COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

04 de Abril, 2016 - 11:30 ( Brasília )

Rubens Barbosa: "A ação do PT no exterior é péssima para o Brasil"

O ex-embaixador nos Estados Unidos diz que a ofensiva externa de Dilma e Lula para vender a ideia de que há um golpe em marcha no país é um "desserviço" ao interesse nacional

Na última semana, com o impeachment batendo a sua porta, a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lançaram uma ofensiva na imprensa internacional para convencer o público externo de que há uma tentativa de golpe em andamento no Brasil.

Para Rubens Barbosa, que foi embaixador do Brasil nos Estados Unidos entre 1999 e 2004, e é ligado ao PSDB, a estratégia de defesa de Dilma e Lula presta um "enorme desserviço" para a imagem do Brasil e se opõe ao interesse nacional.

"Essa articulação no exterior passa uma imagem de instituições fragilizadas e de disputas institucionais que na verdade não existem"", diz Barbosa, que vai inaugurar nesta segunda-feira, dia 4 de abril, o Instituto de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Irice), um centro para estudos internacionais sediado em São Paulo.

ÉPOCA - O que o senhor acha da ofensiva de marketing de Dilma e Lula junto à imprensa internacional para tentar manchar a legalidade do processo de impeachment?
Rubens Barbosa- Não se trata apenas de uma ofensiva junto à imprensa. O PT tem muitas conexões no exterior, principalmente o ex-presidente Lula, Eles têm contatos em vários países da América Latina, principalmente nos países com líderes de esquerda, como a Venezuela, a Bolívia e o Equador. Eles estão usando essa rede de conhecidos poderosos para tentar influenciar a opinião pública internacional.

ÉPOCA - Isso pode surtir algum efeito?
Barbosa - Essa campanha do PT e do Planalto está tendo repercussão lá fora. Os presidentes e políticos ligados ideologicamente ao PT estão replicando essa ideia de golpe e de estrago às instituições. O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, se manifestou de forma veemente. Todos os presidentes bolivarianos da região deram declarações fortes. O Rafael Correa, presidente do Equador, disse, de modo exagerado, que havia uma nova Operação Condor na América Latina (A Operação Condor foi uma aliança político-militar entre os vários regimes militares da América do Sul nas décadas de 1970 e 1980).

Há também organizações internacionais e instituições que não deveriam interferir em processos internos dos países. E o caso da Unasul (União das Nações Sul-Americanas) e do próprio Mercosul. Há uma campanha organizada para ludibriar as pessoas no exterior. Os correspondentes internacionais ainda se esforçam para colocar as declarações e os arroubos de Lula e Dilma em um contexto. Mas, quando instituições e presidentes bolivarianos se expressam de forma tão veemente contra um processo legal, estão contribuindo para a campanha de desinformação do PT.

ÉPOCA - Qual o efeito para a imagem do Brasil no exterior?
Barbosa - Isso é um enorme desserviço para o Brasil. Vai afetar sobremaneira a imagem do país no exterior, porque mistura a política externa com o governo. A política externa deve ser uma política de Estado que não se confunde com os interesses partidários. Todo esse esforço está sendo feito por meio de contatos diretos de lideranças petistas e de lideranças do governo à margem do Itamaraty, o órgão que deveria ser o responsável pela condução da política externa brasileira.

Novamente estão usando a máquina pública para interesses partidários. Além disso, segundo os ministros do Supremo, tudo está sendo feito seguindo os devidos processos legais. Não há nenhum golpe. Essa articulação no exterior presta um enorme desserviço, dá uma visão partidária comprometida, afeta a imagem do Brasil e é contra o interesse nacional, porque passa uma imagem de instituições fragilizadas e de disputas institucionais que na verdade não existem. A tese do golpe e a vitimização do partido são uma tentativa de obscurecer um processo legal.

ÉPOCA - A diplomacia brasileira se apequenou?
Barbosa - Sim. Desde o começo do governo Dilma havia a sensação de que a política externa não tinha importância e não deveria ser o foco. Nos últimos cinco anos, a coisa piorou porque a política externa ficou de feto em segundo plano devido à preocupação com a política econômica e, depois, com a crise. Além disso, o Itamaraty ficou marginalizado, perdeu a centralidade no espaço decisório sobre a política externa brasileira.

