COBERTURA ESPECIAL - Crise - Geopolítica

05 de Janeiro, 2016 - 10:15 ( Brasília )

Alemanha ameaça reavaliar exportação de armas à Arábia Saudita

Ministro da Economia, Sigmar Gabriel, admite a necessidade de rever envio de armamento ao reino sunita. Oposição alemã exige suspensão imediata. Ministério do Exterior rejeita impor sanções contra Riad pelas execuções.

A Alemanha pode vir a olhar com mais atenção às suas exportações de armas à Arábia Saudita, após o reino sunita ter realizado sua maior execução em massa ao longo de décadas, disse o ministro da Economia da Alemanha, Sigmar Gabriel, nesta segunda-feira (04/01).

Berlim não está planejando impor sanções contra Riad depois das execuções, que levaram a um aumento de tensões no Oriente Médio e ao rompimento de laços diplomáticos, garantiu um porta-voz do Ministério do Exterior. Mas, no passado, o ministério de Gabriel rejeitou alguns envios de armas à Arábia Saudita e pode voltar a reter licenças de exportação.

"Podemos ver agora que foi correto não entregar tanque nem fuzil de assalto G36 à Arábia Saudita", disse Gabriel, em comunicado. "Agora temos que analisar se precisamos avaliar também armamento defensivo mais criticamente no futuro."

O Departamento Federal de Controle Econômico e de Exportações (Bafa, sigla em alemão), subsidiária do Ministério da Economia, é responsável pelo licenciamento de acordos de exportação de armas e, em 2014, Gabriel prometeu uma abordagem muito mais cautelosa na permissão de tais exportações para regiões instáveis como o Oriente Médio.

Nos primeiros seis meses de 2015, a Alemanha permitiu a exportação de armas no valor de mais de 178 milhões de euros à Arábia Saudita, segundo relatório do próprio Ministério da Economia, divulgado em outubro .

Ambos os partidos de oposição no Bundestag (câmara baixa do Parlamento alemão), os Verdes e A Esquerda, exigiram a suspensão imediata às exportações de armas ao reino saudita, após a execução de 47 pessoas, entre elas um proeminente clérigo xiita.

As execuções levaram a protestos generalizados no Oriente Médio, especialmente em Iraque e Irã. Manifestantes iranianos chegaram a saquear a embaixada saudita em Teera, no sábado. Em reação, Riad suspendeu as relações diplomáticas com Irã, medida apoiada pelos aliados sauditas Bahrein, Sudão e Emirados Árabes Unidos.

Até mesmo alguns membros da União Democrata Cristã (CDU), partido da chanceler federal alemã Angela Merkel, que anteriormente já enfatizou o importante papel da Arábia Saudita como parceiro estratégico na região, pediram por uma reavaliação das relações.

"A moratória sobre as exportações de armas seria o sinal correto agora. Negócios, como de costume, não é uma opção", disse o deputado Michael Hennrich, líder do grupo parlamentar que defende os interesses das relações entre Berlim e Riad, ao jornal alemão Rheinische Post.