na Câmara dos Lordes por lorde Sharkey, solicitando um pedido oficial de desculpas, não foi aprovada.

O que poderia fazer diferença, agora, seria uma mudança na posição legal. Perdões póstumos foram concedidos em diversos casos: em 1998, Derek Bentley recebeu o perdão; os soldados traumatizados que foram acusados de deserção na Primeira Guerra Mundial foram perdoados em massa em 2006; e em 2012, a república da Irlanda perdoou desertores da era da Segunda Guerra Mundial.

Mas os perdões são conferidos ou negados no exercício daquilo que é visto como forma mais clara do privilégio executivo --a chamada "prerrogativa real"--, e os tribunais tradicionalmente relutam em interferir quanto a essas decisões. Mesmo assim, esse privilégio executivo sempre foi exercido de maneira racional, levando em conta os fatores relevantes, entre os quais a forma pela qual casos materialmente parecidos foram tratados.

Se Turing ainda estivesse vivo, as petições teriam sido recebidas de maneira muito diferente. Sob a Lei de Proteção de Liberdades de 2012, uma pessoa condenada pelas leis de repressão à homossexualidade (que incluem a seção 11 da lei de 1885) pode solicitar ao governo que essa condenação seja "desconsiderada", desde que a conduta em questão não seja definida, hoje, como delito criminal.

Turing afirmou que "não podemos ver a grande distância no futuro, mas podemos ver claramente o que precisa ser feito".

O Perdão Real

Ao completar 61 anos de sua morte aos  41 anos, Alan Turing foi oficialmente perdoado pela RainhaElizabeth II  no pouco conhecido Royal Prerogative of Mercy.

O perdão é dado após a campanha liderada pelo cientista Stephen Hawking, e uma petição com mais de 37.000 assinaturas.

Ao anunciar o perdão o Secretário de Justiça Chris Grayling disse que Turing merecia ser lembrado e reconhecido pelo sua fantástica contribuição ao esforço de guerra.

O perdão dentro da prerrogativa “Royal Prerogative of Mercy” entrará em efeito no dia 24 de Dezembro de 2013.



Outras coberturas especiais


Presidência da República

Presidência da República

Última atualização 31 MAR, 01:00

MAIS LIDAS

Cyberwar