COBERTURA ESPECIAL - Crise - Naval

16 de Junho, 2016 - 09:00 ( Brasília )

Corte de recursos enfraquece defesa brasileira, diz comandante da Marinha


Flávia Villela


O corte de cerca de 30% no orçamento deste ano da Marinha prejudicou projetos estratégicos para a área da defesa, afirmou hoje (14) o comandante da força, almirante de esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, durante café da manhã com jornalistas no navio-veleiro Cisne Branco, no Rio de Janeiro.

“Hoje a Marinha não tem o mesmo grau de prontidão que deveria ou precisaria ter. No momento, estamos vulneráveis”, disse Ferreira. Segundo o almirante, as ameaças ao Brasil são muito difusas, mas existem e podem aparecer. "Há dois anos, ninguém falava em Estado Islâmico. As surpresas surgem a cada ano, e a preparação de uma defesa demora uma geração para ser feita. Podemos ter uma crise a qualquer momento e a fronteira brasileira mais vulnerável é a marítima”, destacou Ferreira.

Ele lembrou que 10% do que se transporta no mundo pelo mar saiu ou chega aos portos brasileiros.“Nossos navios estão envelhecidos, são de manutenção cara – essa é nossa preocupação para ameaças de maior nível. Temos muitas carências neste momento.”

Além da falta de verba para renovar a esquadra, já antiga, o almirante citou o corte de recursos para 2016, estimados em cerca de R$ 4 bilhões, o que obrigou a Marinha a adiar vários projetos. Um deles é o Programa de Construção de Submarinos da Marinha do Brasil (Prosub). O submarino de propulsão nuclear, cuja conclusão estava prevista para 2023, deve começar a funcionar em 2027. “O orçamento do Programa Nuclear, que chegou a R$ 400 milhões, teve que ser cortado e caiu a R$ 200 milhões, e já tínhamos vários compromissos assumidos que tivemos que saldar. Não foi uma transição fácil. Tivemos que readequar programas, renegociar contratos e atrasar muita coisa.”

A crise também provocou a suspensão do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron) por tempo indeterminado. O almirante também citou as aeronaves, quase todas antigas e muito usadas. “A cada vez, o número de aeronaves com que podemos contar diminui, e algumas têm que ser mudadas no curto prazo. Temos que enfrentar esse problema e arranjar os recursos necessários.”

O comandante da Marinha adiantou que está sendo estudada possibilidades de permuta de imóveis, sobretudo nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste para aliviar o problema orçamentário.

Lava Jato e projetos da Marinha

“A Lava Jato ainda não chegou à Marinha”, afirmou o almirante, ao comentar as investigações do contrato da Odebrecht para construção do submarino nuclear. O Prosub é desenvolvido pela Marinha em parceria com a empresa francesa DCNS e pela Odebrecht, cujo presidente está preso por suspeita de crimes de corrupção investigados na Operação Lava Jato.

De acordo com o almirante, o Prosub está sendo auditado de forma rigorosa desde o início da assinatura do contrato. Ele disse esperar que não haja problema nenhum. "Temos vários órgãos auditando os vários setores. Até agora, nenhuma irregularidade chegou a mim. O contrato está sendo executado”, afirmou Ferreira, ressaltando que a Odebrecht está cumprindo os prazos e que a questão orçamentária foi o principal fator para o atraso das obras.

Ferreira disse que outra parceria entre a Marinha e a Odebrecht prejudicada pelas investigações da Lava Jato foi a da empresa Próton, que sequer saiu do papel. O contrato foi firmado em 2014 entre a Odebrecht Defesa e Tecnologia (ODT) e a estatal Amazônia Azul Tecnologias de Defesa, criada em 2013, para apoiar o desenvolvimento do submarino nuclear. Após o envolvimento da Odebrecht nas investigações de corrupção, o projeto foi suspenso.

O almirante ressaltou, no entanto, a necessidade de criação de uma empresa nesses moldes para garantir a autonomia tecnológica do Brasil na área nuclear. “O desenvolvimento tecnológico envolve a criação de firmas de alta tecnologia. Se queremos ter tecnologia de ponta, precisamos criar empresas desse tipo.”

Olimpíada e crise

O almirante garantiu que os cortes não vão afetar atuação da Marinha durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Rio de Janeiro, que serão disputados em agosto e setembro. “Em termos militares, a operação é muito simples. É uma área restrita. O nível de ameaça é considerado relativamente baixo. Estamos prontos para a Olimpíada.”

A Marinha atuará na área de Copacabana, que engloba a zona sul da capital fluminense, com a força de contingência, e na área marítima.



Outras coberturas especiais


Pacífico

Pacífico

Última atualização 23 AGO, 10:25

MAIS LIDAS

Crise

3