COBERTURA ESPECIAL - Expansão Chinesa - Tecnologia

27 de Novembro, 2017 - 16:00 ( Brasília )

China cria 1º parque temático de realidade virtual em meio a boom do segmento

China cria 1º parque temático de realidade virtual em meio a boom do segmento

China criou seu primeiro parque temático de realidade virtual, aproveitando um boom na demanda por entretenimento virtual, em meio a um esforço para diversificar sua economia.

O parque de 134 hectares, localizado nas proximidades de Guiyang, capital da província de Guizhou, uma das mais pobres do país. Serão 35 atrações de realidade virtual, como

  • jogos de tiro (shooter);
  • montanhas-russas;
  • passeios com alienígenas intergaláticos nos locais turísticos da região.

A demanda por entretenimento virtual deve levar o mercado de realidade virtual a crescer 10 vezes no país e atingir quase US$ 8,5 bilhões até 2020, de acordo com previsão da instituição estatal de estudos e pesquisas CCID.

O parque Oriental Science Fiction Valley custou US$ 1,5 bilhão. A atração faz parte do plano da China para desenvolver novos motores de crescimento centrados em tendências, como jogos, esportes e tecnologia de ponta, para reduzir a dependência de indústrias tradicionais.

No impulso para se tornar um centro de tecnologia inovadora, Guizhou está atraindo empresas. A Apple estabeleceu o seu centro de dados da China na cidade, enquanto o maior telescópio de rádio do mundo está no próximo município de Pingtang.



O parque de Guiyang oferecerá aos turistas bungee jump a partir de um enorme robô tipo Transformer e um estúdio que se dedicará a produzir filmes de realidade virtual. A maioria das atrações vai usar óculos de realidade virtual e simuladores de movimento para animar os usuários.

Os agricultores do vilarejo de Zhangtianshui, localizado nas proximidades, estão preocupados com a poluição causada por grandes empreendimentos, mas ansiosos pelos benefícios econômicos que o parque trará.

"Há muitas coisas boas que saem desses projetos", disse o agricultor Liu Guangjun. "Quanto à realidade virtual, na verdade não entendo isso".

 


VEJA MAIS