COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Geopolítica

26 de Março, 2018 - 13:00 ( Brasília )

China acusa EUA de arrogância por críticas a presidente Xi em fórum de direitos humanos


A China acusou os Estados Unidos de arrogância nesta segunda-feira, depois que a delegação dos EUA rejeitou uma resolução do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) apresentada por Pequim, afirmando que o texto chinês glorifica a agenda do presidente Xi Jinping.

O voto dos EUA foi o único “não” na reunião do conselho em Genebra, e um diplomata norte-americano disse que autoridades chinesas deixaram clara sua intenção “de glorificar seu chefe de Estado inserindo seus pensamentos no léxico internacional de direitos humanos”.

A China tomou a iniciativa de uma resolução —apenas sua segunda em quase 12 anos— que pede uma “cooperação mutuamente benéfica”.

A discórdia aumenta as tensões entre Pequim e Washington, envolvidos em uma disputa comercial desde que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou planos de impor tarifas sobre até 60 bilhões de dólares de produtos da China.

“Acho que os comentários desta autoridade dos EUA em Genebra que vocês mencionam foram extremamente insensatos, e também refletem a ignorância e a arrogância persistentes do lado dos EUA”, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, em um boletim diário à imprensa.

Na reunião do conselho, muitos países opinaram que a resolução chinesa refletiu os desejos comuns da comunidade internacional e ajudou as nações em desenvolvimento a terem mais voz própria nas questões de direitos humanos, acrescentou Hua.

Xi vem comandando uma repressão a todas as formas de discórdia na sociedade chinesa, em meio à qual centenas de advogados e ativistas de direitos humanos foram detidos e dezenas foram presos.

A China nega rotineiramente acusações de abusos de direitos humanos, dizendo que seus críticos são preconceitos, que o país vive sob o Estado de Direito e que só persegue aqueles que violam as leis.

Taiwan envia caças para acompanhar exercícios militares da China


Taiwan enviou caças de combate para acompanhar aeronaves da Força Aérea da China que sobrevoavam o Canal de Bashi, no sul da ilha, nesta segunda-feira, informou o Ministério da Defesa taiwanês, o incidente mais recente do tipo a elevar as tensões entre Taipé e Pequim.

A China enviou um número não especificado de bombardeiros Xian H-6, caças Su-30 e aeronaves de transporte Y-8 para a rota marítima a caminho do Pacífico Ocidental, segundo o ministério de Taiwan.

As aeronaves chinesas foram seguidas por caças taiwaneses até voltarem à base, relatou a pasta em um comunicado.

No dia 21 de março Taiwan enviou embarcações e aeronaves para acompanhar o grupo de um porta-aviões chinês que navegava pelo Estreito de Taiwan. Taiwan é um dos temas mais sensíveis para a China e uma zona de conflito militar em potencial.

As manobras dos militares chineses ocorrem em um momento de tensões elevadas entre Pequim e a ilha autogovernada e vêm na esteira de alertas duros do presidente chinês, Xi Jinping, contra o movimento separatista de Taiwan.

A China reivindica Taiwan como sua posse e considera a ilha uma província dissidente. Na semana passada Xi disse que Taiwan enfrentará a “punição da história” por qualquer tentativa de separação.

A hostilidade chinesa contra a ilha aumentou desde que Tsai Ing-wen, do pró-independência Partido Democrático Progressista, venceu a eleição presidencial em 2016.

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Dossiê EMBRAER

Dossiê EMBRAER

Última atualização 17 DEZ, 10:10

MAIS LIDAS

Expansão Chinesa