COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

06 de Março, 2018 - 11:20 ( Brasília )

ONU enviará novo comboio de ajuda humanitária a Ghouta nesta semana após bombardeios


A Organização das Nações Unidas (ONU) disse estar planejando enviar outro comboio de ajuda humanitária à sitiada região síria de Ghouta Oriental na quinta-feira, depois que 14 de 46 veículos não conseguiram descarregar totalmente os suprimentos devido a bombardeios na cidade de Douma.

“Após quase nove horas, a decisão de sair foi tomada por razões de segurança e para evitar comprometer a segurança dos times humanitários no local”, disse Jens Laerke, do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU, em coletiva de imprensa nesta terça-feira.

Viver debaixo da terra se tornou regra no enclave controlado por rebeldes habitado por cerca de 400 mil pessoas, com algumas famílias vivendo em porões pelo último mês, alguns abrigando até 200 pessoas, disse Christophe Boulierac, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Ao menos mil crianças foram mortas na Síria somente este ano, disse.

Rússia oferece passagem segura para rebeldes deixarem região síria de Ghouta

As Forças Armadas russas ofereceram a rebeldes sírios uma passagem segura para deixar a região de Ghouta Oriental, delineando um acordo sob o qual a oposição entregaria seu último grande reduto perto de Damasco ao presidente da Síria, Bashar al-Assad.

O Ministério de Defesa da Rússia disse que os rebeldes podem deixar a região —onde forças do governo apoiadas por Moscou estão avançando rapidamente através de ataques violentos— com suas famílias e armas pessoais por meio de um corredor seguro.

A proposta russa não especificou para onde os rebeldes iriam, mas os termos se assemelham a acordos anteriores, sob os quais os insurgentes cederam terreno a Assad e receberam passagem segura para outros territórios controlados pela oposição perto da fronteira com a Turquia.

“O Centro de Reconciliação Russo garante a imunidade de todos os combatentes rebeldes que tomarem a decisão de deixar Ghouta Oriental com armas pessoais e junto com suas famílias”, disse o Ministério da Defesa, em comunicado.

Entenda o conflito em Ghouta Oriental¹


Nas palavras do secretário-geral das Nações Unidas, Ghouta Oriental é o inferno na terra. Esta região agrícola e fornecedora de alimentos no subúrbio de Damasco é o último grande bastião dos rebeldes sírios e, desde 17 de fevereiro, alvo de uma ofensiva das forças pró-regime sírio, que tentam reconquistá-la. Elas cercam toda a região de Ghouta Oriental, fazendo com que, na prática, ela seja um enclave rebelde.

Antes da guerra, a região de Ghouta abrigava em torno de 2 milhões de pessoas. Hoje permanecem por lá cerca de 400 mil, a metade delas crianças, segundo estimativas. Elas estão sitiadas pelo governo sírio desde 2013. Ghouta Oriental foi uma das primeiras áreas a se rebelar contra o presidente Bashar al-Assad, já em 2011.

Ghouta Oriental também foi alvo de um ataque com gás sarin em 2013, que matou quase 1.500 pessoas e que é atribuído às forças que apoiam o regime de Assad. A reação internacional ao ataque forçou o regime a concordar com a eliminação de seu arsenal de armas químicas, ainda que haja indícios de que nem todas tenham sido destruídas.

Há várias cidades e vilarejos na região de Ghouta Oriental, cuja maior cidade é Douma, no norte do enclave. É nela que estão baseados os três principais grupos rebeldes na região, que lutam contra o governo de Assad e, em parte, também entre si.

O maior deles é o Jaysh al-Islam, ou Exército do Islã. Ele defende um governo baseado na sharia e teria recebido recursos da Arábia Saudita. Os outros dois grupos são o Faylaq al-Rahman, que é tido como moderado e ligado ao Exército Livre da Síria, e o Ahrar al-Sham, um grupo salafista e jihadista. Ambos são apoiados pela Turquia. Eles controlam territórios mais próximos de Damasco, que atacam com mísseis, matando também civis.

Cessar-fogo fracassado

Os três grupos se mostraram dispostos a respeitar o – nesse meio tempo – fracassado cessar-fogo pedido pelas Nações Unidas e a expulsar de Ghouta Oriental os combatentes da antiga Frente al-Nusra, que hoje atende pelo nome de Hayat Tahrir al-Sham e é ligada à rede terrorista Al Qaeda.

O anúncio foi uma referência à concessão feita à Rússia, de que o cessar-fogo não valeria para grupos terroristas, como a Frente al-Nusra. A Rússia e o governo de Assad, porém, classificam todos os principais grupos atuantes em Ghouta Oriental de terroristas.

O anúncio de um cessar-fogo unilateral pela Rússia em Ghouta Oriental, logo após o – ou até mesmo concomitantemente ao – fracasso da resolução do Conselho de Segurança pedindo uma trégua de 30 dias nos combates evidenciou tanto a primazia de Moscou como a impotência das Nações Unidas e do Ocidente nas questões relacionadas à Síria.

No sábado, o Conselho de Segurança aprovou por unanimidade a resolução pedindo o cessar-fogo na Síria. Sucessivamente retardada pela Rússia, a resolução só saiu depois de diversas concessões feitas para impedir o veto de Moscou, que é membro permanente do órgão mais poderoso da ONU.

Diplomatas ocidentais viram no atraso causado pela Rússia uma manobra para dar tempo ao regime de Assad, que tenta recuperar Ghouta Oriental das mãos dos rebeldes.

Nesta segunda-feira, depois de os combates continuarem em Ghouta Oriental, a Rússia praticamente transformou o documento da ONU em letra morta ao anunciar o seu próprio cessar-fogo, em seus próprios termos: cinco horas por dia de trégua para retirada de civis, começando nesta terça-feira.

Segundo Moscou, a população será informada com panfletos jogados de avião, mensagens de texto e vídeos e ônibus e ambulâncias estarão esperando num local pré-determinado para a retirada de doentes e feridos. Mas também o cessar-fogo da Rússia não conseguiu conter a violência.

¹com Deutsche Welle