COBERTURA ESPECIAL - Crise - Inteligência

11 de Junho, 2016 - 11:20 ( Brasília )

Lula - Ataca o Congresso e chama Deputados de "picaretas"




Cartia Seabra
Carolina Linhares
Paula Reverbel
Reynaldo Turollo Jr.


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reassumiu o discurso de oposição em ato contra o governo do presidente interino, Michel Temer (PMDB), e reeditou o ataque ao Congresso feito há 22 anos chamando os deputados de picaretas.

"É só olhar para a cara deles para saber que os 300 picaretas que eu falei em 1994 aumentaram um pouco", disse, em discurso na avenida Paulista na noite desta sexta-feira (10).

O protesto, segundo os organizadores, reuniu cerca 100 mil pessoas, mas havia grandes espaços vazios na avenida. A PM não divulgou estimativa de público.

Numa fala em que voltou a admitir uma candidatura à Presidência em 2018, Lula criticou a montagem do ministério de Temer. O petista afirmou que, com José Serra (PSDB) à frente do Ministério das Relações Exteriores, o país voltou a sofrer do "complexo de vira-lata".

"Se a solução deste país fosse diminuir ministério, era melhor tirar o da Fazenda, do Planejamento, e deixar o dos pobres", completou, ao criticar a extinção da pasta de Direitos Humanos.

Segundo o petista, os "coxinhas" que pediam a saída de Dilma Rousseff hoje têm vergonha de dizer que querem Temer. Seu discurso focou mais em criticar o presidente interino do que em defender a presidente afastada.

Nos últimos dias, Dilma havia dito que viria ao protesto, por pressão da organização, mas avaliou que não era apropriado porque não queria se associar a discursos mais radicais.

Lula afirmou que não poderia reivindicar o "Fora, Temer", mote do protesto, porque "não ficaria bem". E emendou: "Temer, você é um advogado constitucionalista, você sabe que não agiu correto. Por favor, permita que o povo retome o poder para Dilma e participe em 2018 das eleições."

Diferentemente de membros da CUT que discursaram antes dele e defenderam a construção de uma greve geral contra o governo, Lula disse que não proporia essa medida.

"Eu não posso falar em greve geral porque eu não estou dentro da fábrica, e aposentado não faz greve", afirmou. A Folha apurou, no entanto, que o entorno do ex-presidente avalia que não há musculatura para parar o país agora.

Em vários momentos, o ato na Paulista, que atraiu um grande número de pessoas ligadas ao PT, pareceu um comício do partido. O mote "Fora, Temer" deu espaço a gritos de "Volta, querida".

Alguns partidos e movimentos de esquerda, como o PSTU, não engrossaram o protesto anti-Temer porque não endossam a volta do governo petista.

A tese de convocar novas eleições ou realizar um plebiscito, defendida por alguns setores, não foi abraçada nos discursos.



Outras coberturas especiais


Presidência da República

Presidência da República

Última atualização 22 OUT, 13:00

MAIS LIDAS

Crise