Gradualmente, nestes últimos anos, o Brasil vem perdendo espaço. Agora estão discutindo até cortar a participação do país em algumas organizações internacionais. Tanto o Itamaraty quanto o Ministério da Defesa sofreram cortes que tornam difícil a operação normal da atividade diplomática. O Brasil, na área comercial, ficou marginalizado. Em 15 anos, o país não fez mais que quatro ou cinco acordos comerciais. No mundo, foram mais de 400 acordos bilaterais ou multilaterais. É muito díspar. Na política externa, o Brasil não tem tomado a liderança de nada. O Brasil perdeu espaço, precisa restaurar sua voz no exterior, acabar com o isolamento comercial e se reinserir nos fluxos dinâmicos de comércio exterior.

ÉPOCA -Como reverter esse quadro?
Barbosa - Em primeiro lugar, é preciso colocar de novo o Itamaraty na condução da política externa brasileira. O Itamaraty perdeu espaço para posições ideológicas, deixou de fazer uma política de Estado para fazer uma política de partido. Além disso, é preciso rever toda a estratégia de negociação comercial do Brasil nos últimos 14 anos, que foi totalmente equivocada ao jogar todas as fichas na negociação multilateral da Rodada Doha (para liberalização do comércio global, via Organização Mundial do Comércio), enquanto o mundo produzia acordos comerciais, o Brasil ficou pendurado em acordos multilaterais que não saíram do papel. Hoje é muito difícil sair dessa situação, porque a política externa brasileira e o Itamaraty vivem seu momento mais frágil na história recente do país. Nunca antes na história o Itamaraty esteve tão marginalizado quanto agora.

ÉPOCA - É possível ressuscitar o Mercosul e torná-lo de fato um amplo acordo comercial?
Barbosa - Fui coordenador nacional do Mercosul no início. O Mercosul que existe hoje não tem nada a ver com o que deveria ser, no início dos anos 1990.0 Mercosul é um tratado econômico comercial que visa à abertura de mercados e a liberdade de negociação, de comércio.

O Mercosul, gradualmente, se transformou num fórum de discussão política e social. Nada contra. Houve uma série de avanços nesses anos, com o reconhecimento de diplomas e de livre circulação de pessoas. Tudo isso é ótimo, mas o Mercosul ficou reduzido a isso. Na área econômica e comercial, o Mercosul ficou totalmente paralisado, com os acordos congelados, sem avanços.

Agora, com as novas formas de comércio e negociação comercial, como o TPP (a Parceria Transpacific, um acordo de lire-comércio entre Estados Unidos, México e países asiáticos banhados pelo Oceano Pacifico), o Mercosul está completamente fora. A Argentina, o Brasil, o Paraguai e o Uruguai têm de discutir como fazer o Mercosul voltar a suas origens para reduzir o protecionismo e avançar na liberalização de comércio.

ÉPOCA - Ê possível tirar a ideologia do Mercosul?
Barbosa - Não é preciso brigar com ninguém. E preciso apenas entender a situação atual e negociar para atingirmos o melhor para o interesse do Brasil na região. Não adianta entender o Mercosul apenas como um fórum de discussão política e social e ignorar as restrições protecionistas que prejudicam as empresas brasileiras. O atual governo tem afinidade ideológica com a Venezuela e com outros países bolivarianos, mas isso não deveria prejudicar os interesses brasileiros.

ÉPOCA - Diante da crise pela qual passam países emergentes, como o Brasil e a Rússia e, em menor grau, a China e a índia, mais a África do Sul, como o senhor avalia o futuro dos países que formam hoje o bloco Brics?
Barbosa - Sou um dos poucos no Brasil que acreditam nos Brics. Não como um bloco de países com interesses comuns ou que vá fechar negócios entre si e excluir os outros, mas como um bloco de cinco países com grande influência regional e global.

A Rússia, o Brasil, a índia e a China passam por dificuldades. Cada país está focado em seus próprios interesses, mas começa a haver uma articulação política conjunta em organismos internacionais multilaterais, como o G-20, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional. À medida que cada um desses países resolver seus problemas internos, o peso do bloco, pela atuação regional e global de cada um, vai se fazer sentir. É preciso ter uma política muito bem elaborada para os Brics.

Obviamente, ele nunca será um bloco com uma agenda externa comum, porque cada país tem interesses muito específicos. O Brasil, por exemplo, é o único deles que não tem uma agenda nuclear. Mas os Brics podem se transformar em um bioco com uma agenda definida que una os interesses de cada país nos organismos internacionais. Os Brics não estão mortos. Eles estão avançando, apesar da difícil conjuntura de seus países membros.