COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

25 de Junho, 2019 - 11:45 ( Brasília )

Defesa antiaérea do Irã deve ser levada a sério em caso de guerra


A destruição na semana passada de um drone americano por um míssil iraniano demonstra os progressos de Teerã em termos de defesa aérea, algo que deve ser levado seriamente em consideração em caso de guerra aberta, opinam analistas.

O Global Hawk, drone de observação da Marinha americana, voava a uma altura muito elevada - pode chegar a a 60.000 pés, 18.000 metros -, mas foi derrubado por um míssil terra-ar da Força Aeroespacial da Guarda Revolucionária, o poderoso exército ideológico do regime iraniano.

"Ilustra as capacidades do Irã na área e sua vontade de enviar uma mensagem aos Estados Unidos", explica Becca Wasser, analista da Rand Corp. "Demonstra que (os iranianos) compraram ou desenvolveram capacidades antiaéreas, e que sabem utilizá-las", acrescenta a analista à AFP.

"O Irã afirma ter utilizado um sistema do tipo SAM produzido localmente. Se isto é verdade, seria algo significativo, pois poderia fornecê-lo a grupos aliados na região", destaca. De acordo com a edição 2019 do Military Balance, do International Institute for Strategic Studies (IISS), o Irã possui 32 baterias dos temidos mísseis terra-ar SAM-300, entregues por Moscou a partir de 2016.

Além disso, o país desenvolveu versões iranianas das armas, em especial os Bavar 373, SAM Tabas e SAM Raad, habitualmente exibidos em Teerã durante os desfiles militares.

A Guarda Revolucionária anunciou que o drone americano foi abatido com um míssil 3-Khordad, uma variação do SAM Raad. "O inimigo enviou seu avião de reconhecimento e de vigilância mais avançado à zona proibida. O mundo viu como o drone foi abatido", afirmou na segunda-feira o contra-almirante Hossein Khanzadi, comandante da Marinha iraniana.

"Eu falo com total confiança: a resposta demolidora pode se repetir, o inimigo sabe".


Avião-espião

"Se a aviação americana quiser entrar em massa no Irã, pode sair despedaçada, pois os iranianos estarão esperando", afirmou à AFP um ex-diretor do serviço francês de inteligência que pediu anonimato.

Dan Gettinger, codiretor do centro de estudos de drones no Bard College de Nova York, explica, no entanto, que o "Global Hawk é muito grande" (40 metros de envergadura como o Boeing 737) e voa lentamente.

"A uma grande altura, como vimos, não é necessariamente um problema para certos sistemas de defesa". "Sua destruição certamente será levada em consideração para as futuras operações na região", completa. "Isto recorda o avião-espião americano U2 derrubado sobre a a União Soviética em 1960, mas então com o piloto Gary Powers a bordo", disse. Powers foi capturado e depois trocado por Moscou por um espião soviético detido nos Estados Unidos.

"O incidente do U2 está em grande medida na origem do desenvolvimento do programa de drones americanos", afirma Gettinger. A partir da derrubada do drone, porém, não se deve deduzir que o Irã é capaz de erguer um muro intransponível ao redor de suas fronteiras ante o maior exército do mundo, o dos Estados Unidos, cuja superioridade é esmagadora, destacam os analistas.

No fim de 2015, pouco depois da venda por Moscou a Teerã do sistema SAM-300, que Israel tentou impedir em vão por vias diplomáticas, o general Amir Eshel, comandante da Aeronáutica israelense, afirmou que isto representava um "problema significativo mas superável". Douglas Barrie, especialista do setor aeroespacial do IISS, afirma à AFP que "desde então o Irã mostrou que pode derrubar um grande drone". "Mas isto não demonstra uma capacidade para preservar suas defesas antiaéreas ante um grande ataque, que inclua bombardeios de mísseis e contramedidas para neutralizar dispositivos antiaéreos".

Irã acusa EUA de "mentir" quando afirma que deseja negociar

O presidente do Irã, Hassan Rohani, acusou o governo dos Estados Unidos de mentir por afirmar que deseja negociar com Teerã, após o anúncio de sanções americanas contra o chefe da diplomacia iraniana, Mohamad Javad Zarif.

Rohani também questionou a utilidade das sanções financeiras anunciadas na segunda-feira contra o guia supremo iraniano, o aiatolá Ali Khamenei, um homem que, segundo ele, possui apenas uma "hussainiya (local de culto xiita) e uma casa modesta".

"Ao mesmo tempo que pedem negociações, eles tentam punir o ministro das Relações Exteriores. É evidente que mentem", declarou Rohani durante uma conferência médica em Teerã. "Poderiam pelo menos ter esperado um pouco para que o mundo analisasse se dizem a verdade ou mentem", ironizou o presidente do Irã.

Quase ao mesmo tempo, o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, criticou em Jerusalém o que chamou de silêncio "ensurdecedor" do Irã, ao mesmo tempo que disse que a porta segue aberta para "verdadeiras negociações".

"Tudo o que o Irã tem que fazer é entra por esta por aberta", declarou Bolton, ao lado do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

"No momento em que falamos, os representantes da diplomacia americana seguem para o Oriente Médio em busca de um caminho para a paz. Como resposta, o Irã mantém um silêncio ensurdecedor", disse Bolton, aparentemente sem ter conhecimento das declarações de Rohani.

Mais cedo, o governo do Irã afirmou que as medidas americanas fecham de "maneira permanente" a via diplomática entre Washington e Teerã.

"Impor sanções estéreis contra o guia supremo do Irã e o chefe da diplomacia iraniana (Mohamad Javad Zarif) é fechar de maneira permanente a via da diplomacia com o desesperado governo Trump", escreveu no Twitter o porta-voz do ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Musavi.

"O governo (Trump) está destruindo todos os mecanismos internacionais existentes destinados a garantir a paz e a segurança mundial", completou. Teerã e Washington romperam relações diplomáticas em 1980.

Também nesta terça-feira, o governo da China pediu "sangue frio e moderação" a Estados Unidos e Irã. "Pensamos que seguir aplicando uma pressão máxima não ajuda a resolver o problema", afirmou Geng Shuang, porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


OTAN

OTAN

Última atualização 06 DEZ, 12:30

MAIS LIDAS

Crise